sicnot

Perfil

Mundo

Presidente turco diz que ofensiva militar contra PKK prosseguirá "até não restar qualquer terrorista"

O Presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, declarou hoje que a ofensiva armada contra os militantes do Partido dos Trabalhadores do Curdistão vai prosseguir "até não restar qualquer terrorista".

© Darren Whiteside / Reuters

"Continuaremos o nosso combate até que as armas sejam depostas (...) e que não reste qualquer terrorista no interior das nossas fronteiras", disse o Presidente turco num discurso transmitido pela televisão, acrescentando que a campanha aérea contra o PKK, que se prolonga há mais de duas semanas, já infligiu "sérias perdas" a este grupo.

O chefe de Estado turco e antigo primeiro-ministro disse ainda que foram conduzidas "operações eficazes" contra o grupo Estado Islâmico (EI).

"Também efetuámos operações eficazes contra o Daesh [acrónimo árabe que designa o Estado Islâmico] e que ameaça a nossa segurança", sublinhou.

"Não distinguimos entre organizações terroristas. Qualquer que seja o seu objetivo, uma organização terrorista é para nós uma organização terrorista", insistiu.

Erdogan declarou ainda "congelado" o processo de paz iniciado no final de 2012 com o PKK.

"Infelizmente, não compreenderam o que foi feito" por eles, e "o processo de resolução está desta forma, e neste momento, congelado", afirmou.

Ancara desencadeou a 24 de julho uma "guerra contra o terrorismo" visando em simultâneo o PKK e os combatentes do EI na Síria. Mas as dezenas de raides aéreos que se seguiram concentraram-se na guerrilha curda, com apenas três assinalados contra posições do EI.

No fim de semana, a agência noticiosa governamental Anatolia referiu-se a 390 rebeldes do PKK mortos durante os ataques aéreos da aviação turca contra as bases recuadas da guerrilha no norte do Iraque, para além de 30 membros das forças de segurança turca também mortos no mesmo período.

A situação no terreno permanece muito tensa, com constantes ataques da guerrilha curda e represálias das forças de Ancara, e que puseram termo a uma trégua de cerca de três anos entre as duas partes, no âmbito de um processo de paz.

Lusa

  • Paulo Macedo pede calma para o bem do banco
    1:45

    Caso CGD

    Paulo Macedo falou pela primeira vez desde que foi eleito o novo Presidente da Caixa Geral de Depósitos e, para o bem do banco público, pediu calma a todos. Passos Coelho veio dizer que a recapitalização da Caixa pode ter de ser feita no verão do próximo ano para salvaguardar o défice deste ano. Já António Costa preferiu não comentar as declarações de Passos e diz que o banco público há muito que precisava de ser recapitalizado.

  • Condutores continuam com dúvidas em como circular numa rotunda
    2:06

    País

    Circular nas rotundas continua a ser um problema para muitos condutores. Cerca de 3 mil foram multados nos últimos três anos depois da entrada em vigor do novo código, os números são avançados pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária. Os instrutores de condução dizem que a medida provoca mais confusão nas horas de ponta.

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59
  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados". Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade.