sicnot

Perfil

Mundo

Amnistia Internacional acusa forças armadas do Sudão de cometerem crimes de guerra

As forças armadas sudanesas cometeram crimes de guerra na região do Kordofan do Sul, nomeadamente bombardeando zonas e infraestruturas civis, indicou hoje a organização de defesa dos direitos humanos Amnistia Internacional (AI) num comunicado.

© Stringer . / Reuters

As forças governamentais enfrentam desde 2011 nas províncias do Kordofan do Sul e do Nilo Azul uma insurreição do ramo do Exército Popular de Libertação do Sudão no norte (SPLA-N).

"Há vários anos que uma 'chuva' de bombas e de granadas de morteiro lançadas pelas forças armadas sudanesas cai sobre a população civil, destruindo vidas e meios de subsistência e criando uma grave crise humanitária", declarou Michelle Kagari, diretora regional adjunta da AI.

A organização não-governamental sediada em Londres afirma que uma equipa de investigadores esteve em maio nas zonas ocupadas pelos rebeldes no Kordofan do Sul, onde encontrou provas da utilização de munições de fragmentação pelas forças governamentais que tiveram como alvo edifícios civis, nomeadamente escolas e instalações médicas.

A Amnistia Internacional dá conta da morte de 35 civis entre janeiro e abril em bombardeamentos aéreos e disparos de artilharia.

Os investigadores não se deslocaram às zonas sob controlo do governo. Cartum proíbe regularmente o acesso das organizações estrangeiras de defesa dos direitos humanos ao Kordofan do Sul e ao Nilo Azul, assim como ao Darfur, onde as autoridades enfrentam outra insurreição desde 2003.

"Ter como alvo zonas e infraestruturas civis que não representam objetivos militares legítimos, utilizando sem discriminação armas proibidas e outras armas, constitui um crime de guerra", sublinhou Kagari.

A agência France Presse referiu que as forças armadas não puderam ser contactadas para comentar as afirmações da AI.

O presidente sudanês, Omar al-Bashir, é objeto desde 2009 e 2010 de dois mandados de detenção do Tribunal Penal Internacional por crimes de guerra e contra a humanidade e genocídio no Darfur. Mais de 300.000 pessoas morreram neste conflito, de acordo com as Nações Unidas.

Lusa

  • Equipa da SIC impedida de entrar na Venezuela

    País

    A SIC tinha uma equipa a caminho da Venezuela para cobrir as eleições da Assembleia Constituinte que decorrem no domingo. No entanto o jornalista Luís Garriapa e o repórter de imagem Odacir Junior foram impedidos de entrar no país. A equipa de reportagem foi barrada à chegada ao aeroporto de Caracas. Num despacho enviado à companhia aérea que os transportou, tanto o jornalista como o repórter de imagem são considerados "inadmissíveis no território da Venezuela".

  • "Fomos considerados inadmissíveis no território da Venezuela"
    4:43

    País

    O jornalista Luís Garriapa entrou em direto no Jornal da Noite, para explicar o que aconteceu esta quinta-feira, no aeroporto de Caracas. A equipa de reportagem de SIC foi impedida de entrar na Venezuela, onde ia cobrir as eleições da Assembleia Constituinte, marcadas para domingo.

  • Marcelo lembra como foi tratada a tragédia de 1967 durante a ditadura
    2:25
  • Costa alerta para "condições particularmente adversas"
    1:47

    País

    O primeiro-ministro alertou para a possibilidade de novos incêndios de grandes dimensões, muito por causa da situação de seca que grande parte do território atravessa. António Costa pediu aos portugueses um "particular cuidado com todos os comportamentos de risco".

  • Ministra admite falhas no SIRESP no presente e no passado
    2:35

    País

    A ministra da Administração Interna admitiu, esta quinta-feira, que o SIRESP falha no presente tal como já falhou no passado, quando a tutela pertencia ao Governo PSD. Os sociais-democratas quiserem ouvir Constança Urbano de Sousa na comissão parlamentar mas desta vez a ministra defendeu-se com um ataque. 

  • Temperaturas vão baixar nos próximos dias
    1:05
  • Quase três mil toneladas de plástico ameçam tartarugas no Mediterrâneo
    2:35