sicnot

Perfil

Mundo

China censura site da nova empresa da Google horas após a sua criação

O site da Alphabet, a nova empresa-mãe do grupo Google, foi bloqueado na China menos de 24 horas após a sua criação, segundo a agência France Presse (AFP).

© Pascal Rossignol / Reuters

O governo chinês mantém uma vigilância apertada sobre o tráfego 'online' dos seus cidadãos, e censura a nível nacional todos os 'sites' da Google, incluindo o GMail (correio eletrónico), o Youtube (partilha de vídeos) e o Google Maps (mapas 'online'), tendo o Alphabet sido incluído na lista, apesar de a nova página apenas contar com uma mensagem escrita do cofundador e chefe executivo da Google, Larry Page.

A 'Grande Firewall' chinesa impede ainda o acesso a redes sociais como o Facebook e o Twitter, 'sites' de pornografia e versões 'online' de jornais como o norte-americano New York Times.

A gigante da internet Google anunciou na segunda-feira uma restruturação inesperada, para melhorar a gestão e colocar os produtos da secção de investigação e desenvolvimento (I&D) sob uma nova designação corporativa - Alphabet (Alfabeto).

A Alphabet Inc. substitui assim a Google Inc. como uma entidade de capital aberto, sendo que todas as ações da Google vão automaticamente ser convertidas em ações da Alphabet, com os mesmos direitos.

Como resultado da restruturação, a Google passará a ser uma subsidiária total da empresa Alphabet.

Lusa

  • Reportagem Especial dá a voz aos despedidos da banca
    1:18
  • CEMGFA admite que várias armas roubadas estão em condições de ser usadas
    2:06

    Assalto em Tancos

    Afinal há várias armas roubadas em Tancos que estão em condições de ser utilizadas, sendo que apenas os lança-granadas-foguete estão obsoletos. Esta manhã, o general Pina Monteiro admitiu, no Parlamento, que a declaração que fez há duas semanas pode ter induzido em erro a opinião pública. O chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas (CEMGFA) diz, ainda, que se houvesse indícios sobre colaboração do Exército neste caso, os suspeitos estariam presos.

  • Pais de Charlie Gard querem que o bebé morra em casa

    Mundo

    Depois de terem renunciado à batalha judicial para manterem o filho com vida, os pais do bebé britânico Charlie Gard desejam agora levar a criança para morrer em casa. O desejo foi revelado pelo advogado de Chris Gard e Connie Yates, numa audiência esta tarde, no Supremo Tribunal de Londres. Contudo, o hospital responsável pelo caso admite que os cuidados a Charlie não podem ser feitos em casa.