sicnot

Perfil

Mundo

Desflorestação na Amazónia brasileira diminuiu 82% em dez anos

A desflorestação na Amazónia brasileira diminuiu 82% entre 2004 e 2014, de 27.772 quilómetros quadrados para 5.012, divulgaram hoje os ministros da Ciência e Tecnologia, Aldo Rebelo, e Meio Ambiente, Isabella Teixeira.

© STRINGER Brazil / Reuters

Já a redução da desflorestação no último ano analisado, entre agosto de 2013 e julho de 2014, foi de 15%.

O levantamento foi executado pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), baseado em dados do Projeto de Monitorização do Desmatamento na Amazônia Legal (Prodes), numa área que engloba nove estados brasileiros.

"Do ponto de vista da ação do Governo, é importante destacar que nós temos não só que coibir o crime, mas preveni-lo, evitar que a floresta seja derrubada", afirma Isabella Teixeira, numa divulgada pelo Governo.

O sistema Prodes usa 214 imagens de satélite e considera a desflorestação de áreas superiores a 6,25 hectares com remoção completa da cobertura florestal.

A ministra brasileira realçou que o país tem como meta para 2020 diminuir a desflorestação para 3.915 quilômetros quadrados.

Lusa

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.