sicnot

Perfil

Mundo

Zimbabué levanta parcialmente restrições à caça de leões, leopardos e elefantes

O Zimbabué levantou parcialmente restrições à caça de leões, leopardos e elefantes, uma semana depois de a medida entrar em vigor pela morte polémica do leão Cecil por um caçador norte-americano.

© Philimon Bulawayo / Reuters

Num comunicado recebido pela imprensa, a principal associação de guias e caçadores profissionais do Zimbabué (ZPHGA, sigla em inglês) afirmou que a proibição da caça de grande porte irá manter-se em alguns locais, como o parque onde morreu o icónico leão Cecil, e também nas zonas de caça ao sul do Parque Nacional de Hwange.

Caçadores locais e seus clientes estrangeiros terão de ir acompanhados, a partir de agora, de guardas dos parques nacionais para poder caçar leões, leopardos e elefantes, segundo a ZPHGA.

O Zimbabué impôs limites de caça de grande porte a 02 de agosto nas áreas que rodeavam os parques naturais após vir a público que o leão Cecil, o mais famoso do Zimbabué, tinha sido abatido em julho por um caçador norte-americano.

A proibição de caça de grande porte pelo Zimbabué vai manter-se em lugares como Antoinette Farm e Railway Farm 31, dois parques naturais de propriedade privada situados na fronteira do Parque Nacional de Hwange, onde Cecil e outro leão foram caçados em julho.

"Não será permitida a caça de mais animais emblemáticos", sublinhou a associação.

Um conservacionista declarou à agência EFE que a nova regulamentação também revogou a autorização que tinham os guardas para caçar animais com fins de alimentação dentro dos parques, porque estavam a abusar desta prática, ainda que a medida deva ser retificada pela autoridade dos parques e vida selvagem do Zimbabué (ZPWMA).

A mesma fonte, que pediu anonimato, assegurou que apesar do levantamento de parte dos limites da caça, a nova regulamentação restringirá as práticas "de toda a indústria de caça".

A morte do leão Cecil reabriu o debate sobre a caça legal em países como o Zimbabué.

O leão, de 13 anos, foi atraído para fora do parque (lugar protegido e onde a caça é proibida), onde poderia ser morto legalmente.

Lusa

  • Passos Coelho pede desculpa aos portugueses
    3:35
  • População afetada pelo fogo tenta repor o que as chamas destruíram
    1:54
  • "Juntos por Todos" hoje no palco em Lisboa
  • Glifosato na lista de produtos cancerígenos na Califórnia

    Mundo

    O estado norte-americano da Califórnia, nos Estados unidos, pode vir a obrigar o fabricante do popular herbicida Roundup a comercializar o produto com um rótulo que informe os consumidores de que o produto é cancerígeno. O glifosato, princípio ativo do herbicida Roundup fabricado pela Monsanto, consta de uma lista que vai ser divulgada na Califórnia, a 7 de julho, de produtos químicos potencialmente cancerígenos.

  • Pyongyang compara Trump a Hitler

    Mundo

    A Coreia do Norte compara o Presidente norte-americano Donald Trump a Adolf Hitler. Pyongyang já acostumou o mundo à sua linguagem "colorida" quando critica os seus inimigos. Mas comparações com o responsável por mais de 60 milhões de mortes são muito raras.

  • Autarca garante que não houve "touros de fogo"

    País

    O presidente da Câmara de Benavente disse esta segunda-feira à Lusa que a atividade "touros de fogo" foi retirada do programa da Festa da Amizade depois de recebido um parecer desfavorável da Direção-Geral de Veterinária.