sicnot

Perfil

Mundo

ONU considera situação na Guiné-Bissau "bastante inquietante"

A situação na Guiné-Bissau é "bastante inquietante", disse hoje o representante das Nações Unidas no país, Miguel Trovoada, face à iminência de o Presidente da República destituir o Governo.

SCHALK VAN ZUYDAM

"Há da minha parte sempre um sentimento de que, no último momento, ainda poderá ser encontrada uma via para ultrapassar a situação que, neste momento, é bastante inquietante", referiu.

Trovoada falava à saída de um encontro da comunidade internacional com o Presidente da Republica, José Mário Vaz, e em que, apesar dos apelos ao diálogo, este deixou pouca margem de manobra.

"Saio muito apreensivo. Não se pode prever o que poderá acontecer nos próximos tempos", acrescentou.

O representante da ONU referiu que a situação "pode pôr em causa a contribuição maciça que estava prevista para a Guiné-Bissau" por parte da comunidade internacional - que em março anunciou intenções de investimento da ordem de mil milhões de euros.

"Mas também reconhecemos que as autoridades deste país são autoridades legítimas, eleitas. Elas é que detêm a legitimidade para resolver os problemas do país", concluiu.

Apesar dos apoios generalizados ao Governo liderado por Domingo Simões Pereira, dentro e fora do país, o Presidente tem alegado a necessidade de o derrubar por ter dificuldades de relacionamento com o primeiro-ministro, por estar afastado da gestão de fundos e ter dúvidas em relação a alguns governantes e políticas, segundo referiram à Lusa diplomatas e representantes das diferentes forças que Vaz tem auscultado.

Numa declaração ao país, na quinta-feira, o primeiro-ministro transmitiu a ideia de que fez tudo o que era possível para se aproximar das pretensões do chefe de Estado, mas concluiu que Vaz tem "uma intenção deliberada de provocar uma crise para justificar a decisão de destituição do Governo".

Para esta tarde está agendada uma reunião do Conselho de Estado da Guiné-Bissau em que o assunto estará em discussão.

Lusa

  • Novo Banco vai reestruturar dívida de Luís Filipe Vieira
    1:22

    Desporto

    O Novo Banco vai reestruturar parte da dívida da empresa de Luís Filipe Vieira, que ronda os 400 milhões de euros. Parte dos ativos da empresa foram transferidos para um fundo para serem rentabilizados no prazo de cinco anos. Esse fundo está a ser gerido pelo vice-presidente do Benfica.

  • Dono de fábrica que ardeu na Anadia diz que produção não vai ser afetada
    2:04
  • Saco azul do BES pagou a 106 pessoas e 96 avenças ocultas
    2:21

    Economia

    Pelo menos 106 pessoas receberam dinheiro da Espírito Santo Enterprises, a companhia offshore criada nas Ilhas Virgens Britânicas e que terá funcionado como um gigantesco saco azul do Grupo Espírito Santo. O jornal Expresso revelou os primeiros vinte nomes da lista, entre os quais estão Zeinal Bava, antigo CEO da PT, e Manuel Pinho, ex-ministro da economia do Governo de José Sócrates.

  • Tragédia em Vila Nova da Rainha aconteceu há uma semana
    7:18
  • Doze meses de polémicas, ameaças e promessas
    3:52