sicnot

Perfil

Mundo

Venezuela condena intromissão dos EUA nos assuntos eleitorais

A Venezuela condenou hoje as "declarações de ingerência" do porta-voz do Departamento de Estado dos EUA, que instou as autoridades venezuelanas a reconsiderar "o veto" à participação nas legislativas de dezembro imposto a alguns candidatos da oposição.

"A Venezuela condena terminantemente as expressões ingerencistas do funcionário do Departamento de Estado dos EUA Mark Toner, que se imiscui em assuntos constitucionais internos [da Venezuela] relacionados com a eleição popular para cargos públicos na Venezuela", refere um comunicado do Ministério de Relações Exteriores.

O documento sublinha que "a Venezuela insiste que os atos dos poderes públicos venezuelanos se regem de maneira irrestrita e sem excepção alguma pela Constituição venezuelana e as suas leis".

"As delicadas funções públicas não podem responder ao mandado, directriz ou instruções estrangeiras, que violariam os princípios de soberania, integridade e autodeterminação dos Estados", precisa.

O Departamento de Estado dos EUA emitiu, na terça-feira, um comunicado no qual instava as autoridades venezuelanas a reconsiderar "o veto" à participação nas eleições legislativas de dezembro próximo imposto a alguns candidatos da oposição.

No documento, assinado pelo porta-voz adjunto do Departamento de Estado, Mark Toner, sublinha-se que "a democracia deve ser inclusiva" e proporcionar uma "diversidade suficientemente ampla" para que os eleitores possam "expressar as suas preferências de maneira significativa".

"Os Estados Unidos veem com preocupação os relatórios de recentes decisões do Conselho Nacional Eleitoral da Venezuela e da Controladoria-Geral da República, que impedem alguns membros da oposição de competir por um cargo público ou de o manter" no caso dos que estavam em funções, refere.

Segundo o documento "estas decisões têm claramente a intenção de complicar a capacidade da oposição de apresentar candidatos às eleições legislativas e de limitar a diversidade dos candidatos que possam ser apresentados perante o povo venezuelano".

"Instamos todas as autoridades venezuelanas relevantes a reconsiderarem o veto imposto aos candidatos e reiteramos o nosso apelo a uma observação eleitoral credível e oportuna", adianta a mesma nota.

"Incentivamos as instituições adequadas a assegurar que os venezuelanos podem exercer o direito de participar nas próximas eleições, como candidatos e como eleitores, segundo as tradições democráticas da Venezuela e a Carta Democrática Interamericana", afirmou Mark Toner.

Pelo menos cinco líderes da oposição estão "inabilitados" a exercer cargos públicos durante um ano, o que impede a sua inscrição como candidatos às eleições legislativas previstas para 06 de dezembro.

Entre eles contam-se a ex-deputada Maria Corina Machado, os jovens Raul Baduel e Alexander Tirado e os ex-autarcas Enzo Scarano e Daniel Ceballos.

Lusa

  • Condutora que atropelou peregrinos "internada compulsivamente"

    País

    A condutora do veículo que hoje atropelou seis peregrinos na Estrada Nacional 365, em Alcanena, apresentava problemas do foro psicológico e teve de ser internada compulsivamente. O atropelamento esta madrugada fez uma vítima mortal, um homem, e feriu cinco pessoas, uma das quais em estado grave.

  • Maduro deve ser reeleito em eleições contestadas pela oposição
    1:46

    Mundo

    Os venezuelanos elegem hoje o Presidente que deverá estar à frente do país até 2025. Há quatro candidatos, mas Nicolás Maduro é o favorito na corrida. A oposição apelou ao boicote e vários países da América e das Caraíbas, os EUA e a UE já avisaram que não reconhecerão resultados de uma eleição que não é livre nem transparente.

  • A solução de Elon Musk para os engarrafamentos em Los Angeles
    1:23