sicnot

Perfil

Mundo

Desflorestação na Amazónia brasileira diminuiu 82% em dez anos

A desflorestação na Amazónia brasileira diminuiu 82% entre 2004 e 2014, de 27.772 quilómetros quadrados para 5.012, divulgaram hoje os ministros da Ciência e Tecnologia, Aldo Rebelo, e Meio Ambiente, Isabella Teixeira.

© STRINGER Brazil / Reuters

Já a redução da desflorestação no último ano analisado, entre agosto de 2013 e julho de 2014, foi de 15%.

O levantamento foi executado pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), baseado em dados do Projeto de Monitorização do Desmatamento na Amazônia Legal (Prodes), numa área que engloba nove estados brasileiros.

"Do ponto de vista da ação do Governo, é importante destacar que nós temos não só que coibir o crime, mas preveni-lo, evitar que a floresta seja derrubada", afirma Isabella Teixeira, numa divulgada pelo Governo.

O sistema Prodes usa 214 imagens de satélite e considera a desflorestação de áreas superiores a 6,25 hectares com remoção completa da cobertura florestal.

A ministra brasileira realçou que o país tem como meta para 2020 diminuir a desflorestação para 3.915 quilômetros quadrados.

Lusa

  • Luís Pina indiciado por quatro crimes de tentativa de homicídio
    2:24
  • Ministro "mais descansado" com relatório sobre Almaraz, ambientalistas contestam
    2:01

    País

    O ministro do Ambiente diz estar mais descansado depois de conhecer o relatório técnico que considera o armazém de resíduos nucleares em Almaraz uma solução adequada. Já as associações ambientalistas e os partidos criticam o parecer positivo à construção e querem ouvir os ministros do Ambiente e dos Negócios Estrangeiros no Parlamento.

  • Marcelo recebido por multidão na Ovibeja
    2:52
  • Líderes europeus unidos para iniciar saída do Reino Unido
    2:08
  • 100 dias de Trump em 04'30''
    4:33

    Pequenas grandes histórias

    Donald Trump tomou posse como 45º Presidente dos EUA dia 20 de janeiro de 2017, faz este sábado, 100 dias. Prometeu grandes mudanças, mas os planos acabaram por chocar de frente com a realidade e a burocracia de Washington, como foi o caso do Obamacare. Foi a primeira ordem executiva que assinou, no dia em que tomou posse, mas a revogação está longe de acontecer.