sicnot

Perfil

Mundo

UE diz que mundo enfrenta "a pior crise de refugiados" desde a II Guerra Mundial

O mundo enfrenta "a pior crise de refugiados" desde a II Guerra Mundial e a Europa deve contribuir para a resolver de uma forma "decente e civilizada", afirmou esta sexta-feira o comissário europeu para as Migrações, Dimitris Avramopoulos.

(Arquivo)

(Arquivo)

© Alkis Konstantinidis / Reuters

"O mundo encontra-se hoje perante a pior crise de refugiados desde II Guerra Mundial", disse o comissário numa conferência de imprensa em Bruxelas.

A Europa "não tem sabido gerir o importante fluxo de pessoas que procuram refúgio nas nossas fronteiras", prosseguiu o comissário, frisando que a Europa foi construída sobre o princípio da "solidariedade com os que precisam".

"São seres humanos, pessoas desesperadas. Precisam da nossa ajuda e do nosso apoio", afirmou.

"O que temos de fazer (...) é organizar o nosso sistema para enfrentar este problema de uma forma decente e civilizada, à maneira europeia", disse, referindo a situação "especialmente urgente" da Grécia, mas também a de outros países, como a Itália e a Hungria.

A Comissão Europeia apresentou em maio uma proposta de distribuição dos refugiados pelos Estados membros da União Europeia, para aliviar os países a cujas fronteiras chega o maior número de imigrantes e refugiados, mas a proposta foi recusada pelos líderes europeus.

A Grécia recebeu só em julho 50.000 candidatos a asilo, quase dez vezes mais que os 6.000 de julho de 2014, sublinhou o comissário.

Avramopoulos esteve esta semana em Atenas e na ilha grega de Kos, no Mar Egeu, onde o grande afluxo de refugiados sírios e afegãos e a falta de locais para os acolher têm provocado tensões, e prevê deslocar-se em breve à Turquia, de onde partem diariamente centenas de migrantes com destino às costas gregas.

Nos "próximos dias", Avramopoulos vai também visitar Calais, no norte de França, onde centenas de imigrantes que pretendem ir para o Reino Unido tentam entrar no Eurotúnel para atravessar o Canal da Mancha, tentativas que resultam frequentemente em morte.

O comissário reconheceu também que a Hungria é "um dos países mais expostos", como a Grécia e a Itália, desde que há vários meses a rota dos Balcãs é preferida por muitos dos refugiados da Síria e do Afeganistão. Só em julho, afirmou, a Hungria recebeu 35.000 pedidos de asilo.

Lusa

  • Eurogrupo dá luz verde ao Orçamento do Estado
    0:29

    Orçamento do Estado 2017

    O Orçamento português passou no Eurogrupo mas os ministros das Finanças alertam que podem ser precisas mais medidas para cumprir as metas e em março vão voltar a olhar para as contas. Para já, estão satisfeitos com o compromisso assumido por Mário Centeno e mais sete ministros da zona euro, cujos Orçamentos estão em risco de incumprimento.

  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados".Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade. A SIC esteve em Luanda e falou com o advogado Adolfo Campos e com os músicos Carbono Casimiro, Mona Dya Kidi e David Salei. Já todos estiveram presos. Já todos foram vítimas de violência policial. Defendem que "a geração anterior comprometeu o país" e acreditam que só a mudança política pode trazer um futuro melhor. Para estes jovens activistas, a guerra que arrasou o país, e com que o regime justifica tudo, não deixou heróis, apenas "vilões e vítimas".

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59