sicnot

Perfil

Mundo

Mais de 240 mil mortos em quatro anos de guerra na Síria

A guerra na Síria matou, em quatro anos, mais de 240 mil pessoas, incluindo perto de 12 mil crianças, revela um novo balanço do Observatório Sírio dos Direitos Humanos, com sede em Londres, no Reino Unido.

Trata-se de uma revisão em alta, de mais de dez mil mortos, em cerca de dois meses, de acordo com a organização, que dispõe de uma vasta rede de fontes na Síria e contabiliza o número de mortes desde o início da guerra.

O diretor do Observatório, Rami Abdel Rahmane, precisou, citado pela agência noticiosa francesa AFP, que a revolta contra o regime do Presidente Bashar al-Assad, que começou em março de 2011, fez 240.381 mortos.

Entre os civis, as baixas ascendem a 71.781, incluindo 11.964 crianças.

Pouco mais de um terço das mortes, 88.616, verificou-se nas forças do regime - soldados, milicianos das Forças de Defesa Nacional, membros do Hezbollah xiita libanês e milicianos xiitas de outros países.

O balanço enumera 42.384 mortos entre os combatentes de nacionalidade síria - rebeldes, desertores, 'jihadistas' e curdos.

Dos 'jihadistas' provenientes do estrangeiro que se juntaram na Síria ao conflito, 34.375 morreram.

O Observatório Sírio dos Direitos Humanos reporta ainda 3.225 mortos cuja identidade é desconhecida, e crê que o balanço real ultrapasse os mais de 240 mil contabilizados.

A contagem não inclui os mais de 30 mil desparecidos, incluindo fiéis ao regime, rebeldes e mais de quatro mil pessoas raptadas pelo autoproclamado Estado Islâmico, uma organização extremista.

Também não engloba as centenas de curdos e não-curdos estrangeiros que lutam contra o Estado Islâmico ao lado das unidades de proteção do povo curdo.

O conflito na Síria começou pela repressão de manifestações antigovernamentais pacíficas, que degeneraram em revolta armada e, depois, numa guerra civil.

Os combates envolvem forças leais ao regime de Bashar al-Assad, rebeldes, curdos e 'jihadistas', num território com mais de metade da população deslocada ou refugiada.

Lusa

  • Porto Editora acusada de discriminação
    2:55
  • "Burlão do amor" acusado de tirar 450 mil euros a amante
    2:21

    País

    Um homem com cerca de 50 anos é acusado de tirar 450 mil euros a uma mulher com quem começou por ter uma relação profissional. Ele pedia, ela emprestava. Anos depois, ela ficou insolvente, com dívidas à banca de 214 mil euros e sem emprego. O homem é arguido, nega a relação amorosa entre ambos, mas admite ter recebido dinheiro dela. Garante, no entanto, que tenciona pagar o que deve.