sicnot

Perfil

Mundo

Manifestações em Nova Iorque um ano após a morte de Michael Brown

Várias manifestações assinalaram este domingo, em Nova Iorque, um ano da morte do jovem afro-americano Michael Brown, alvejado por um agente policial em 2014 em Ferguson.

"Fim ao terror racista" e "Polícias assassinos na prisão" foram algumas das frases escritas em cartazes exibidos nas manifestações.

"Fim ao terror racista" e "Polícias assassinos na prisão" foram algumas das frases escritas em cartazes exibidos nas manifestações.

© Rick Wilking / Reuters

"Fim ao terror racista" e "Polícias assassinos na prisão" foram algumas das frases escritas em cartazes exibidos hoje nas manifestações.

Há um ano, a morte de Michael Brown nos arredores da cidade de Ferguson, no estado de Missouri, centro-oeste dos Estados Unidos, desencadeou uma onda de protestos por causa da violência policial contra afro-americanos e fez reviver o debate sobre as questões raciais na sociedade norte-americana.

Em março deste ano, o Departamento de Justiça dos Estados Unidos revelou que não iria processar o polícia que matou o adolescente negro, justificando que o agente em causa, Darren Wilson, não agiu com intenção criminosa.

Lusa

  • Confirmados dois novos casos de legionella

    Legionella

    Dois novos casos de legionella foram esta quarta-feira confirmados. A informação foi avançada em comunicado pela Direção-Geral da Saúde. Tratam-se de duas pessoas com mais de 80 anos, internadas no Hospital São Francisco Xavier e no Egas Moniz, ambas em situação clínica estável.

  • Quem é o novo Presidente do Zimbabué?
    2:15

    Mundo

    Emmerson Mnangagwa é o sucessor de Robert Mugabe que regressou esta quarta-feira da África do Sul, onde estava refugiado. No primeiro discurso, o Presidente do Zimbabué falou de uma nova democracia no país. Mnangagwa, conhecido como crocodilo, é suspeito de atrocidades na guerra civil pós-independência. 

  • Diminuem as hipóteses de salvar os tripulantes a bordo do submarino argentino
    3:09

    Mundo

    As hipóteses de salvar os tripulantes a bordo do submarino argentino, desaparecido há 8 dias, começaram a diminuir, uma vez que o chamado "tempo de segurança" já foi ultrapassado. A Marinha portuguesa está a acompanhar o caso do submarino que está desaparecido há oito dias. As hipóteses de salvar os tripulantes vão diminuindo.

  • Comprar um carro em segunda mão sem ser enganado 
    8:44
  • O que aprendemos com secas anteriores?
    32:50