sicnot

Perfil

Mundo

Justiça sueca arquiva parte do caso contra Assange por prescrição

O Ministério Público da Suécia anunciou hoje que arquivou o processo em que o fundador do Wikileaks, Julian Assange, era acusado de agressão sexual por duas cidadãs suecas por prescrição dos alegados crimes.

Kirsty Wigglesworth

Um outro processo, em que Assange é acusado de violação, mantém-se aberto, só prescrevendo em agosto de 2020.

"Julian Assange manteve-se voluntariamente longe da justiça, refugiando-se na embaixada equatoriana (em Londres). Passado o prazo de prescrição de algumas das acusações, vejo-me obrigada a suspender a investigação", afirmou a procuradora Marianne Ny num comunicado divulgado em Estocolmo.

Sobre a acusação de violação, "o inquérito preliminar prossegue", precisou.

Assange está refugiado na embaixada do Equador no Reino Unido desde junho de 2012, depois de esgotados todos os recursos que apresentou contra o mandado de detenção da Suécia emitido em novembro de 2010.

O australiano, de 44 anos, nega as acusações e recusa ir a Estocolmo por temer ser extraditado para os Estados Unidos, que o querem julgar pela divulgação de milhares de documentos diplomáticos e militares confidenciais.

Assange e a procuradora Ny acusam-se mutuamente de responsabilidade por não ter havido até ao momento qualquer audição.

"Desde o início que propus soluções simples. Venha à embaixada e recolha o meu depoimento ou prometa não me extraditar para os Estados Unidos. Essa funcionária sueca recusou as duas. Recusou inclusivamente um depoimento por escrito", afirmou Assange em comunicado.

O australiano disse-se "extremamente desiludido" por não poder dar a sua versão dos factos e reiterou que as relações sexuais com as queixosas foram consentidas.

A procuradora afirmou por seu lado que Assange tem recusado responder às convocações da justiça sueca. "Desde o outono de 2010 que tento obter o direito de uma audição com Julian Assange, mas ele esquivou-se sempre".

Lusa

  • O encontro emocionado de Marcelo com a mãe de uma das vítimas dos fogos
    0:30
  • Proteção Civil garante que já não há desaparecidos
    1:40
  • "Depois de sair da autoestrada o vidro do carro ainda estava a ferver"
    2:01
  • "O fogo chegou de repente. Foi um demónio"
    2:15
  • O desabafo de um empresário que perdeu "uma vida inteira de trabalho" no fogo
    2:08
  • O testemunho emocionado de quem perdeu quase tudo
    2:10
  • As comunicações entre operacionais no combate às chamas em Viseu
    2:27
  • Houve "erros defensivos que normalmente a equipa não comete"
    0:38

    Desporto

    No final do jogo, quando questionado sobre a ausência de Casillas no onze do FC Porto, Sérgio Conceição referiu que a equipa apresentada era aquela que lhe oferecia garantias. Quanto ao jogo, o treinador portista reconheceu que a equipa cometeu vários erros defensivos.

  • "Cometemos erros e há que tentar corrigi-los"
    0:41

    Desporto

    No final do jogo em Leipzig, Iván Marcano desvalorizou a ausência de Iker Casillas e entendeu que o facto de o guarda-redes ter ficado no banco não teve impacto na equipa. Já sobre o jogo, o central espanhol garantiu que não correu da forma como os jogadores esperavam.

  • Norte-americana foi à discoteca e tornou-se princesa

    Mundo

    A história de Ariana Austin é quase como um conto de fadas moderno. A jovem vai até ao baile, onde conhece o seu príncipe. Só que a norte-americana foi a uma discoteca e, na altura, não sabia que Joel Makonnen era na verdade um príncipe da Etiópia e que casaria com ele 12 anos depois, tornando-se também ela numa princesa.