sicnot

Perfil

Mundo

Conselho de Segurança da ONU apela à retoma do diálogo no Burundi

O Conselho de Segurança da ONU exortou na segunda-feira o governo do Burundi a retomar imediatamente o diálogo com a oposição para pôr fim à espiral de violência que assola aquele país africano.

Jerome Delay

"Os membros do Conselho expressaram a sua profunda preocupação com a situação política e de segurança no Burundi e apelaram à retoma imediata de um diálogo aberto para alcançar uma paz duradoura", disse à imprensa a embaixadora da Nigéria na ONU, Joy Ogwu.

Os 15 membros do Conselho de Segurança apoiaram a proposta do secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, de enviar um mediador para o Burundi, durante uma reunião de urgência à porta fechada pedida pela França, segundo os diplomatas presentes.

A embaixadora da Nigéria, que assumiu a presidência rotativa do Conselho, assegurou aos jornalistas que Ban Ki-moon enviará em breve um mediador.

O Burundi vive uma grave crise política e de segurança, depois do anúncio, no final de abril, da candidatura do Presidente Pierre Nkurunziza a um terceiro mandato, denunciado pela oposição, sociedade e Igreja Católica.

O secretário-geral adjunto das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Ivan Simonovic, disse ao Conselho de Segurança que, pelo menos 94 pessoas foram mortas desde o início da crise em abril.

Cerca de 600 pessoas foram detidas ou presas e 40 casos de tortura sob custódia da polícia foram denunciados, acrescentou.

O diálogo entre o governo e a oposição está suspenso desde 19 de julho.

Lusa

  • Temperaturas vão subir até 4ª feira

    País

    As temperaturas vão subir até esta quarta-feira, prevendo-se máximas entre os 22 e os 29 graus na generalidade do território, valores acima do normal para a época do ano, adiantou hoje a meteorologista Maria João Frada.

  • E agora?
    15:07
  • TAP recruta mais assistentes de bordo
    2:40

    Economia

    A TAP assegura que, ainda durante o mês de outubro, os problemas com falta de tripulação vão terminar. Até ao final do ano, vão ser contratados novos assistentes de bordo. Ainda assim, o sindicato diz que não chega.