sicnot

Perfil

Mundo

Zimbabué levanta parcialmente restrições à caça de leões, leopardos e elefantes

O Zimbabué levantou parcialmente restrições à caça de leões, leopardos e elefantes, uma semana depois de a medida entrar em vigor pela morte polémica do leão Cecil por um caçador norte-americano.

© Philimon Bulawayo / Reuters

Num comunicado recebido pela imprensa, a principal associação de guias e caçadores profissionais do Zimbabué (ZPHGA, sigla em inglês) afirmou que a proibição da caça de grande porte irá manter-se em alguns locais, como o parque onde morreu o icónico leão Cecil, e também nas zonas de caça ao sul do Parque Nacional de Hwange.

Caçadores locais e seus clientes estrangeiros terão de ir acompanhados, a partir de agora, de guardas dos parques nacionais para poder caçar leões, leopardos e elefantes, segundo a ZPHGA.

O Zimbabué impôs limites de caça de grande porte a 02 de agosto nas áreas que rodeavam os parques naturais após vir a público que o leão Cecil, o mais famoso do Zimbabué, tinha sido abatido em julho por um caçador norte-americano.

A proibição de caça de grande porte pelo Zimbabué vai manter-se em lugares como Antoinette Farm e Railway Farm 31, dois parques naturais de propriedade privada situados na fronteira do Parque Nacional de Hwange, onde Cecil e outro leão foram caçados em julho.

"Não será permitida a caça de mais animais emblemáticos", sublinhou a associação.

Um conservacionista declarou à agência EFE que a nova regulamentação também revogou a autorização que tinham os guardas para caçar animais com fins de alimentação dentro dos parques, porque estavam a abusar desta prática, ainda que a medida deva ser retificada pela autoridade dos parques e vida selvagem do Zimbabué (ZPWMA).

A mesma fonte, que pediu anonimato, assegurou que apesar do levantamento de parte dos limites da caça, a nova regulamentação restringirá as práticas "de toda a indústria de caça".

A morte do leão Cecil reabriu o debate sobre a caça legal em países como o Zimbabué.

O leão, de 13 anos, foi atraído para fora do parque (lugar protegido e onde a caça é proibida), onde poderia ser morto legalmente.

Lusa

  • Negócios do Fogo
    22:00
  • Direção da Raríssimas na Madeira demitiu-se em setembro
    1:58

    País

    Três representantes da Raríssimas na ilha da Madeira demitiram-se, em setembro, de costas voltas para a direção. A delegação da instituição na ilha começou em 2015 e fechou com as três demissões. Em entrevista à SIC, uma das antigas delegadas afirmou que todos os fundos angariados foram para a sede, em Lisboa, ficando depois sem dinheiro para pagas as despesas.

  • Deputado do PSD recusa vice-presidência da Raríssimas
    1:58

    País

    Nas reações políticas ao caso da Raríssimas, o PSD e CDS dizem que é preciso acionar todos os mecanismos legais apropriados para averiguar a situação. O deputado social-democrata, Ricardo Baptista Leite, que tinha sido convidado recentemente para vice-presidente da instituição, diz que já não há condições para tomar posse.

  • Presidente da Câmara de Nova Iorque confirma "atentado terrorista falhado"
    0:29
  • Israel volta a bombardear posições do Hamas em Gaza

    Mundo

    O exército israelita voltou a bombardear esta segunda-feira posições do movimento Hamas na Faixa de Gaza em resposta ao lançamento de projéteis em direção a Israel pelas milícias palestinianas, informou um comunicado militar.

  • A brincadeira de um youtuber que podia ter acabado mal

    Mundo

    Um jovem youtuber inglês enfiou a cabeça num saco de plástico, prendeu-a na parte interna de um microondas e encheu depois o eletrodoméstico com cimento. A brincadeira, que podia ter acabado de forma trágica, deixou o jovem completamente preso e obrigou à intervenção dos serviços de emergência.

    SIC

  • "Popeye" russo pode ter que amputar braços

    Mundo

    Um jovem russo injetou um óleo no corpo para conseguir ter músculos, mais propriamente nos seus braços, que já cresceram cerca de 25 centímetros. Contudo, segundo um médico, o procedimento pode levar à necessidade de amputação, deixando o jovem sem os membros.