sicnot

Perfil

Mundo

Jornalistas proibidos de acompanhar tomada de posse de membros do Governo timorense

O gabinete de imprensa da Presidência da República timorense impediu hoje os jornalistas de acompanhar a tomada de posse dos novos membros do executivo timorense, alegando falta de espaço na sala onde decorria a cerimónia.

© Hugo Correia / Reuters

Essa proibição, sem qualquer aviso prévio, impediu os jornalistas de recolher imagens ou som da cerimónia de tomada de posse, com os jornalistas obrigados a ficar no exterior, sem acesso a qualquer vídeo do interior e sem acesso a áudio do discurso do Presidente da República, Taur Matan Ruak.

Questionado pela Lusa, um dos responsáveis do gabinete da Presidência disse que a decisão se devia à "falta de espaço" na sala, argumento pouco válido como era evidente pelas muitas zonas vazias do salão nobre, onde os convidados acompanharam de pé a tomada de posse.

"Depois nós é que distribuímos fotos", disse Paizinho Tilman.

Os jornalistas conseguiram apenas ouvir os hinos e os juramentos dos novos membros do Governo mas não o discurso do chefe de Estado.

Recorde-se que hoje concretizou-se a primeira remodelação no executivo, necessária depois da morte no início do junho de Fernando La Sama de Araújo, ministro de Estado e Coordenador dos Assuntos Sociais e ministro da Educação.

António da Conceição, que era até hoje ministro do Comércio, Indústria e Ambiente, tomará posse como ministro de Estado, Coordenador dos Assuntos Sociais e ministro da Educação.

Constâncio da Conceição Pinto foi promovido de vice-ministro para ministro do Comércio, Indústria e Ambiente, tendo tomado posse como vice-ministro Filipus Nino Pereira.

Lusa

  • Porto Editora acusada de discriminação
    2:55
  • "Burlão do amor" acusado de tirar 450 mil euros a amante
    2:21

    País

    Um homem com cerca de 50 anos é acusado de tirar 450 mil euros a uma mulher com quem começou por ter uma relação profissional. Ele pedia, ela emprestava. Anos depois, ela ficou insolvente, com dívidas à banca de 214 mil euros e sem emprego. O homem é arguido, nega a relação amorosa entre ambos, mas admite ter recebido dinheiro dela. Garante, no entanto, que tenciona pagar o que deve.