sicnot

Perfil

Mundo

Polícia alemã quer controlo de fronteiras para suster fluxo de refugiados

O Sindicato da Polícia da Alemanha pediu hoje a reintrodução do controlo de fronteiras internas na Europa e um reforço dos efetivos policiais para suster o fluxo recorde de refugiados que chegam ao país.

© Yannis Behrakis / Reuters

"Do ponto de vista policial, um regresso ao controlo de fronteiras seria a melhor das medidas", disse Rainer Wendt, presidente do Sindicato da Polícia Alemã, numa entrevista ao jornal Passauer Neue Presse.

O sindicato, que pede um reforço de 1.000 agentes, prevê apresentar hoje ao ministro do Interior, Thomas de Maizière, as "condições catastróficas" e de sobrecarga de trabalho dos polícias destacados na fronteira germano-austríaca.

Para os polícias, nas conversações na União Europeia (UE) sobre a crise de refugiados, "a Alemanha não deve aceitar retirar rapidamente da mesa o regresso dos controlos" fronteiriços.

A Europa aboliu os controlos nas fronteiras internas entre os países que pertencem ao espaço de livre circulação Schengen, vigente em 22 Estados-membros da UE, de Portugal à Finlândia, e quatro não-membros: Islândia, Liechtenstein, Noruega e Suíça.

Em contrapartida, as autoridades reforçaram o controlo dos viajantes nos comboios, autoestradas e voos no espaço europeu.

A Alemanha, país mais populoso da UE, tem registado um número crescente de candidatos a asilo, contando atingir este ano os 500.000.

Para o responsável sindical, o controlo das fronteiras facilitaria a deteção de criminosos e permitiria devolver automaticamente os refugiados aos países Schengen de onde partiram, aos quais, tecnicamente, devem apresentar o pedido de asilo.

Lusa

  • Acordo de concertação social assinado por todos os parceiros

    Economia

    Está assinado o acordo da Concertação Social que estipula a descida da TSU para as empresas como contrapartida do aumento do salário mínimo. Ao contrário do que é habitual, o momento não foi assinalado na sede do Conselho Económico e Social (CES), mas as assinaturas foram divulgadas no Twitter.

  • Oposição diz que défice abaixo dos 2,3% se deve ao aumento de impostos
    2:24

    Economia

    O défice de 2016 vai ficar abaixo dos 2,3%, uma garantia dada pelo primeiro-ministro durante o debate quinzenal desta terça-feira. A oposição diz que o resultado é bom para o país mas que se deve a um aumento de impostos, feito pelo Governo no ano passado, e ao trabalho do PSD e do CDS nos anos anteriores.