sicnot

Perfil

Mundo

Quase 70 mortos devido a inundações em Myanmar

Os esforços de ajuda internacional a Myanmar (antiga Birmânia) têm-se intensificado face às fortes inundações que já fizeram pelo menos 69 mortos no país, segundo o mais recente balanço hoje divulgado.

© Soe Zeya Tun / Reuters

As chuvas da época de monção, que têm fustigado grande parte do sul e sudeste da Ásia nos últimos tempos, aumentaram na passada semana devido à passagem do ciclone Komen que atravessou a Baía de Bengala.

Milhares de pessoas permanecem encurraladas nas regiões fronteiriças montanhosas do oeste da Birmânia, depois de repentinas cheias e deslizamentos de terras terem destruído habitações, estradas e pontes, ao fim de semanas de incessantes chuvas.

Com as comunicações gravemente afetadas pela intempérie torna-se difícil obter uma ideia do panorama geral no pobre e vasto país.

Myanmar lançou um raro apelo à ajuda internacional, num evidente contraste como o que sucedeu aquando da passagem do ciclone Nargis, em 2008, pelo país, que deixou 140 mil mortos ou desaparecidos, altura em que os generais que lideravam o país recusaram reconhecer a dimensão do desastre.

Desta vez, Tailândia e Japão juntaram-se à China na doação de suprimentos de emergência, anunciaram hoje os 'media' estatais birmaneses, tendo as agências da ONU a intensificado a sua resposta nas zonas inundadas mais remotas, descrevendo a situação como "um grande desastre natural".

Falando à margem de uma cimeira regional na Malásia, o secretário de Estado norte-americano, John Kerry, expressou as suas condolências, revelando que um pacote de ajuda vai ser anunciado por Washington em breve.

As fortes chuvas elevaram para 69 o número de mortos na Birmânia, afetando mais de 260 mil pessoas, disse hoje Phyu Lei Lei Tun, do Ministério dos Assuntos Sociais à agência AFP, indicando que só no estado de Rakhine, no oeste, foram registados 21 mortos.

O governo da Birmânia admitiu que a escala das inundações suplantou os esforços de emergência e emitiu um apelo formal de ajuda dirigido às organizações internacionais de ajuda humanitária.

O Japão providenciou já ajuda, como cobertores, no valor de 150 mil dólares, segundo um comunicado da embaixada nipónica em Rangum, verba idêntica à prometida pela Tailândia.

Centenas de pessoas morreram e mais de dois milhões de outras foram afetadas em toda a região, em particular na Índia e no Paquistão, mas também no Vietname e no Nepal.

Lusa

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.