sicnot

Perfil

Mundo

Amnistia Internacional acusa forças armadas do Sudão de cometerem crimes de guerra

As forças armadas sudanesas cometeram crimes de guerra na região do Kordofan do Sul, nomeadamente bombardeando zonas e infraestruturas civis, indicou hoje a organização de defesa dos direitos humanos Amnistia Internacional (AI) num comunicado.

© Stringer . / Reuters

As forças governamentais enfrentam desde 2011 nas províncias do Kordofan do Sul e do Nilo Azul uma insurreição do ramo do Exército Popular de Libertação do Sudão no norte (SPLA-N).

"Há vários anos que uma 'chuva' de bombas e de granadas de morteiro lançadas pelas forças armadas sudanesas cai sobre a população civil, destruindo vidas e meios de subsistência e criando uma grave crise humanitária", declarou Michelle Kagari, diretora regional adjunta da AI.

A organização não-governamental sediada em Londres afirma que uma equipa de investigadores esteve em maio nas zonas ocupadas pelos rebeldes no Kordofan do Sul, onde encontrou provas da utilização de munições de fragmentação pelas forças governamentais que tiveram como alvo edifícios civis, nomeadamente escolas e instalações médicas.

A Amnistia Internacional dá conta da morte de 35 civis entre janeiro e abril em bombardeamentos aéreos e disparos de artilharia.

Os investigadores não se deslocaram às zonas sob controlo do governo. Cartum proíbe regularmente o acesso das organizações estrangeiras de defesa dos direitos humanos ao Kordofan do Sul e ao Nilo Azul, assim como ao Darfur, onde as autoridades enfrentam outra insurreição desde 2003.

"Ter como alvo zonas e infraestruturas civis que não representam objetivos militares legítimos, utilizando sem discriminação armas proibidas e outras armas, constitui um crime de guerra", sublinhou Kagari.

A agência France Presse referiu que as forças armadas não puderam ser contactadas para comentar as afirmações da AI.

O presidente sudanês, Omar al-Bashir, é objeto desde 2009 e 2010 de dois mandados de detenção do Tribunal Penal Internacional por crimes de guerra e contra a humanidade e genocídio no Darfur. Mais de 300.000 pessoas morreram neste conflito, de acordo com as Nações Unidas.

Lusa

  • Reclusos que fugiram de Caxias tiveram cúmplices
    1:59

    País

    Uma falha de Portugal poderá explicar a libertação de um dos dois chilenos que fugiram de Caxias e foram apanhados em Espanha. As autoridades portuguesas atrasaram-se a enviar o mandado de detenção e a polícia espanhola libertou o fugitivo. Na investigação da fuga, acredita-se que os 3 reclusos tiveram cúmplices e a namorada de um deles já foi interrogada.

  • Jovem indiano acorda a caminho do próprio funeral

    Mundo

    Um jovem indiano chocou os seus parente e amigos, depois de acordar no caminho para o seu próprio funeral. No mês antes, Kumar Marewad foi levado para o hospital após ser mordido por um cão de rua, ficando em estado grave.

  • Bilhete de desculpas valeu uma bolsa de estudo

    Mundo

    Um jovem chinês ganhou uma bolsa de estudos no valor de 10 mil yuan (cerca de 1.380 euros), depois de danificar acidentalmente um carro de luxo. Isto, porque após os estragos, o jovem deixou um bilhete de desculpas ao dono, assim como todo o dinheiro que tinha com ele, como compensação.