sicnot

Perfil

Mundo

Primeiro 'mapa de formigas' lançado em Hong Kong

O primeiro mapa de formigas do mundo, que mostra a sua distribuição em todo o globo, foi lançado hoje pela Universidade de Hong Kong, numa tentativa de dar mais esclarecimentos sobre os insetos.

© Juan Carlos Ulate / Reuters

O mapa interativo online (antmaps.org), que demorou quatro anos a ficar completo, mostra as localizações geográficas de cerca de 15.000 espécies de formigas, com o estado australiano de Queensland a abrigar o maior número nativo de espécies, mais de 1.400.

"Os insetos são um dos principais grupos em que precisamos de nos focar quando falamos de biodiversidade", afirmou Benoit Guenard, um dos cofundadores do mapa e professor de Ciências Biológicas na HKU.

"As formigas são muito importantes na maioria dos ecossistemas", adiantou, dado que mantêm o ciclo dos nutrientes no solo e ajudam na dispersão de sementes, acrescentando que "são um dos grupos de insetos melhor estudados".

'Antmaps' ('Mapa de Formigas), é um projeto conjunto da HKU e do Instituto de Ciências e Tecnologia de Okinawa e diferencia as formigas que são nativas de uma região e as espécies que foram importadas.

Guenard explicou que o mapa irá fornecer um importante registo da vida dos insetos no mundo e irá ajudar na investigação e conservação da vida animal.

"O trabalho no mapa continua com novas espécies de formigas a serem descobertas frequentemente", afirmou.

Benoit Guenard lidera o estudo de formigas na HKU e afirmou que a sua equipa acredita ter descoberto 12 novas espécies na cidade, durante o ano passado.

"Estamos a descobrir e descrever nova vida quase todas as semanas e é isso que acho absolutamente surpreendente no trabalho que fazemos", explicou.

Num estudo recente feito pelo Instituto Weizmann da Ciência, em Israel, publicado em julho, descobriu-se que as formigas possuem uma habilidade surpreendente de misturar o músculo coletivo com a iniciativa individual para fazer o trabalho pesado.

Lusa

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.