sicnot

Perfil

Mundo

Rússia ordena retirada de livros de historiadores britânicos

A Rússia mandou retirar das bibliotecas escolares e universitárias os livros dos reconhecidos historiadores britânicos John Keegan e Antony Beevor, alegando que as obras destes autores promovem os estereótipos da época nazi, divulgou esta quarta-feira uma porta-voz oficial.

(Arquivo)

(Arquivo)

© Petr Josek Snr / Reuters

Num decreto assinado pelo Ministério da Educação regional de Sverdlovsk, as autoridades russas pedem às bibliotecas para "verificarem a disponibilidade dos livros" dos historiadores britânicos e "para tomarem medidas para remover [as obras] do acesso de estudantes e professores".

Os dois autores, John Keegan (falecido em 2012) e Antony Beevor, são historiadores de renome internacional, cuja obra é focada na História militar, em particular na época da Segunda Guerra Mundial (1939/1945).

As obras dos dois autores, nomeadamente o sucesso literário de Antony Beevor "Berlim: A Queda, 1945", têm sido criticadas na Rússia por focarem as atrocidades cometidas durante os avanços do Exército Vermelho até à capital alemã.

As autoridades regionais de Sverdlovsk afirmaram que os livros destes historiadores, sem especificar qualquer obra, "propagam estereótipos formados durante a época do Terceiro Reich", segundo uma cópia digitalizada do decreto publicada por um 'site' de notícias local.

Em declarações à agência francesa AFP, a porta-voz do governador regional, Yulia Voronina, confirmou a existência do decreto, acrescentando que estão a ser realizadas inspeções às bibliotecas.

Num comunicado enviado à AFP, as autoridades administrativas daquela região russa afirmaram que "muitos historiadores acreditam que livros de autores como John Keegan e Antony Beevor têm uma interpretação errada sobre os acontecimentos da Segunda Guerra Mundial, contradizem documentos históricos e são inspirados em estereótipos da propaganda nazi".

Moscovo tem intensificado este ano a campanha contra as influências ocidentais.

Segundo o decreto do ministério, os livros de John Keegan e Antony Beevor foram publicados na Rússia pela Fundação Open Society, do bilionário e filantropo norte-americano George Soros.

Em julho último, a câmara alta do Parlamento russo (Conselho da Federação Russa) elaborou uma lista de organizações "indesejáveis" recomendadas para proibição. A Fundação Open Society de George Soros integra a lista.

Lusa

  • Michelle Obama partilhou momento de despedida da Casa Branca
    1:43
  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Trabalhadores da saúde iniciam greve nacional

    País

    Trabalhadores da saúde estão esta sexta-feira a cumprir uma greve a nível nacional para reivindicar a admissão de novos profissionais, exigir a criação de carreiras e a aplicação das 35 horas semanais a todos os funcionários do setor.

  • Portugal a tremer de frio
    3:07

    País

    Portugal continua a registar temperaturas negativas, sobretudo no Norte do país. Em Trás-os-Montes, por exemplo, marcaram mínimas de 11 graus abaixo de zero e os termómetros desceram tanto que congelaram rios, canalizações de água e até aquecimentos de escolas. Mas nem tudo é mau pois os produtores falam em boa época para curar fumeiro.

  • Juiz brasileiro morto em acidente aéreo investigava corrupção na Petrobras
    1:28
  • Zoo da Indonésia acusado de querer matar ursos à fome

    Mundo

    Um grupo de ativistas da Indonésia acusa o Jardim Zoológico de Bandung de estar a matar à fome os seus animais, incluindo os ursos-do-sol, para ser fechado. Um vídeo recentemente publicado mostra os ursos, que aparecem muito magros e a implorar por comida.

  • Podem as plantas ver, ouvir e até reagir?

    Mundo

    Um professor de Ciências Vegetais da Universidade de Missouri, nos Estados Unidos, passou quatro décadas a investigar as relações entre vegetais e insetos. Na visão de Jack Schultz, as plantas são "como animais muito lentos", que conseguem ver, ouvir, cheirar e até têm comportamentos próprios.