sicnot

Perfil

Mundo

Construtora portuguesa acusada de negligência em acidente fatal em Maputo

A comissão de inquérito à morte de cinco trabalhadores na sequência da queda de andaimes numa obra da construtora portuguesa Britalar em Maputo, em julho, acusou de negligência as empresas envolvidas na empreitada.

Segundo os resultados do inquérito, além da construtora portuguesa, também atuaram com negligência as empresas Cope, sub-empreiteiro, e JAT Constrói, proprietário. (Arquivo)

Segundo os resultados do inquérito, além da construtora portuguesa, também atuaram com negligência as empresas Cope, sub-empreiteiro, e JAT Constrói, proprietário. (Arquivo)

© SIPHIWE SIBEKO1 / Reuters

Em conferência de imprensa realizada na quinta-feira em Maputo, o porta-voz da comissão de inquérito, Feliciano Dias, disse ainda que o alvará da Britalar já estava caducado quando aconteceu o acidente, que também feriu cinco trabalhadores.

Segundo os resultados do inquérito, além da construtora portuguesa, também atuaram com negligência as empresas Cope, sub-empreiteiro, e JAT Constrói, proprietário.

"A fiscalização chamou a atenção da Britalar para questões de segurança por três ocasiões, através de cartas, mas nunca houve cumprimento", disse Dias, que participou no inquérito em representação da Ordem dos Engenheiros de Moçambique.

A obra, prosseguiu Feliciano Dias, desrespeitou as recomendações do fabricante dos andaimes, não tinha o projeto de estabilidade e os equipamentos de proteção individual e colectiva eram utilizados de forma deficiente.

Durante a conferência de imprensa, foram mostradas fotografias dos trabalhadores da obra a laborar manualmente e sem cinto de segurança nem uniforme.

Feliciano Dias citou o decreto sobre a segurança na construção civil em Moçambique, que refere que "a construção, desmontagem ou modificação de andaimes serão efetuadas por operários especialmente habilitados, sob a direção de um técnico responsável legalmente idóneo".

O acidente foi mais um revés nas atividades da Britalar em Moçambique, uma vez que a empresa está a ser investigada pela Procuradoria-Geral da República de Moçambique por alegado incumprimento na obra de reconstrução de um troço da Avenida Julius Nyerere, em Maputo.

Lusa

  • Como não perder Barack e Michelle Obama nas redes sociais

    Mundo

    Sair da Casa Branca implica mais que reunir objetos físicos: é preciso guardar também os tweets, os posts e todo o conteúdo digital produzido nos últimos oito anos pelo Presidente dos EUA e pela primeira-dama. A equipa de Barack Obama já preparou tudo para que nada se perca do seu legado digital.

  • Portugueses querem contratar Obama

    Mundo

    Contratar Barack Obama. Pode parecer uma tarefa impossível, mas para a startup portuguesa Swonkie a única resposta a este desafio é "Yes We Can", mote da campanha presidencial de Obama de há nove anos.

  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.