sicnot

Perfil

Mundo

Primeiro-ministro japonês pede desculpa por ter gasto 45 milhões com o novo estádio olímpico

O primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, pediu hoje desculpa pela decisão de rever por completo o projeto original do novo estádio olímpico de Tóquio, que já custou ao país 45 milhões de euros.

© Reuters Staff / Reuters

"Sinto muito por se ter gastado uma quantidade tão grande de verbas públicas, que são já irrecuperáveis", afirmou Abe, perante o parlamento nipónico.

A 17 de julho, o governo anunciou uma "revisão completa dos planos" de construção do estádio, que deverá ser palco principal dos Jogos Olímpicos Tóquio2020, projetado pela arquiteta iraquiana Zaha Hadid.

Na base de decisão estiveram os elevados custos da obra, cerca de dois mil milhões de euros, que muitos classificam como faraónica.

O Japão vai abrir um concurso para escolher um novo projeto e os responsáveis acreditam que a construção poderá começar no início do próximo ano.

Devido aos atrasos, o novo estádio nacional do Japão apenas será inaugurado três meses antes do início dos Jogos Olímpicos de Tóquio, em 2020.

Lusa

  • BE diz que é urgente preparar o país para a saída do euro
    1:10

    País

    Catarina Martins diz que é urgente preparar o país para o cenário de saída do euro. No final da reunião da mesa nacional do Bloco de Esquerda, a coordenadora do partido criticou o encontro de líderes europeus em Roma e disse ainda que a Europa da convergência chegou ao fim.

  • "Mais UE não significa mais Europa"
    0:50

    País

    O secretário-geral do PCP insiste nas críticas à União Europeia. Um dia depois da comemoração dos 60 anos do Tratado de Roma, Jerónimo de Sousa defendeu, no Seixal, que o modelo europeu está esgotado e prejudica vários países, incluindo Portugal.

  • Aplicação WhatsApp acusada de permitir conversas secretas entre terroristas
    1:45
  • "Um Lugar ao Sol"
    17:05
    Perdidos e Achados

    Perdidos e Achados

    SÁBADO NO JORNAL DA NOITE

    O Perdidos e Achados foi conhecer como eram as férias de outros tempos. Quando o Estado Novo controlava o lazer dos trabalhadores e criava a ilusão de um país exemplar. Na Costa de Caparica, onde é hoje o complexo do INATEL estava instalada a maior colónia de férias do país, chamava-se "Um Lugar ao Sol".