sicnot

Perfil

Mundo

EUA entregam a França pintura de Picasso roubada há 14 anos

As autoridades norte-americanas entregaram hoje a França a pintura "La Coiffeuse", de Pablo Picasso, roubada há catorze anos do Centro George Pompidou, um dos museus de arte moderna e contemporânea mais visitados do mundo.

© Jonathan Ernst / Reuters

A embaixada francesa em Washington foi o local escolhido para a formalização da entrega da obra de arte e para mostrar a peça aos meios de comunicação social, que tinha sido contemplada pela última vez em 1998, em Munique, na Alemanha.

De acordo com o embaixador francês nos Estados Unidos, Frédéric Doré, a obra de Pablo Picasso, datada do início do século XX, mais precisamente do ano 1911, e avaliada em 15 milhões de dólares (cerca de 13 milhões de euros), é uma "peça única", sendo o seu destino o museu Centro Pompidou, em Paris, de onde desapareceu em 2001

O quadro foi encontrado em dezembro passado em Newark, cidade do Estado de Nova Jersey, num barco que vinha da Bélgica.

A embalagem tinha uma etiqueta onde se podia ler "Feliz Natal" e onde dizia tratar-se de uma peça de artesanato de 37 dólares.

Os agentes aduaneiros examinaram o barco e descobriram a obra de arte, entregando-a posteriormente ao Departamento de Segurança Nacional (DHS).

Na cerimónia de entrega do quadro, a diretora do Serviço de Imigração e Controlo Aduaneiro (ICE) dos EUA, Sarah Saldaña, afirmou ser "uma honra poder devolver uma obra tão importante", continuando o seu discurso dizendo que "é uma prioridade significativa" recuperar e devolver peças de arte roubadas.

"Num mundo que se torna cada vez mais pequeno, a proteção dos tesouros culturais têm uma importância cada vez maior", prosseguiu, afirmando que a sua equipa está "comprometida a fazer todos os possíveis para devolver obras de arte aos seus proprietários legítimos".

Lusa

  • Suspeito de atropelamento mortal fala de acidente 
    2:00

    País

    O interrogatório do suspeito do atropelamento mortal junto ao Estádio da Luz foi adiado para este sábado porque o Ministério Público solicitou uma nova diligência de reconhecimento. Luís Pina nega que tenha atropelado o italiano de forma intencional e defende que foi mero acidente.