sicnot

Perfil

Mundo

Calor faz 21 mortos no Egito

Vinte e uma pessoas morreram e outras 66 foram hospitalizadas devido a exaustão pelo calor em resultado das elevadas temperaturas e humidade que têm sido registadas no Egito, anunciou o ministério da Saúde daquele país.

© Reuters Photographer / Reuter

As vítimas, que faleceram todas no domingo, sucumbiram às altas temperaturas, que chegaram a atingir 47 graus Celsius, e se tornaram ainda menos suportáveis devido aos elevados níveis de humidade.

Quinze pessoas morreram no Cairo, quatro na província de Qalibyia, na região do Delta do Nilo e outras duas na província de Qena, no Alto Egito, acrescentou o ministério num comunicado.

As vítimas, entre as quais sete mulheres, tinham todas mais de 60 anos.

Outras 66 pessoas deram entrada no hospital com sintomas de exaustão pelo calor que origina um estado de desidratação devido à perda excessiva de líquidos através do suor, encontrando-se ainda 37 em estado de observação.

"Houve uma subida grande das temperaturas comparativamente aos anos anteriores. Mas o maior problema é a humidade, que afeta ainda mais as pessoas", adiantou o porta-voz do ministério Hossam Abdel Ghaffar.

Embora as temperaturas de verão superiores a 30 graus não sejam incomuns no Egito, é raro que os níveis de humidade de mantenham elevados quando o tempo está excessivamente quente.

Lusa

  • Videoamador mostra grupo a atar tocha a um touro
    1:33
  • PJ investiga forma como o FC Porto obteve os e-mails
    1:58

    Desporto

    Enquanto o campeonato português de futebol está de férias do relvado, nos bastidores continua uma guerra aberta por causa dos e-mails. O FC Porto entregou à Polícia Judiciária toda a documentação disponível do chamado caso dos e-mails, que envolve o Benfica num alegado esquema de corrupção. O pedido foi feito pela Unidade Nacional de Combate à Corrupção da PJ. A forma como o FC Porto obteve os e-mails também está a ser investigada pela Polícia Judiciária.

  • Manifestantes bloquearam Caracas

    Mundo

    Milhares de pessoas bloquearam esta sexta-feira as ruas de Caracas e de outras cidades, em protesto contra a repressão e o assassinato de manifestantes pelas forças de segurança.