sicnot

Perfil

Mundo

"O pátio das cantigas" entre os 10 filmes portugueses mais vistos da década

A comédia "O pátio das cantigas", de Leonel Vieira, somou na primeira semana de exibição mais de 134.000 espectadores, o que o coloca entre os dez filmes portugueses mais vistos da década.

De acordo com os dados estatísticos semanais do Instituto do Cinema e Audiovisual (ICA), o filme registou 134.955 espectadores e cerca de 693.000 euros de receita bruta de bilheiteira, desde que se estreou, a 30 de julho.

Nessa semana de exibições, só ficou atrás do filme de animação "Mínimos", visto por 217.000 espectadores.

Do total de filmes portugueses estreados em sala desde 2004, "O pátio das cantigas" figura em nono lugar, com menos de metade do líder de audiências, "O crime do padre Amaro", de Carlos Coelho da Silva, que soma cerca de 380.000 espetadores.

"O pátio das cantigas" é a primeira de três homenagens de Leonel Vieira aos clássicos do cinema português e baseia-se no filme realizado em 1942 por Francisco Ribeiro (Ribeirinho), na altura com Vasco Santana e António Silva nos principais papéis.

"Não refilmei o guião, distanciei-me muito, peguei em alguns elementos que mantive, que são para mim uma homenagem ao filme que nos inspira", afirmou o realizador à agência Lusa, antes da estreia.

O novo filme conta com os atores Miguel Guilherme e César Mourão nos papéis antes interpretados por António Silva e Vasco Santana, respetivamente.

"O pátio das cantigas", de 1942, é considerado uma das comédias mais populares do cinema português, feita na chamada "época de ouro", nas décadas de 1930 e 1940, juntando-se a outros filmes como "A Canção de Lisboa" (1933), "O pai tirano" (1941) e "O Costa do Castelo" (1943).

A homenagem referida por Leonel Vieira inclui ainda os novos filmes "O Leão da Estrela", que deverá chegar aos cinemas pelo natal, e "A Canção de Lisboa", com estreia marcada para 2016.

Lusa

  • Paula Brito e Costa continua a trabalhar na Raríssimas

    País

    Depois de ter apresentado a demissão do cargo de presidente da Raríssimas, Paula Brito e Costa mantém-se a exercer funções na associação, apurou a SIC. Identifica-se agora como diretora-geral e já comunicou isso mesmo a alguns funcionários.

  • As IPSS são estruturantes no país. Fazem o que Estado não faz porque não pode, não quer, ou não chega a tudo. Chama-se sociedade civil a funcionar. E o Estado subsidia, ajuda, (com)participa, apoia. Nada contra. A questão é quando as IPSS e outras instituições, fundações, associações, federações e quejandas se tornam verdadeiras "indústrias".

    Pedro Cruz

  • O ano "saboroso" de António Costa
    0:51

    País

    António Costa diz que 2017 foi um ano "saboroso" para Portugal. Num encontro com funcionários portugueses, em Bruxelas, antes do Conselho Europeu desta quinta-feira, o primeiro-ministro realçou o que o país conquistou no último ano, no plano europeu, e que culminou com a eleição de Mário Centeno para a Presidência do Eurogrupo.

  • Lince ibérico esteve à venda no OLX

    País

    Um anúncio de venda de um lince ibérico, por 1.500 euros, foi publicado esta semana no site de classificados OLX, com uma morada de Alcoutim, no Algarve. A autenticidade da publicação não foi confirmada, mas em setembro foi encontrada a coleira de um lince ibérico precisamente em Alcoutim. As autoridades estão a investigar.

    SIC

  • Estabilização dos solos nas áreas ardidas
    1:58

    País

    Está a começar uma intervenção de emergência para estabilizar os solos nas áreas ardidas nos incêndios florestais. O trabalho das equipas que estão no terreno arrancou na zona da Lousã mas vai passar por vários concelhos como Pampilhosa da Serra e Vila Real.