sicnot

Perfil

Mundo

Rússia ordena retirada de livros de historiadores britânicos

A Rússia mandou retirar das bibliotecas escolares e universitárias os livros dos reconhecidos historiadores britânicos John Keegan e Antony Beevor, alegando que as obras destes autores promovem os estereótipos da época nazi, divulgou esta quarta-feira uma porta-voz oficial.

(Arquivo)

(Arquivo)

© Petr Josek Snr / Reuters

Num decreto assinado pelo Ministério da Educação regional de Sverdlovsk, as autoridades russas pedem às bibliotecas para "verificarem a disponibilidade dos livros" dos historiadores britânicos e "para tomarem medidas para remover [as obras] do acesso de estudantes e professores".

Os dois autores, John Keegan (falecido em 2012) e Antony Beevor, são historiadores de renome internacional, cuja obra é focada na História militar, em particular na época da Segunda Guerra Mundial (1939/1945).

As obras dos dois autores, nomeadamente o sucesso literário de Antony Beevor "Berlim: A Queda, 1945", têm sido criticadas na Rússia por focarem as atrocidades cometidas durante os avanços do Exército Vermelho até à capital alemã.

As autoridades regionais de Sverdlovsk afirmaram que os livros destes historiadores, sem especificar qualquer obra, "propagam estereótipos formados durante a época do Terceiro Reich", segundo uma cópia digitalizada do decreto publicada por um 'site' de notícias local.

Em declarações à agência francesa AFP, a porta-voz do governador regional, Yulia Voronina, confirmou a existência do decreto, acrescentando que estão a ser realizadas inspeções às bibliotecas.

Num comunicado enviado à AFP, as autoridades administrativas daquela região russa afirmaram que "muitos historiadores acreditam que livros de autores como John Keegan e Antony Beevor têm uma interpretação errada sobre os acontecimentos da Segunda Guerra Mundial, contradizem documentos históricos e são inspirados em estereótipos da propaganda nazi".

Moscovo tem intensificado este ano a campanha contra as influências ocidentais.

Segundo o decreto do ministério, os livros de John Keegan e Antony Beevor foram publicados na Rússia pela Fundação Open Society, do bilionário e filantropo norte-americano George Soros.

Em julho último, a câmara alta do Parlamento russo (Conselho da Federação Russa) elaborou uma lista de organizações "indesejáveis" recomendadas para proibição. A Fundação Open Society de George Soros integra a lista.

Lusa

  • O dia em que Marcelo apitou um jogo de futebol

    País

    Habituado a ajuizar os momentos de tensão entre Governo e oposição, Marcelo Rebelo de Sousa foi esta quarta-feira árbitro, literalmente. Tudo aconteceu num jogo de futebol entre crianças, durante a visita do Presidente da República a São Tomé e Príncipe.

  • Dia de homenagens e muito futebol para Marcelo em São Tomé
    3:01

    País

    No segundo dia da visita de Estado a São Tomé e Príncipe, o Presidente da República prestou homenagem às vítimas do massacre de Batepá, em 1953. Marcelo Rebelo de Sousa não pediu desculpa pela história, mas lembrou que é preciso assumir as coisas menos boas do passado. O dia terminou com o Presidente a mostrar que ainda está em forma.

    Enviados SIC

  • Patinadora enfrenta "pesadelo" nos Olímpicos

    Desporto

    A patinadora Gabriella Papadakis enfrentou na segunda-feira um dos "piores pesadelos" da sua vida, durante a estreia nos Jogos Olímpicos de Inverno, em Pyeongchang, na Coreia do Sul. Durante a apresentação, a parte de cima do vestido da francesa saiu do lugar e revelou parte do seu seio. Mas este não foi o único caso de incidentes com figurinos. Também a sul-coreana Yura Min quase ficou despida durante a sua apresentação.

    SIC

  • Casal mantinha filhos trancados sem comida

    Mundo

    Se pensava que só existia uma casa dos horrores, a da família Turpin, desengane-se. A polícia de Tucson, no estado norte-americano do Arizona, deteve na terça-feira um casal que mantinha os quatro filhos adotivos trancados em quartos separados.

    SIC

  • Pigcasso, a porca pintora que tem uma galeria de arte

    Mundo

    O nome sugere o talento da artista que vive na Cidade do Cabo, na África do Sul. Pigcasso estava prestes a morrer, quando foi resgatada por uma ativista que a ajudou a enveredar pelo caminho da pintura. Desde pequena começou a pegar em pincéis e agora é o primeiro animal do mundo com uma galeria de arte, onde já lançou a sua primeira exposição intitulada 'Oink!'.