sicnot

Perfil

Mundo

Grupo Estado Islâmico reivindica atentado contra mesquita saudita frequentada por polícias

O grupo extremista Estado Islâmico reivindicou hoje o atentado suicida que fez 15 mortos numa mesquita frequentada por agentes das forças especiais da Arábia Saudita em Abha.

Um comunicado do movimento extremista refere que o atentado foi cometido por um atacante suicida, identificado como Abu Sinan al-Najdi, que detonou um cinto de explosivos.

O atacante, que conseguiu infiltrar-se no local, "matou e feriu dezenas" de pessoas, referiu o grupo extremista, que ameaça realizar outros ataques nos próximos dias contra "os tiranos da península arábica".

Segundo o Ministério do Interior saudita, 15 pessoas -- 12 polícias e três funcionários -- morreram no atentado, que ocorreu durante a oração do meio-dia na mesquita do quartel-general das forças especiais em Abha, capital da província de Assir, próxima da fronteira com o Iémen.

Três outros atentados suicidas perpetrados em julho e em maio na Arábia Saudita também foram reivindicados pelo EI, grupo radical sunita que está presente em vários países árabes, nomeadamente na Síria e no Iraque, onde controla vastas áreas de território.

Lusa

  • Atacantes usaram "tática defendida pelos extremistas do Daesh"
    1:43

    Ataque em Barcelona

    O ex-presidente do Observatório de Segurança, Criminalidade Organizada e Terrorismo esteve em direto, para a SIC Notícias, onde falou sobre o ataque desta quinta-feira nas Ramblas, em Barcelona. José Manuel Anes falou na tática defendida na revista dos extremistas do Daesh e que foi usada neste ataque: a utilização de viaturas "de preferência as mais pesadas para matar o maior número de pessoas".