sicnot

Perfil

Mundo

Venezuela condena intromissão dos EUA nos assuntos eleitorais

A Venezuela condenou hoje as "declarações de ingerência" do porta-voz do Departamento de Estado dos EUA, que instou as autoridades venezuelanas a reconsiderar "o veto" à participação nas legislativas de dezembro imposto a alguns candidatos da oposição.

"A Venezuela condena terminantemente as expressões ingerencistas do funcionário do Departamento de Estado dos EUA Mark Toner, que se imiscui em assuntos constitucionais internos [da Venezuela] relacionados com a eleição popular para cargos públicos na Venezuela", refere um comunicado do Ministério de Relações Exteriores.

O documento sublinha que "a Venezuela insiste que os atos dos poderes públicos venezuelanos se regem de maneira irrestrita e sem excepção alguma pela Constituição venezuelana e as suas leis".

"As delicadas funções públicas não podem responder ao mandado, directriz ou instruções estrangeiras, que violariam os princípios de soberania, integridade e autodeterminação dos Estados", precisa.

O Departamento de Estado dos EUA emitiu, na terça-feira, um comunicado no qual instava as autoridades venezuelanas a reconsiderar "o veto" à participação nas eleições legislativas de dezembro próximo imposto a alguns candidatos da oposição.

No documento, assinado pelo porta-voz adjunto do Departamento de Estado, Mark Toner, sublinha-se que "a democracia deve ser inclusiva" e proporcionar uma "diversidade suficientemente ampla" para que os eleitores possam "expressar as suas preferências de maneira significativa".

"Os Estados Unidos veem com preocupação os relatórios de recentes decisões do Conselho Nacional Eleitoral da Venezuela e da Controladoria-Geral da República, que impedem alguns membros da oposição de competir por um cargo público ou de o manter" no caso dos que estavam em funções, refere.

Segundo o documento "estas decisões têm claramente a intenção de complicar a capacidade da oposição de apresentar candidatos às eleições legislativas e de limitar a diversidade dos candidatos que possam ser apresentados perante o povo venezuelano".

"Instamos todas as autoridades venezuelanas relevantes a reconsiderarem o veto imposto aos candidatos e reiteramos o nosso apelo a uma observação eleitoral credível e oportuna", adianta a mesma nota.

"Incentivamos as instituições adequadas a assegurar que os venezuelanos podem exercer o direito de participar nas próximas eleições, como candidatos e como eleitores, segundo as tradições democráticas da Venezuela e a Carta Democrática Interamericana", afirmou Mark Toner.

Pelo menos cinco líderes da oposição estão "inabilitados" a exercer cargos públicos durante um ano, o que impede a sua inscrição como candidatos às eleições legislativas previstas para 06 de dezembro.

Entre eles contam-se a ex-deputada Maria Corina Machado, os jovens Raul Baduel e Alexander Tirado e os ex-autarcas Enzo Scarano e Daniel Ceballos.

Lusa

  • Passos começou a fazer oposição

    Bernardo Ferrão

    É inegável a habilidade política de António Costa mas no caso da TSU e do acordo de Concertação Social só cai quem quer. A verdade dos factos é que o primeiro-ministro fechou um acordo sabendo que não o podia cumprir. E agora tenta desviar-nos o olhar para o PSD, como se fosse ele o culpado, quando o problema está na geringonça. Antes de atacar Passos, Costa devia resolver os problemas em casa com o PCP e BE.

    Bernardo Ferrão

  • PSD está a "perder terreno" na escolha de candidato a Lisboa
    1:46

    País

    Quem o diz é Luís Marques Mendes: o PSD perde na demora da escolha de um candidato para a Câmara de Lisboa. O líder Passos Coelho rejeita apoiar a candidatura de Assunção Cristas e garante que o partido vai ter um candidato próprio. Segundo o comentador da SIC, o último convite foi dirigido a José Eduardo Moniz.

  • Trump não escreve todos os tweets, mas dita-os

    Mundo

    O Presidente eleito dos EUA não escreve todos os tweets que são publicados na sua conta desta rede social, mas dita-os aos seus funcionários. Numa entrevista a um ex-secretário de Estado britânico, Donald Trump explica como usa a sua conta e garante que depois de ser investido Presidente, vai continuar a usar o Twitter para defender-se da "imprensa desonesta".

  • Depressão pode ser mais prejudicial para o coração do que a hipertensão

    Mundo

    Um estudo recente estabelece uma nova ligação entre depressão e distúrbios cardíacos. De acordo com a investigação publicada na revista Atheroscleroses, o risco de vir a sofrer de uma doença cardíaca grave é quase tão elevado para os homens que sofram de depressão, do que para os que tenham colesterol elevado ou obesidade, e pode mesmo ser maior do que para os que sofram de hipertensão.