sicnot

Perfil

Mundo

Manifestações em Nova Iorque um ano após a morte de Michael Brown

Várias manifestações assinalaram este domingo, em Nova Iorque, um ano da morte do jovem afro-americano Michael Brown, alvejado por um agente policial em 2014 em Ferguson.

"Fim ao terror racista" e "Polícias assassinos na prisão" foram algumas das frases escritas em cartazes exibidos nas manifestações.

"Fim ao terror racista" e "Polícias assassinos na prisão" foram algumas das frases escritas em cartazes exibidos nas manifestações.

© Rick Wilking / Reuters

"Fim ao terror racista" e "Polícias assassinos na prisão" foram algumas das frases escritas em cartazes exibidos hoje nas manifestações.

Há um ano, a morte de Michael Brown nos arredores da cidade de Ferguson, no estado de Missouri, centro-oeste dos Estados Unidos, desencadeou uma onda de protestos por causa da violência policial contra afro-americanos e fez reviver o debate sobre as questões raciais na sociedade norte-americana.

Em março deste ano, o Departamento de Justiça dos Estados Unidos revelou que não iria processar o polícia que matou o adolescente negro, justificando que o agente em causa, Darren Wilson, não agiu com intenção criminosa.

Lusa

  • Bataglia deixou passar 12 milhões pela sua conta a pedido de Salgado
    2:05

    Operação Marquês

    O presidente da Escom e arguido na Operação Marquês Helder Bataglia terá admitido que Ricardo Salgado utilizou uma conta bancária do empresário, na Suíça, para passar 12 milhões de euros a Carlos Santos Silva, amigo de José Sócrates. O amigo de Sócrates e Bataglia terão combinado várias formas de não levantar suspeitas. A notícia é avançada pelo jornal Expresso na edição deste sábado.

  • Cágado tratado com implante impresso em 3D
    2:26
  • Patrões não aceitam alterações ao acordo de concertação social
    2:25

    Economia

    As confederações patronais foram esta sexta-feira ao Palácio de Belém dizer ao Presidente da República que não aceitam que o Parlamento faça alterações ao acordo de concertação social. Os patrões dizem ainda ter esperança que o Parlamento não chumbe o decreto-lei que reduz a TSU das empresas com salários mínimos.