sicnot

Perfil

Mundo

Dois homens condenados por terem saltado de paraquedas do World Trade Center

Dois homens que saltaram de paraquedas da nova torre do World Trade Center em Nova Iorque foram condenados hoje a uma pesada pena de trabalho comunitário, acusados de "mancharem a memória" das vítimas do 11 de setembro.

© Brendan McDermid / Reuters

James Brady, de 33 anos, metalúrgico, e Andrew Rossig, de 34, carpinteiro, terão de realizar 200 e 250 horas de trabalho comunitário, respetivamente, e pagar uma multa de 2.000 dólares (1.815 euros) cada um, determinou o tribunal de Manhattan.

Detidos em março de 2014, arriscavam até dois anos de prisão pelo seu salto, em setembro de 2013.

A sua ação não foi heroica, mas "egoísta e imprudente e tiveram sorte da sua iniciativa não resultar numa tragédia", declarou o juiz Juan Merchan, considerando que os dois homens "tomaram uma má decisão".

Ao saltarem do edifício One World Trade Center, também conhecido como Torre da Liberdade, "construído em solo sagrado", os acusados "mancharam a memória dos que saltaram a 11 de setembro, não por desporto, mas porque a tal foram obrigados", adiantou o juiz.

Com um cúmplice, Marko Markovich, cuja sentença será pronunciada a 17 de agosto, os dois praticantes de "base jumping", modalidade radical que consiste em saltar de paraquedas de uma estrutura fixa, subiram ao edifício em construção a 30 de setembro de 2013 e saltaram cerca das 03:00.

O salto foi filmado com uma minicâmara fixada no seu capacete e divulgado no 'site' de partilha de vídeos YouTube. Foi visto mais de 3,5 milhões de vezes.

Lusa

  • Economia portuguesa a crescer
    2:26
  • Os likes dos candidatos às autárquicas no Facebook
    4:00

    Autárquicas 2017

    Se há mais de 5 milhões de portugueses no Facebook, é natural que as autárquicas também passem pela rede social mais usada no país e no mundo. A SIC apresenta-lhe os 10 candidatos cujas páginas têm mais seguidores e, para a comparação ser mais justa, os que têm mais seguidores em Portugal - porque há também quem estranhamente tenha milhares de fãs em países como Egito, Filipinas ou Vietname.

  • Embaixador do Bangladesh pede ajuda aos portugueses no caso dos rohingya

    Mundo

    O embaixador do Bangladesh em Lisboa pediu esta sexta-feira aos portugueses que ajudem a resolver o problema dos rohingya. Desde o final de agosto, mais de 400 mil pessoas desta minoria muçulmana fugiram de Myanmar, a antiga Birmânia. O Bangladesh já tinha acolhido outros 400 mil refugiados e vê-se agora a braços com esta crise migratória. Pede por isso a Portugal que pressione Myanmar para aceitar de volta e em segurança os rohingya.