sicnot

Perfil

Mundo

Venezuela condena intromissão dos EUA nos assuntos eleitorais

A Venezuela condenou hoje as "declarações de ingerência" do porta-voz do Departamento de Estado dos EUA, que instou as autoridades venezuelanas a reconsiderar "o veto" à participação nas legislativas de dezembro imposto a alguns candidatos da oposição.

"A Venezuela condena terminantemente as expressões ingerencistas do funcionário do Departamento de Estado dos EUA Mark Toner, que se imiscui em assuntos constitucionais internos [da Venezuela] relacionados com a eleição popular para cargos públicos na Venezuela", refere um comunicado do Ministério de Relações Exteriores.

O documento sublinha que "a Venezuela insiste que os atos dos poderes públicos venezuelanos se regem de maneira irrestrita e sem excepção alguma pela Constituição venezuelana e as suas leis".

"As delicadas funções públicas não podem responder ao mandado, directriz ou instruções estrangeiras, que violariam os princípios de soberania, integridade e autodeterminação dos Estados", precisa.

O Departamento de Estado dos EUA emitiu, na terça-feira, um comunicado no qual instava as autoridades venezuelanas a reconsiderar "o veto" à participação nas eleições legislativas de dezembro próximo imposto a alguns candidatos da oposição.

No documento, assinado pelo porta-voz adjunto do Departamento de Estado, Mark Toner, sublinha-se que "a democracia deve ser inclusiva" e proporcionar uma "diversidade suficientemente ampla" para que os eleitores possam "expressar as suas preferências de maneira significativa".

"Os Estados Unidos veem com preocupação os relatórios de recentes decisões do Conselho Nacional Eleitoral da Venezuela e da Controladoria-Geral da República, que impedem alguns membros da oposição de competir por um cargo público ou de o manter" no caso dos que estavam em funções, refere.

Segundo o documento "estas decisões têm claramente a intenção de complicar a capacidade da oposição de apresentar candidatos às eleições legislativas e de limitar a diversidade dos candidatos que possam ser apresentados perante o povo venezuelano".

"Instamos todas as autoridades venezuelanas relevantes a reconsiderarem o veto imposto aos candidatos e reiteramos o nosso apelo a uma observação eleitoral credível e oportuna", adianta a mesma nota.

"Incentivamos as instituições adequadas a assegurar que os venezuelanos podem exercer o direito de participar nas próximas eleições, como candidatos e como eleitores, segundo as tradições democráticas da Venezuela e a Carta Democrática Interamericana", afirmou Mark Toner.

Pelo menos cinco líderes da oposição estão "inabilitados" a exercer cargos públicos durante um ano, o que impede a sua inscrição como candidatos às eleições legislativas previstas para 06 de dezembro.

Entre eles contam-se a ex-deputada Maria Corina Machado, os jovens Raul Baduel e Alexander Tirado e os ex-autarcas Enzo Scarano e Daniel Ceballos.

Lusa

  • Jovem que morreu numa estância de esqui em Espanha sofreu um aneurisma
    1:26
  • Cunhado do Rei de Espanha em liberdade sem caução

    Mundo

    Inaki Urdangarin vai mesmo aguardar o desenrolar do recurso em liberdade na Suíça, onde o marido da Infanta Cristina tem residência oficial e onde terá de se apresentar às autoridades uma vez por mês, para além de estar obrigado a comunicar qualquer deslocação fora da Europa. De fora fica ainda o pagamento da caução de 200 mil euros pedida pelo Ministério Público espanhol.

  • Três letras de Zeca Afonso

    Cultura

    No dia em que se assinalam 30 anos da morte de Zeca Afonso, Raquel Marinho, jornalista da SIC e divulgadora de poesia portuguesa contemporânea, escolhe três letras do cantor e autor para dizer, em forma de homenagem.

    Raquel Marinho

  • Compensa comprar a granel?
    8:39
  • "Isto é uma mentira e tem carimbo de Estado"
    2:12

    Opinião

    O preço das botijas de gás em Portugal duplicou nos últimos 15 anos. José Gomes Ferreira esteve no Jornal da Noite, da SIC, onde explicou este aumento, lembrando que a classe política prometeu que se houvesse mais empresas a operar no mercado, os preços desciam. Contudo, José Gomes Ferreira diz que "isto é uma mentira e tem carimbo de Estado". O Diretor-Adjunto de Informação SIC explicou que como o mercado é livre, os operadores vendem aos preços mais altos que podem, deste modo os preços não variam muito entre uns e outros.

    José Gomes Ferreira