sicnot

Perfil

Mundo

Pelo menos 180 mortos e um milhão de desalojados na Índia devido às cheias

As chuvas torrenciais na Índia durante dias seguidos causaram cerca de 180 mortos e levaram à necessidade de abrigar em acampamentos para refugiados um milhão de pessoas, divulgaram as autoridades na terça-feira.

© Jitendra Prakash / Reuters

Os rios transbordaram e atingiram milhares de aldeias em zonas de Bengala Ocidental e do nordeste do Estado de Manipur, onde estradas e pontes foram cortadas e as comunicações interrompidas.

A maioria das mortes deveu-se a afogamento, embora quatro tenham morrido no desabamento de terras que soterrou uma aldeia junto da fronteira entre Manipur e Myanmar, onde as fortes chuvas associadas à monção causaram ainda outros estragos.

O número de mortos, conhecido na segunda-feira, aumentou de 120 para os 180 depois de se terem descoberto mais corpos em Bengala Ocidental e no oeste do Estado de Gujarate, onde o nível das águas recuou e permitiu que as pessoas voltassem para as suas casas.

"Perto de 1,2 milhões de pessoas encontram-se abrigadas em cerca de 1.600 campos para refugiados improvisados em escolas e outros edifícios governamentais", disse à agência noticiosa France Presse (AFP) o ministro de gestão de Riscos e Desastres, Javed Ahmad Khan, acrescentando que o transbordamento das águas das represas tinha agravado a inundação em Bengala Ocidental, cuja costa leste foi depois atingida na sexta-feira pelo ciclone Komen.

"O pior já passou. Agora é preciso concentrarmo-nos em providenciar ajuda e os melhores cuidados às pessoas desalojadas", salientou Gulab Singh, ministro de Gestão de Riscos e Desastres do Estado do Rajistão.

"Após terem recuperado quatro corpos", as equipas de salvamento continuavam a tentar resgatar pessoas em Manipur, depois do deslizamento de terras que atingiu a aldeia no sábado, disse o supervisor das operações, Jason Shimray.

A Índia, onde cerca de 80 por cento das chuvas anuais ocorre entre junho e setembro, enfrenta duras tragédias durante esta época do ano.

Lusa

  • " A melhoria das contas públicas não foi feita à custa dos portugueses"
    1:30

    País

    Numa espécie de balaço deste ano e meio de governação, o primeiro-ministro voltou a assinalar voltou a assinalar a redução do défice e as melhorias nas contas públicas. Num jantar com militantes em Coimbra, António Costa garantiu ainda que a "verdadeira reforça do Estado avança até ao final desta legislatura, que é a Descentralização.

  • Passos acusa Governo de "sacudir água do capote"

    País

    O líder do PSD, Pedro Passos Coelho, acusou este sábado o Governo de "sacudir a água do capote" para não assumir a responsabilidade pelo que está a ser decidido, usando uma política de comunicação que considerou ser um "embuste".

  • Quase 200 polícias solidários com agentes acusados
    2:29

    País

    Perto de 200 polícias manifestaram-se este sábado na sede da PSP em Alfragide, em solidariedade com os 18 agentes acusados no processo Cova da Moura. O Sindicato Nacional de Polícia associou-se ao protesto e diz existir um aproveitamento político do caso.

  • Polícias ameaçam com protestos no arranque do campeonato
    1:24

    País

    Os agentes da PSP ameaçam boicotar a presença nos jogos do campeonato da Primeira e Segunda ligas que começam em 15 dias. Os agentes colocam em causa o atual modelo de policiamento no futebol, que faz com que muitos dos profissionais da PSP trabalhem sem remuneração em dia de folga.

  • Norte também quer naturismo e praias de nudistas

    País

    O presidente da Turismo do Porto e Norte de Portugal defendeu hoje a criação de praias naturistas legalizadas na região, fazendo a apologia da formação de associações e negando que este seja um destino conservador.