sicnot

Perfil

Mundo

Paquistão executou Shafqat Hussain apesar das críticas da ONU

O Paquistão executou hoje Shafqat Hussain, que foi condenado à pena capital ainda em adolescente, apesar das objeções manifestadas por parte de organizações de defesa de direitos humanos e das Nações Unidas.

A mãe de Shafqat Hussain mostra uma foto do filho em Março de 2015.

A mãe de Shafqat Hussain mostra uma foto do filho em Março de 2015.

Shafqat Hussain foi enforcado pouco antes do amanhecer em Carachi por ter matado um rapaz de sete anos em 2004, informou o seu irmão e uma fonte do estabelecimento prisional à agência AFP.

O caso despertou a atenção da comunidade internacional depois de os advogados e familiares terem denunciado que Shafqat Hussain tinha apenas 15 anos à data dos factos e que confessou sob tortura.

Especialistas das Nações Unidas afirmaram que o julgamento não cumpre os padrões internacionais e instaram o Paquistão a investigar as alegações de que confessou sob tortura, bem como a sua idade.

O governo de Caxemira, a terra natal de Shafqat Hussain, apelou na noite de segunda-feira ao Presidente paquistanês, Mamnoon Hussain, para adiar a execução de modo a permitir a realização de uma investigação mais aprofundada ao caso, mas em vão.

"Shafqat Hussain foi enforcado 10 a 12 minutos antes das orações do amanhecer de hoje", informou uma fonte da prisão de Carachi, no sul do país, à agência noticiosa francesa, sob a condição de anonimato.

Gul Zaman, irmão do condenado, que permanecia preso há oito anos, confirmou a notícia.

O Paquistão enforcou aproximadamente 180 condenados desde o levantamento da moratória sobre a pena capital que estava em vigor desde 2008, determinado em dezembro último, após o massacre numa escola em Peshawar, no noroeste do país, em que morreram 154 pessoas, a maioria das quais crianças.

Inicialmente, o levantamento da moratória só foi aplicado a condenados por crimes de terrorismo, mas seria alargado a outros crimes.

Organizações defensoras dos direitos humanos, como a Amnistia Internacional ou a Human Rights Watch (HRW), estimam que cerca de 8.000 pessoas estejam no corredor da morte em prisões paquistanesas por um dos crimes que prevêem a pena capital, tais como assassínio, violação ou blasfémia.

Lusa

  • Manuel Valls diz que Trump fez declaração de guerra à Europa

    Mundo

    O antigo primeiro-ministro francês Manuel Valls, aspirante a candidato socialista às presidenciais deste ano, considerou esta segunda-feira como uma "declaração de guerra" as afirmações do futuro Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, sobre a União Europeia.

  • Morreu o último homem que pisou a Lua

    Mundo

    O astronauta norte-americano Eugene Cernan, o último homem a pisar a Lua, morreu esta segunda-feira aos 82 anos, informou a agência espacial norte-americana, NASA.

  • Novo motim em prisão brasileira do Rio Grande do Norte

    Mundo

    Um motim ocorreu esta segunda-feira de madrugada numa prisão do estado brasileiro de Rio Grande do Norte, sem fazer feridos ou mortos, depois de uma rebelião numa outra prisão do mesmo estado ter feito 26 mortos no fim de semana.

  • Cheias e derrocadas destroem várias casas no Peru
    0:42

    Mundo

    Um deslizamento de terras seguido de uma inundação destruiu várias casas no Peru. As imagens mostram o momento em que o deslizamento acontece e o caos que se gerou. O trânsito ficou cortado e as inundações que se seguiram obrigaram várias pessoas a abandonar as suas habitações.