sicnot

Perfil

Mundo

China censura site da nova empresa da Google horas após a sua criação

O site da Alphabet, a nova empresa-mãe do grupo Google, foi bloqueado na China menos de 24 horas após a sua criação, segundo a agência France Presse (AFP).

© Pascal Rossignol / Reuters

O governo chinês mantém uma vigilância apertada sobre o tráfego 'online' dos seus cidadãos, e censura a nível nacional todos os 'sites' da Google, incluindo o GMail (correio eletrónico), o Youtube (partilha de vídeos) e o Google Maps (mapas 'online'), tendo o Alphabet sido incluído na lista, apesar de a nova página apenas contar com uma mensagem escrita do cofundador e chefe executivo da Google, Larry Page.

A 'Grande Firewall' chinesa impede ainda o acesso a redes sociais como o Facebook e o Twitter, 'sites' de pornografia e versões 'online' de jornais como o norte-americano New York Times.

A gigante da internet Google anunciou na segunda-feira uma restruturação inesperada, para melhorar a gestão e colocar os produtos da secção de investigação e desenvolvimento (I&D) sob uma nova designação corporativa - Alphabet (Alfabeto).

A Alphabet Inc. substitui assim a Google Inc. como uma entidade de capital aberto, sendo que todas as ações da Google vão automaticamente ser convertidas em ações da Alphabet, com os mesmos direitos.

Como resultado da restruturação, a Google passará a ser uma subsidiária total da empresa Alphabet.

Lusa

  • "É evidente que não fecho a porta ao Eurogrupo"
    1:38

    Economia

    O ministro das Finanças diz que não fecha a porta ao Eurogrupo. A declaração é feita numa entrevista ao semanário Expresso. No entanto, Mário Centeno deixa a ressalva que qualquer ministro das Finanças do Eurogrupo pode ser presidente.

  • Itália tenta colocar migrações na agenda do G7 contra vontade dos EUA
    1:45
  • Raízes de ciência e rebentos de esperança
    14:14
  • Portugal pode ser atingido por longos períodos de seca

    País

    Portugal e Espanha podem ser atingidos até 2100 por 'megasecas', períodos de seca de dez ou mais anos, segundo os piores cenários traçados num estudo da universidade britânica Newcastle, que tem a participação de uma investigadora portuguesa.