sicnot

Perfil

Mundo

Autoridades angolanas investigam alegados raptos de ativistas em Luanda

As autoridades angolanas abriram uma investigação a denúncias sobre o rapto de pelo menos nove jovens ativistas que alegadamente iriam participar numa manifestação que se realizou em Luanda no dia 29 de julho.

Manifestação em Lisboa pela libertação dos ativistas angolanos.

Manifestação em Lisboa pela libertação dos ativistas angolanos.

SIC

Em causa estão denúncias que surgiram nas redes sociais e em alguns órgãos de comunicação social sobre alegados raptos atribuídos a agentes de segurança, levados a cabo antes e durante aquela manifestação, convocada para exigir a libertação de outros 15 jovens detidos desde 20 de junho, que terminou com uma carga policial.

De acordo com informação revelada hoje pela polícia angolana, por se tratar de um crime público - rapto - foi aberto um processo de inquérito pelo Serviço de Investigação Criminal, órgão afeto ao Ministério do Interior.

Não é conhecido que qualquer desses ativistas ainda permaneça desaparecido.

Estes alegados raptos foram associados no próprio dia a uma tentativa das forças de segurança de impedir a realização da manifestação, posição negada oficialmente pela Polícia Nacional, que através do porta-voz do Comando Geral, Aristófanes dos Santos, confirma agora "diligências para apurar a verdade".

A Polícia Nacional negou anteriormente que tenha feito detenções durante a manifestação de ativistas em Luanda, na passada quarta-feira, garantindo que apenas "recolheu" jovens, entretanto libertados, por "tentarem alterar a ordem" na cidade.

A informação foi prestada à agência Lusa pela porta-voz do Comando Provincial de Luanda daquela força, intendente Engrácia Costa, garantindo a oficial que a presença da polícia no Largo da Independência à hora da manifestação dos ativistas visava garantir a segurança de outro evento que decorria no local.

"Foram [jovens ativistas que se manifestavam] recolhidos porque insistiam, apesar da nossa sensibilização. Depois de identificados numa unidade nossa, foram mandados embora. Não, não foram detidos, foram recolhidos só para prevenir alguma alteração da ordem que eles tentavam fazer", afirmou a oficial da polícia, sem adiantar números.

A polícia angolana carregou nesse dia sobre cerca de 40 manifestantes que exigiam a libertação de 15 ativistas detidos por suspeita de planearem um golpe de Estado - a qual não estaria autorizada pelo governo provincial -, tendo-se registado alguns feridos na sequência dessa intervenção.

O protesto concretizou-se pelas 16:00 (mesma hora em Lisboa), no Largo da Independência, com os jovens manifestantes gritando por "Liberdade" quando entravam naquela área, que registava forte aparato policial e onde já decorria uma ação das estruturas juvenis do Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA, o partido no poder), envolvendo cerca de duas centenas de jovens.

Engrácia Costa reiterou, em declarações anteriores à Lusa, que a polícia agiu inicialmente "sensibilizando" os manifestantes que, na aproximação ao largo em que se verificou a intervenção, "eram aconselhados a regressar para casa".

Conforme a Lusa constatou no local, os jovens estiveram ao longo de alguns minutos concentrados em frente ao mesmo largo, rodeados de elementos policiais que, segundo foi visível, não intervieram.

Aparentemente, só a aproximação entre os manifestantes, do autodesignado Movimento Revolucionário, e a juventude partidária do MPLA - que organizava o evento autorizado - levou a polícia de intervenção colocada no local a carregar sobre os mesmos, recorrendo a equipas cinotécnicas, por entre momentos de forte tensão.

Lusa

  • Protesto em Lisboa contra ativistas detidos em Angola
    2:07

    País

    Várias dezenas de pessoas participaram esta quarta-feira numa concentração, em Lisboa, pela libertação imediata dos 15 jovens ativistas presos há um mês em Luanda. Horas antes, num outro protesto que decorreu em Luanda, a polícia terá carregado sobre os manifestantes. Pelo menos um jornalista foi detido e uma estação de rádio esteve cercada durante várias horas pela polícia.

  • O primeiro eclipse solar do ano
    0:57
  • O Nokia 3310 está de volta
    1:16

    Economia

    A Nokia chegou a ser uma das maiores empresas do mundo devido ao fabrico de telemóveis. Caiu, mas acaba de fazer renascer um dos sucessos de vendas do início do milénio. O anúncio foi feito este domingo, em Barcelona.