sicnot

Perfil

Mundo

Rússia ordena retirada de livros de historiadores britânicos

A Rússia mandou retirar das bibliotecas escolares e universitárias os livros dos reconhecidos historiadores britânicos John Keegan e Antony Beevor, alegando que as obras destes autores promovem os estereótipos da época nazi, divulgou esta quarta-feira uma porta-voz oficial.

(Arquivo)

(Arquivo)

© Petr Josek Snr / Reuters

Num decreto assinado pelo Ministério da Educação regional de Sverdlovsk, as autoridades russas pedem às bibliotecas para "verificarem a disponibilidade dos livros" dos historiadores britânicos e "para tomarem medidas para remover [as obras] do acesso de estudantes e professores".

Os dois autores, John Keegan (falecido em 2012) e Antony Beevor, são historiadores de renome internacional, cuja obra é focada na História militar, em particular na época da Segunda Guerra Mundial (1939/1945).

As obras dos dois autores, nomeadamente o sucesso literário de Antony Beevor "Berlim: A Queda, 1945", têm sido criticadas na Rússia por focarem as atrocidades cometidas durante os avanços do Exército Vermelho até à capital alemã.

As autoridades regionais de Sverdlovsk afirmaram que os livros destes historiadores, sem especificar qualquer obra, "propagam estereótipos formados durante a época do Terceiro Reich", segundo uma cópia digitalizada do decreto publicada por um 'site' de notícias local.

Em declarações à agência francesa AFP, a porta-voz do governador regional, Yulia Voronina, confirmou a existência do decreto, acrescentando que estão a ser realizadas inspeções às bibliotecas.

Num comunicado enviado à AFP, as autoridades administrativas daquela região russa afirmaram que "muitos historiadores acreditam que livros de autores como John Keegan e Antony Beevor têm uma interpretação errada sobre os acontecimentos da Segunda Guerra Mundial, contradizem documentos históricos e são inspirados em estereótipos da propaganda nazi".

Moscovo tem intensificado este ano a campanha contra as influências ocidentais.

Segundo o decreto do ministério, os livros de John Keegan e Antony Beevor foram publicados na Rússia pela Fundação Open Society, do bilionário e filantropo norte-americano George Soros.

Em julho último, a câmara alta do Parlamento russo (Conselho da Federação Russa) elaborou uma lista de organizações "indesejáveis" recomendadas para proibição. A Fundação Open Society de George Soros integra a lista.

Lusa

  • Porque erram os árbitros?
    2:03

    Desporto

    Num momento em que a polémica em redor da arbitragem está acesa e que nem o videoárbitro parece ter contribuído para a pacificar o futebol, em Leiria juntaram-se treinadores e homens do apito para se entender porque erram os árbitros.

  • "Não andámos a tomar calmantes, nem a dar abracinhos"
    0:52

    Desporto

    Rui Vitória recusa atirar a toalha ao chão. O treinador do Benfica acredita que ainda muito pode acontecer e revela a motivação da equipa depois da derrota com o FC Porto na Luz, que levou à perda da liderança a quatro jornadas do fim.

  • "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos"

    Mundo

    "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos", esta foi apenas uma das declarações de Karl Lagerfeld sobre as denúncias de abuso sexual, que estão a marcar o mundo do cinema, da música e da moda. Numa entrevista, o diretor criativo da Chanel e da Fendi declarou mesmo que estava farto do #MeToo, o movimento usado para denunciar estes casos de abusos por todo o mundo.

    SIC

  • Viagem de balão para ver as cerejeiras em flor
    14:27
  • Niassa foi o 4.º lince-ibérico libertado a ser atropelado em Portugal
    1:33

    País

    Uma fêmea de lince-ibérico foi encontrada morta com sinais de atropelamento na A22, próximo de Olhão. A fêmea, criada em cativeiro, tinha sido libertada no Vale do Guadiana em fevereiro de 2017. É o quarto lince-ibérico, que tinha sido libertado na natureza, que morre atropelado em Portugal.

  • "Há uma aceitação do lince no território"
    3:33

    País

    Apesar de já se terem registado em Portugal quatro atropelamentos de linces libertados na natureza, em entrevista à SIC, Pedro Rocha, do Departamento do Alentejo do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), disse que o programa de reintrodução "tem corrido bastante bem", não só devido às condições do habitat e disponibilidade de alimento, mas também porque "há uma aceitação do lince no território". Desde 2015, foram libertados no Vale do Guadiana 33 linces e 16 já nasceram em estado selvagem.

  • EUA acusam Síria de tentar apagar provas de alegado ataque químico em Douma
    1:28
  • Já pode escolher uma morte amiga do ambiente

    Mundo

    Preocupa-se com o ambiente? Recicla? Prefere andar a pé ou partilhar transportes? Então saiba que a partir de agora a morte também pode ser amiga do ambiente. Desde caixões degradáveis de vime a cremação líquida, já é possível diminuir o impacto ambiental da morte.

    SIC

  • O "anjo" que quer ensinar raparigas a programar
    2:59