sicnot

Perfil

Mundo

Centenas de sobreviventes do naufrágio ao largo da Líbia chegaram a Itália

Um navio da Marinha irlandesa chegou hoje a Palermo, na Sicília, com mais de 360 sobreviventes e os corpos de 25 das mais de 200 vítimas do naufrágio de quarta-feira ao largo da costa da Líbia.

© Darrin Zammit Lupi / Reuters

Segundo a agência France Press, que cita as autoridades italianas, estão a ser montadas tendas no cais do porto de Palermo para prestar um primeiro auxílio aos sobreviventes, maioritariamente homens.

"Muitas pessoas morreram", afirmou à agência Lusa Regina Catrambone, que juntamente com o marido gere a organização não-governamental Migrant Offshore Aid Station, que opera um navio que participa na ajuda às embarcações com migrantes.

"Estávamos a 50 milhas náuticas (cerca de 93 quilómetros) da zona, por isso não fomos o navio identificado para realizar o salvamento", em que participaram "três navios governamentais, dois italianos e um irlandês", e "uma embarcação dos Médicos sem Fronteiras".

Regina Catrambone acrescentou que a sua embarcação chegou "muito mais tarde", tendo imediatamente lançado 'drones' (aviões não tripulados) para tentar localizar as "muitas pessoas desaparecidas".

"Fala-se de 600 mortos, quase confirmados, e 200 desaparecidos", salientou.

Segundo a mesma fonte, além dos sobreviventes transportados pela marinha irlandesa, também um navio da marinha italiana está a transportar náufragos para Palermo.

Lusa

  • Elemento dos Super Dragões com medida de coação mais gravosa
    1:37

    Desporto

    Os seis arguidos da Operação Jogo Duplo, que investiga crimes de corrupção e viciação de resultados na II Liga de futebol, saíram em liberdade. A medida de coação mais gravosa é para um membro da claque Super Dragões, que terá de pagar uma caução de 5 mil euros.

  • Mais de 120 pessoas com hepatite A
    2:23

    País

    O surto de hepatite A já infetou 128 pessoas, 60 das quais estão internadas em hospitais de Lisboa e Coimbra. A Direção-Geral da saúde recomenda a vacinação apenas aos familiares dos doentes. Apesar de não haver ruptura de stocks, há farmácias que não têm vacinas.

  • Sobreviventes de Mossul relatam mutilações e execuções do Daesh
    1:32