sicnot

Perfil

Mundo

Um dos vulcões mais perigosos do mundo está a expelir cinza

O vulcão Cotopaxi, no Equador, um dos mais perigosos do mundo e que estava "adormecido" há 140 anos, expeliu hoje uma coluna de fumo com cinco quilómetros de altura.

© Guillermo Granja / Reuters

As cinzas foram precedidas, durante a madrugada, por duas pequenas explosões na cratera, escreveu no Twitter o Instituto de Geofísica.

O vulcão Cotopaxi está a 5.897 metros de altura e localizado a 45 quilómetros a sul da capital do Equadpr, Quito.

Em Quito, começaram preparativos para distribuição de milhares de máscaras à população.

O Instituto de Geofísica disse que Cotopaxi é um dos vulcões mais perigosos do mundo por causa da grande quantidade de neve no seu pico e porque as áreas ao seu redor estão densamente povoadas.

A última vez que entrou em erupção foi em 1877.

A agência de gestão de emergências do Governo do Equador elevou o nível de alerta para amarelo, meio da escala, para as áreas próximas do vulcão.

O Ministério do Ambiente cancelou visitas ao local e 15 alpinistas que se estavam a preparar para escalar Cotopaxi foram mandados para casa.

As autoridades estão a monitorizar o vulcão para decidir se dão ordem para evacuação das zonas mais próximas.

Os aeroportos de Quito e da cidade de Cotopaxi permanecem abertos, apesar da nuvem de cinzas, afirmou a direção de aviação civil.

Na cidade de Machachi, a 25 quilómetros do vulcão, as pessoas já utilizam máscaras para respirar.

Cotopaxi é um dos oito vulcões ativos no Equador.

Lusa

  • "É preciso despartidarizar o sistema de Proteção Civil", diz Duarte Caldeira
    2:47
  • Homem morreu ao tentar salvar animais das chamas
    2:30
  • Arcebispo de Braga pede responsabilidades pelos incêndios
    1:40

    País

    Braga também sofreu um dos mais violentos incêndios dos últimos anos. O fogo descontrolado atravessou várias freguesias e destruiu duas empresas. A igreja, pela voz do arcebispo de Braga, pede ação e o apuramento de responsabilidades, face a esta calamidade.

  • "Estou a ficar sem água, vai ser um trabalho inglório"
    1:06