sicnot

Perfil

Mundo

Mais de 240 mil mortos em quatro anos de guerra na Síria

A guerra na Síria matou, em quatro anos, mais de 240 mil pessoas, incluindo perto de 12 mil crianças, revela um novo balanço do Observatório Sírio dos Direitos Humanos, com sede em Londres, no Reino Unido.

Trata-se de uma revisão em alta, de mais de dez mil mortos, em cerca de dois meses, de acordo com a organização, que dispõe de uma vasta rede de fontes na Síria e contabiliza o número de mortes desde o início da guerra.

O diretor do Observatório, Rami Abdel Rahmane, precisou, citado pela agência noticiosa francesa AFP, que a revolta contra o regime do Presidente Bashar al-Assad, que começou em março de 2011, fez 240.381 mortos.

Entre os civis, as baixas ascendem a 71.781, incluindo 11.964 crianças.

Pouco mais de um terço das mortes, 88.616, verificou-se nas forças do regime - soldados, milicianos das Forças de Defesa Nacional, membros do Hezbollah xiita libanês e milicianos xiitas de outros países.

O balanço enumera 42.384 mortos entre os combatentes de nacionalidade síria - rebeldes, desertores, 'jihadistas' e curdos.

Dos 'jihadistas' provenientes do estrangeiro que se juntaram na Síria ao conflito, 34.375 morreram.

O Observatório Sírio dos Direitos Humanos reporta ainda 3.225 mortos cuja identidade é desconhecida, e crê que o balanço real ultrapasse os mais de 240 mil contabilizados.

A contagem não inclui os mais de 30 mil desparecidos, incluindo fiéis ao regime, rebeldes e mais de quatro mil pessoas raptadas pelo autoproclamado Estado Islâmico, uma organização extremista.

Também não engloba as centenas de curdos e não-curdos estrangeiros que lutam contra o Estado Islâmico ao lado das unidades de proteção do povo curdo.

O conflito na Síria começou pela repressão de manifestações antigovernamentais pacíficas, que degeneraram em revolta armada e, depois, numa guerra civil.

Os combates envolvem forças leais ao regime de Bashar al-Assad, rebeldes, curdos e 'jihadistas', num território com mais de metade da população deslocada ou refugiada.

Lusa

  • "Cada drama, cada problema, cada testemunho, impressiona muito"
    1:55
  • Clínica veterinária em Tondela recebeu dezenas de animais feridos nos fogos
    2:57
  • Temperaturas sobem até ao final do mês
    1:09

    País

    O tempo não dá tréguas e, até ao final do mês, as temperaturas vão atingir valores acima do normal para esta época do ano. As temperaturas máximas vão subir entre os 25 e os 32 graus. O risco de incêndio aumenta a partir desta segunda-feira em todo o país e os meios aéreos, viaturas, operacionais e equipas de patrulha vão ser reforçados.

  • Parlamento catalão vai responder à ativação do artigo 155
    1:54
  • A história por detrás da fotografia que correu (e impressionou) o Mundo

    Mundo

    Depois dos incêndios da semana passada na Galiza, começou a circular na internet e nas redes sociais a imagem de uma cadela que alegadamente levava a sua cria carbonizada na boca. Contudo, a cadela é na verdade macho e chama-se Jacki. Esta é a história do cão que passou os dias após os fogos a recolher animais mortos para os enterrar num campo perto de uma igreja, em Coruxo, Vigo.

    SIC

  • Quando o cão de Macron fez chichi no gabinete do Presidente francês
    0:31
  • 245 saltam de ponte de 30m no Brasil para Recorde do Guiness
    1:56
  • Antigos presidentes dos EUA angariam 26 milhões para vítimas dos furacões
    0:58

    Mundo

    Os cinco antigos presidentes dos Estados Unidos da América ainda vivos juntaram-se para ajudar as vítimas dos furacões. Bill Clinton e Barack Obama lembraram as vítimas dos furacões e elogiaram o espírito solidário dos norte-americanos. Os antigos presidentes norte-americanos lançaram o apelo no início do mês passado e já conseguiram angariar cerca de 26 milhões de euros.