sicnot

Perfil

Mundo

Crise política na Guiné-Bissau pode levar a queda do Governo

Nas últimas semanas, a tensão política na Guiné-Bissau entre o Presidente e o primeiro-ministro tem aumentado. O chefe do Executivo, Domingos Simões Pereira, vai hoje dirigir uma mensagem ao país.

O primeiro-ministro da Guiné-Bissau Domingos Simões Pereira, numa visita a Portugal em 2014.

O primeiro-ministro da Guiné-Bissau Domingos Simões Pereira, numa visita a Portugal em 2014.

© Rafael Marchante / Reuters

Hoje, a partir das 09:00 (10:00 em Lisboa), o primeiro-ministro "irá ter vários encontros com líderes dos partidos políticos [com assento parlamentar] e comunidade internacional e no fim fará uma comunicação à Nação", refere o gabinete de Simões Pereira, em comunicado.

De acordo com fontes diplomáticas que vão participar nesses encontros, as reuniões devem decorrer durante toda a manhã.

Fontes diplomáticas e de diferentes autoridades do Estado disseram à Lusa que o Presidente da República está a manter encontros desde terça-feira sobre a possibilidade de demitir o Governo por dificuldades de relacionamento com o seu líder ainda por esclarecer.

A situação está a deixar incrédulos diversos representantes da comunidade internacional contactados pela Lusa em Bissau e que têm apoiado o executivo de Simões Pereira - anunciaram mil milhões de euros de intenções de apoio numa mesa redonda de doadores realizada em março, em Bruxelas.

Um desses representantes lamentou à Lusa a possibilidade de o país desperdiçar a estabilidade política atual por razões "aparentemente levianas" - ligadas à esfera do relacionamento pessoal.

Outro diplomata, Ovídio Pequeno, representante da União Africana em Bissau, disse à Lusa que a harmonização tem que ser feita através do diálogo.

"Ninguém vai exigir que as pessoas tenham que ser amigas. Mas quando estamos ao nível do aparelho de Estado, temos que nos cingir a esse trabalho", referiu.

Internamente, o Governo recebeu desde junho moções de confiança do Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC) e do Parlamento.

A Assembleia Nacional Popular (ANP), o Parlamento guineense, vai também promover durante a manhã um debate de urgência sobre a situação política no país.

O presidente da ANP, Cipriano Cassamá, disse na quarta-feira perante os deputados que "o Governo está em perigo", depois de ele próprio ter mantido uma reunião com o Presidente da República.

A assembleia aprovou por unanimidade a 25 de junho uma moção de confiança no Governo e Cassamá considerou na terça-feira ser "uma vergonha" a possibilidade de o Presidente demitir o primeiro-ministro.

Uma fonte da presidência guineense admitiu à Lusa a possibilidade de o chefe de Estado ouvir hoje os partidos com representação na Assembleia.

Antes de tomada de qualquer decisão de fundo, o Presidente, à luz da Constituição do país, é obrigado a auscultar as forças vivas, nomeadamente todos os partidos legalmente constituídos, bem como o Conselho de Estado.

O chefe de Estado foi ao Parlamento no início de julho para dirigir um discurso à nação em que desmentiu rumores sobre a possibilidade de demitir o Governo, prometendo apoiá-lo e defender a estabilidade no país - mas ao mesmo tempo deixando no ar a ideia de que prefere ver feita uma remodelação governamental.

Apesar de Domingos Simões Pereira ter declarado abertura ao diálogo e disponibilidade para mudar o elenco governativo, ainda não houve entendimento entre ambos.

Com Lusa

  • A fábrica de caças na base aérea de Monte Real
    3:35
  • Comprar ou arrendar casa?
    8:25
  • Fui contactado por um espectador do “Contas-Poupança” (quartas-feiras, Jornal da Noite, SIC) e leitor do blogue www.contaspoupanca.pt, que foi surpreendido com uma carta do banco a aumentar o spread porque um dos serviços que tinha subscrito tinha sido extinguido. Neste caso específico, a domiciliação de ordenado. Ora, o cliente ficou estupefacto porque não mudou de empresa, não foi despedido nem tinha havido nenhuma alteração no recebimento do ordenado naquela conta.

    Pedro Andersson

  • NotPetya: Lourenço Medeiros explica o novo ciberataque global
    2:44

    Mundo

    A Ucrânia está a ser seriamente afetada por um novo ataque informático. Algumas empresas de grande dimensão estão a ser prejudicadas, agravando a dimensão global do ataque, o qual não parece ser dirigido a ninguém em concreto. Ontem, nas primeiras horas do ataque, não parava de crescer o número de vítimas.

  • Temer acusado de prejudicar Polícia Federal
    2:36
  • Violência volta às favelas do Rio de Janeiro
    3:21

    Mundo

    As favelas do Rio de Janeiro voltaram aos níveis de violência dos anos 90. A cidade de Deus foi uma das favelas pacificadas que voltou a registar tiroteios diariamente, os moradores falam de situações de trauma e do medo das crianças.

  • Trump interrompe telefonema para elogiar jornalista

    Mundo

    A jornalista irlandesa Caitriona Perry viu-se esta terça-feira envolvida num momento que a própria classificou de "bizarro": um encontro inesperado com Donald Trump, que interrompeu um telefonema com o primeiro-ministro irlandês para... a elogiar.

    SIC

  • Caricaturas de Trump invadem capital do Irão

    Mundo

    O Irão está a organizar um concurso internacional de caricaturas do Presidente norte-americano Donald Trump. Pelas ruas de Teerão já vão surgindo algumas imagens alusivas ao festival que vai realizar-se no próximo mês de julho.

  • Companhia aérea obriga deficiente físico a entrar no avião sem ajuda

    Mundo

    Um homem com uma deficiência física que o obriga a andar numa cadeira de rodas foi obrigado a subir sozinho as escadas de um avião da companhia aérea Vanilla Air. Hideto Kijima deparou-se com a situação quando estava a embarcar da ilha de Amami para Osaka, no Japão, com vários amigos que foram proibidos de o ajudar.

  • De onde vem o dinheiro de Isabel II?

    Mundo

    A rainha Isabel II vai ser aumentada - pelo exercício das suas funções -, em 2018, para 82,2 milhões de libras (93,5 milhões de euros). Este valor é pago pelo Estado britânico. Contudo, esta não é a única fonte de rendimento da rainha de Inglaterra. Isabel II também recebe pelas terras, casas e empresas que tem espalhadas pelo Reino Unido.

  • Cão corre os EUA a entregar águas aos árbitros em jogos de basebol
    0:20