sicnot

Perfil

Mundo

EUA acusam na ONU forças sírias de continuarem a utilizar barris de explosivos

As forças sírias lançaram mais de dois mil barris de explosivos em todo o país desde julho, provocando a morte a centenas de pessoas, disse hoje a embaixadora dos Estados Unidos na ONU, Samantha Power.

Soldados turcos guardam a fronteira Mursitpinar em Suruc na província Sanliurfa enquanto ao longe se vê fumo da cidade síria de Kobani.

Soldados turcos guardam a fronteira Mursitpinar em Suruc na província Sanliurfa enquanto ao longe se vê fumo da cidade síria de Kobani.

© Murad Sezer / Reuters

A embaixadora norte-americana pediu ações para para acabar com uso daqueles explosivos improvisados, que têm sido particularmente utilizados nos subúrbios de Damasco, capital da Síria, e na região de Zabadani, na fronteira com o Líbano.

"O regime de Assad tem aparentemente aumentado o uso das repugnantes de barris de explosivos como um instrumento de terror contra civis sírios", disse, em comunicado, Samantha Power.

No início de junho, o Conselho de Segurança da ONU insurgiu-se contra atentados com barris de explosivos na Síria.

Os Estados Unidos, a França e o Reino Unido acusaram o regime do Presidente Assad de ser responsável por aqueles ataques, salientando que só o chefe de Estado dispõe de helicópteros para largar os barris.

O regime sírio nega a existência daquele tipo de armamento, que foi também descrito pela organização de defesa dos direitos humanos Humans Rights Watch.

Os barris de explosivos são bombas fabricadas localmente e de forma barata, geralmente feitas a partir de tambores de petróleo, cilindros de gás e caixas de água.

Aqueles recipientes são depois cheios com explosivos e outro tipo de fragmentos, para reforçar o efeito da explosão.

Desde o início do conflito em março de 2011, mais de 240 mil pessoas morreram no conflito na Síria, segundo o Observatório Sírio para os Direitos Humanos.

Lusa

  • Bomba encontrada na Nazaré pode ter sido largada durante 2.ª Guerra Mundial
    2:26

    País

    A bomba que esta segunda-feira veio nas redes de um arrastão na Nazaré já foi detonada. O engenho explosivo foi identificado como uma bomba de avião por especialistas da Marinha, que eliminaram também o perigo equivalente a 600 quilogramas de TNT. A bomba sem qualquer inscrição tinha um desgaste evidente e, segundo a Marinha, pode ter sido largada de um avião durante a 2.ª Guerra Mundial.

  • Derrocada de muro em Lisboa obriga à retirada de 40 pessoas de 5 prédios
    2:14

    País

    Os moradores de três prédios de Lisboa não podem regressar tão cedo a casa. Durante a madrugada, a derrocada de um muro obrigou à retirada de 40 pessoas de cinco edifícios. Um dos inquilinos sofreu ferimentos ligeiros. Entretanto, a maioria dos residentes já foi realojada em casas de familiares e num hotel.

  • "Geringonça" elogiada na Europa e EUA
    4:22

    País

    Num momento em que por cá se fala de claustrofobia democrática, a Europa e os Estados Unidos desdobram-se em elogios ao sucesso da maioria de Esquerda em Portugal. A palavra "geringonça" já tem até tradução em várias línguas.

  • ONU estima que mais 750 mil civis estejam em risco na cidade de Mossul
    1:39

    Mundo

    As Nações Unidas estimam que mais 750 mil civis estejam em risco na zona ocidental de Mossul, no Iraque. Mais de 10 mil pessoas fugiram da zona ocidental da cidade nos últimos quatro dias. Enquanto a população tenta escapar ao fogo cruzado, as forças iraquianas avançam sobre a cidade ainda controlada pelo Daesh.