sicnot

Perfil

Mundo

Egito inaugura hoje extensão do canal do Suez

O Presidente do Egito, Abdel Fattah al-Sissi, inaugura hoje a segunda rota do canal do Suez, numa cerimónia que conta com a presença de chefes de Estado estrangeiros, entre os quais o Presidente de França, François Hollande.

1875 - O Reino Unido adquire o controlo do Canal do Suez, através da compra de 176.602 ações ao Egito.

1875 - O Reino Unido adquire o controlo do Canal do Suez, através da compra de 176.602 ações ao Egito.

AP

Portugal está representado pelo secretário de Estado dos Negócios Estrangeiros e da Cooperação, Luís Campos Ferreira.

As autoridades egípcias esperam que a obra seja um sinal ao mundo de que apesar da agitação dos últimos anos, o país está a planear o futuro.

"O Egito está a seguir em frente", disse à agência Lusa o embaixador do Egito em Lisboa, Ali Elashiry, salientando que a expansão do canal trará consigo, pelo menos em planos, a construção de vários centros logísticos e de transportes e a criação de "um milhão de empregos".

O diplomata indicou que o projeto, "em estudo há várias décadas", prevê ainda a construção de "um aeroporto, quatro portos e um centro logístico" no qual quer a China quer a Rússia já demonstraram interesse.

Num país que ainda é agitado regularmente por ataques de militantes que visam autoridades policiais, de segurança e judiciais, além de tensões religiosas, a obra do canal do Suez é motivo de orgulho para os egípcios, afirmou.

No que toca às relações comerciais com Portugal, o diplomata afirma esperar que a expansão do canal as possa diversificar e até tornar mais baratas as importações portuguesas, apontando que as trocas comerciais entre Portugal e o Egito atingem os 166 milhões de euros anuais.

O inédito modelo de financiamento da obra, através da emissão de certificados de investimento destinados apenas a cidadãos egípcios a viverem no território, permitiu arrecadar 7,8 mil milhões de euros.

A expansão do canal, a primeira em 145 anos de existência, consiste numa nova via paralela com 37 quilómetros, e no alargamento e aprofundamento da via original, que mede 72 quilómetros, numa extensão de 35 quilómetros.

A previsão é que possa aumentar de 49 para 97 o número de navios a passar diariamente pelo canal e que o tempo de navegação seja reduzido de cerca de 20 para 11 horas.

A expansão do canal, a primeira em 145 anos de existência, consiste numa nova via paralela com 37 quilómetros, e no alargamento e aprofundamento da via original, que mede 72 quilómetros, numa extensão de 35 quilómetros.

A previsão é que possa aumentar de 49 para 97 o número de navios a passar diariamente pelo canal e que o tempo de navegação seja reduzido de cerca de 20 para 11 horas.

O inédito modelo de financiamento da obra, através da emissão de certificados de investimento destinados apenas a cidadãos egípcios a viverem no território, permitiu arrecadar 7,8 mil milhões de euros.

Lusa

  • Porque erram os árbitros?
    2:03

    Desporto

    Num momento em que a polémica em redor da arbitragem está acesa e que nem o videoárbitro parece ter contribuído para a pacificar o futebol, em Leiria juntaram-se treinadores e homens do apito para se entender porque erram os árbitros.

  • "Não andámos a tomar calmantes, nem a dar abracinhos"
    0:52

    Desporto

    Rui Vitória recusa atirar a toalha ao chão. O treinador do Benfica acredita que ainda muito pode acontecer e revela a motivação da equipa depois da derrota com o FC Porto na Luz, que levou à perda da liderança a quatro jornadas do fim.

  • "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos"

    Mundo

    "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos", esta foi apenas uma das declarações de Karl Lagerfeld sobre as denúncias de abuso sexual, que estão a marcar o mundo do cinema, da música e da moda. Numa entrevista, o diretor criativo da Chanel e da Fendi declarou mesmo que estava farto do #MeToo, o movimento usado para denunciar estes casos de abusos por todo o mundo.

    SIC

  • Viagem de balão para ver as cerejeiras em flor
    14:27
  • Niassa foi o 4.º lince-ibérico libertado a ser atropelado em Portugal
    1:33

    País

    Uma fêmea de lince-ibérico foi encontrada morta com sinais de atropelamento na A22, próximo de Olhão. A fêmea, criada em cativeiro, tinha sido libertada no Vale do Guadiana em fevereiro de 2017. É o quarto lince-ibérico, que tinha sido libertado na natureza, que morre atropelado em Portugal.

  • "Há uma aceitação do lince no território"
    3:33

    País

    Apesar de já se terem registado em Portugal quatro atropelamentos de linces libertados na natureza, em entrevista à SIC, Pedro Rocha, do Departamento do Alentejo do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), disse que o programa de reintrodução "tem corrido bastante bem", não só devido às condições do habitat e disponibilidade de alimento, mas também porque "há uma aceitação do lince no território". Desde 2015, foram libertados no Vale do Guadiana 33 linces e 16 já nasceram em estado selvagem.

  • EUA acusam Síria de tentar apagar provas de alegado ataque químico em Douma
    1:28
  • Já pode escolher uma morte amiga do ambiente

    Mundo

    Preocupa-se com o ambiente? Recicla? Prefere andar a pé ou partilhar transportes? Então saiba que a partir de agora a morte também pode ser amiga do ambiente. Desde caixões degradáveis de vime a cremação líquida, já é possível diminuir o impacto ambiental da morte.

    SIC

  • O "anjo" que quer ensinar raparigas a programar
    2:59