sicnot

Perfil

Mundo

Presidente turco diz que ofensiva militar contra PKK prosseguirá "até não restar qualquer terrorista"

O Presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, declarou hoje que a ofensiva armada contra os militantes do Partido dos Trabalhadores do Curdistão vai prosseguir "até não restar qualquer terrorista".

© Darren Whiteside / Reuters

"Continuaremos o nosso combate até que as armas sejam depostas (...) e que não reste qualquer terrorista no interior das nossas fronteiras", disse o Presidente turco num discurso transmitido pela televisão, acrescentando que a campanha aérea contra o PKK, que se prolonga há mais de duas semanas, já infligiu "sérias perdas" a este grupo.

O chefe de Estado turco e antigo primeiro-ministro disse ainda que foram conduzidas "operações eficazes" contra o grupo Estado Islâmico (EI).

"Também efetuámos operações eficazes contra o Daesh [acrónimo árabe que designa o Estado Islâmico] e que ameaça a nossa segurança", sublinhou.

"Não distinguimos entre organizações terroristas. Qualquer que seja o seu objetivo, uma organização terrorista é para nós uma organização terrorista", insistiu.

Erdogan declarou ainda "congelado" o processo de paz iniciado no final de 2012 com o PKK.

"Infelizmente, não compreenderam o que foi feito" por eles, e "o processo de resolução está desta forma, e neste momento, congelado", afirmou.

Ancara desencadeou a 24 de julho uma "guerra contra o terrorismo" visando em simultâneo o PKK e os combatentes do EI na Síria. Mas as dezenas de raides aéreos que se seguiram concentraram-se na guerrilha curda, com apenas três assinalados contra posições do EI.

No fim de semana, a agência noticiosa governamental Anatolia referiu-se a 390 rebeldes do PKK mortos durante os ataques aéreos da aviação turca contra as bases recuadas da guerrilha no norte do Iraque, para além de 30 membros das forças de segurança turca também mortos no mesmo período.

A situação no terreno permanece muito tensa, com constantes ataques da guerrilha curda e represálias das forças de Ancara, e que puseram termo a uma trégua de cerca de três anos entre as duas partes, no âmbito de um processo de paz.

Lusa

  • Um dos conflitos mais sangrentos e esquecidos do planeta pelo olhar de uma portuguesa
    3:20

    Mundo

    A guerra do Congo, que opõe milícias rebeldes ao regime de Kabila, já dura há 20 anos e fez seis milhões de mortos, quatro milhões de deslocados internos e um número crescente de refugiados. Um dos conflitos mais sangrentos e esquecidos do planeta tem levado milhares de civis a passar a fronteira para Angola. A médica portuguesa Ana Paula Cruz testemunhou o drama silencioso dos congoleses nos campos de refugiados da Lunda Norte.

  • "Este é o elefante na sala sobre a saúde!"
    1:43

    País

    Catarina Martins acusa o Governo de estar alinhado com a direita na promoção de negócios privados na área da saúde. O Bloco de Esquerda quer uma nova lei de bases aprovada até ao final da legislatura e arrancou ontem com um ciclo nacional de sessões públicas para defender o Serviço Nacional de Saúde.

  • Marido de idosa que morreu na Sertã teve de caminhar durante duas horas para pedir ajuda
    1:44

    País

    A Altice garantiu esta sexta-feira que tentou agendar, por duas vezes, a reposição da linha telefónica na casa da idosa da Sertã, que morreu na semana passada por não ter comunicações que permitissem um socorro rápido. A mulher sentiu-se mal e o marido teve de caminhar durante duas horas para conseguir chegar à casa do vizinho mais próximo e pedir ajuda.

  • Como é que alguém (Rúben Semedo) com tanto pode perder tudo?
    3:05