sicnot

Perfil

Mundo

Violentos combates matam entre 150 e 200 no norte da Líbia

Violentos combates em Syrte (norte da Líbia) entre os 'jihadistas' do grupo Estado Islâmico (EI) e homens armados locais causaram entre 150 e 200 mortos, afirmou hoje o embaixador líbio em Paris.

© Goran Tomasevic / Reuters

"Ocorreu um verdadeiro massacre em Syrte e apelamos à comunidade internacional para intervir", disse à agência France Presse (AFP) o embaixador, Chibani Abuhamoud.

Antes, um responsável local tinha indicado à AFP que os combates entre habitantes armados e 'jihadistas' do EI tinham causado dezenas de mortos e de feridos nos últimos quatro dias, sem dar um balanço preciso. Também não conseguiu referir a causa dos confrontos.

"Syrte vive uma verdadeira guerra desde terça-feira e a luta feroz entre os combatentes da cidade e o EI nunca parou", disse aquele responsável que não quis ser identificado.

Desde a queda do regime de Muammar Kadhafi em 2011, a Líbia tem sido palco de combates sangrentos entre grupos armados rivais.

O país tem dois governos, um em Tripoli sob controlo de uma coligação de milícias em parte islamitas, e o outro exilado no leste, reconhecido pela comunidade internacional.

Atualmente a Líbia tem ainda de enfrentar a ascensão do EI, que tomou controlo de Syrte em junho.

Na terça-feira, o governo de Tripoli anunciou o lançamento de uma "operação para libertar Syrte". O Ministério da Defesa precisou que "os jovens e os habitantes de Syrte" participavam na ofensiva, apoiados por ataques da aviação.

Segundo o embaixador Chibani Abuhamoud, do governo reconhecido pela comunidade internacional, os combates em Syrte começaram depois do assassínio pelo EI do xeque Khaled Al-Farjane, um imã (líder religioso islâmico) da influente tribo dos Al-Farjane.

A organização 'jihadista' "encaminhou reforços para Syrte e lançou uma ofensiva contra os bairros residenciais que lhe resistem", afirmou o embaixador.

Num comunicado divulgado na rede social Facebook na quinta-feira, o governo líbio exilado criticou as grandes potências por usarem "dois pesos e duas medidas" no que se refere à luta contra os 'jihadistas'.

"Combatem o EI na Síria e no Iraque e fecham os olhos à sua presença" na Líbia, disse.

Lusa

  • Ministro garante segurança nas escolas com uso de poliuretano
    0:52

    País

    O ministro da Educação garante que as escolas estão em segurança e que não há perigo com um material como o poliuretano. Tiago Brandão Rodrigues respondia, esta quarta-feira, a uma pergunta dos Verdes sobre a substituição de amianto nas escolas.

  • Estoril garante que estrutura da bancada não está em causa
    2:23

    Desporto

    O Laboratório Nacional de Engenharia Civil deverá emitir esta quinta-feira um parecer preliminar sobre a bancada norte do estádio do Estoril-Praia. O clube garante que a estrutura não está em causa e que, tal como a câmara de Cascais, aguarda por conclusões para uma edificação feita no vale da Amoreira.

  • Ronaldo estará mesmo de saída do Real Madrid
    2:01
  • Várias alternativas para vender a sua casa
    8:58
  • Encontradas 86 pedras preciosas numa casa em Albufeira
    0:48
  • Registada em vídeo explosão de meteoro nos EUA
    0:42
  • "A Rússia não nos ajuda nada na Coreia do Norte"

    Mundo

    O Presidente norte-americano, Donald Trump, condenou esta quarta-feira a postura da Rússia sobre a situação da Coreia do Norte, afirmando que o país está a minar os esforços internacionais em curso para isolar o regime de Kim Jong-Un.

  • Polícia descobre arte de esconder 750 quilos de droga em ananases
    2:25
  • Moscovo só teve seis minutos de luz solar em dezembro

    Mundo

    Os portugueses estão tão habituados ao sol, que nunca imaginariam passar um mês inteiro sem ele. O fenómeno aconteceu na capital russa. Moscovo bateu o recorde em dezembro, quando passou o mês inteiro sem luz solar direta. As pessoas de Moscovo viram o sol apenas durante seis minutos e a espreitar timidamente por entre as nuvens.

  • A maior lua de Saturno tem nível do mar tal como a Terra

    Mundo

    Titã, a maior lua de Saturno, tem uma altura média da superfície do mar, tal como a Terra, revela um estudo divulgado esta quarta-feira, que se baseia em observações feitas pela sonda norte-americana Cassini, cuja missão terminou em setembro.