sicnot

Perfil

Mundo

Dois homens condenados por terem saltado de paraquedas do World Trade Center

Dois homens que saltaram de paraquedas da nova torre do World Trade Center em Nova Iorque foram condenados hoje a uma pesada pena de trabalho comunitário, acusados de "mancharem a memória" das vítimas do 11 de setembro.

© Brendan McDermid / Reuters

James Brady, de 33 anos, metalúrgico, e Andrew Rossig, de 34, carpinteiro, terão de realizar 200 e 250 horas de trabalho comunitário, respetivamente, e pagar uma multa de 2.000 dólares (1.815 euros) cada um, determinou o tribunal de Manhattan.

Detidos em março de 2014, arriscavam até dois anos de prisão pelo seu salto, em setembro de 2013.

A sua ação não foi heroica, mas "egoísta e imprudente e tiveram sorte da sua iniciativa não resultar numa tragédia", declarou o juiz Juan Merchan, considerando que os dois homens "tomaram uma má decisão".

Ao saltarem do edifício One World Trade Center, também conhecido como Torre da Liberdade, "construído em solo sagrado", os acusados "mancharam a memória dos que saltaram a 11 de setembro, não por desporto, mas porque a tal foram obrigados", adiantou o juiz.

Com um cúmplice, Marko Markovich, cuja sentença será pronunciada a 17 de agosto, os dois praticantes de "base jumping", modalidade radical que consiste em saltar de paraquedas de uma estrutura fixa, subiram ao edifício em construção a 30 de setembro de 2013 e saltaram cerca das 03:00.

O salto foi filmado com uma minicâmara fixada no seu capacete e divulgado no 'site' de partilha de vídeos YouTube. Foi visto mais de 3,5 milhões de vezes.

Lusa

  • Caravana com cinzas de Fidel chega este sábado a Santiago de Cuba
    2:01
  • Obama diz que Guterres "tem uma reputação extraordinária"
    1:38

    Mundo

    António Guterres diz que vai trabalhar com Barack Obama e também com Donald Trump, na reforma das Nações Unidas. O futuro secretário-geral da ONU foi recebido por Obama, na Casa Branca, onde recebeu vários elogios do presidente norte-americano.

  • Morreu o palhaço que fazia rir as crianças de Alepo

    Mundo

    Anas al-Basha, mais conhecido como o Palhaço de Alepo, morreu esta terça-feira durante um bombardeamento aéreo na zona dominada pelos rebeldes. O funcionário público mascarava-se de palhaço para ajudar a trazer algum conforto e alegria às crianças sírias, que vivem no meio de uma guerra civil.