sicnot

Perfil

Mundo

Coreia do Sul acusa Norte por mina terrestre e ameaça com "mão pesada"

A Coreia do Sul acusou hoje a Coreia do Norte pela instalação de uma mina terreste que feriu dois soldados numa missão de patrulha na semana passada, e ameaçou fazer "pagar um preço elevado" a Pyongyang pela alegada agressão.

© POOL New / Reuters

"As nossas forças armadas... vão fazer a Coreia do Norte pagar um preço elevado, proporcional à sua provocação", disseram em comunicado os chefes de Estado Maior da Coreia do Sul.

Dois soldados sul-coreanos ficaram feridos hoje na sequência de uma explosão na Zona Desmilitarizada (DMZ), perto da fronteira com a Coreia do Norte, que terá resultado de um acidente embora se aguarde uma investigação mais exaustiva.

A explosão ocorreu às primeiras horas de terça-feira da semana passada em Yeoncheon, na província de Gyeonggi, no noroeste da Coreia do Sul, disse um porta-voz do Ministério da Defesa à agência Efe.

As autoridades sul-coreanas analisam a possibilidade de um dos dois militares ter pisado uma das minas enterradas na parte sul-coreana da DMZ, considerando praticamente descartada a hipótese de um eventual envolvimento da Coreia do Norte no incidente, de acordo com os 'media'.

Os soldados sofreram ferimentos graves nas pernas, estando a receber tratamento num hospital militar.

Apesar do seu nome, a DMZ é uma das fronteiras mais militarizadas no mundo.

Trata-se de uma faixa de terreno com cerca de quatro quilómetros de largura e 248 quilómetros de extensão, com vedações eletrificadas, campos minados e paredes antitanque.

Lusa

  • Porque é que Melania e Ivanka vestiram preto para conhecer o Papa

    Mundo

    Melania e Ivanka chegaram ao Vaticano de preto, uma escolha muito questionada. De vestidos longos e véus, as mulheres Trump seguiram assim o dress code aconselhado nas audiências com o Papa. Também Michelle Obama usou uma vestimenta do género, em 2009, quando visitou Bento XVI.

  • Escola de Vagos castiga alunos por protesto contra a homofobia e preconceito

    País

    Os alunos da Escola Secundária de Vagos, no distrito de Aveiro, organizaram um protesto contra o que consideram homofobia e preconceito. Segunda-feira, depois de duas alunas se terem beijado foram chamadas à direção da escola, que as terá informado que não podiam beijar-se em público. O protesto foi gravado e partilhado nas redes sociais. Em declarações à SIC Notícias, um dos alunos disse que todos os envolvidos no protesto vão ser alvos de um processo disciplinar. O Bloco de Esquerda já pediu esclarecimentos ao Ministério da Educação.

    EXCLUSIVO

    Rita Pedras