sicnot

Perfil

Mundo

Novo balanço nas explosões na China aponta para 112 mortos e 95 desaparecidos

As autoridades chinesas informaram que até hoje foram encontradas 112 vítimas mortais e 95 pessoas continuavam desaparecidas, incluindo 85 bombeiros, na sequência das grandes explosões de quarta-feira no porto chinês de Tianjin, noticia a Xinhua.

© China Stringer Network / Reut

O balanço foi atualizado esta manhã (madrugada em Lisboa) numa conferência de imprensa, segundo a agência de notícias chinesa.

Na anterior contagem, no sábado, tinham sido reportados 104 mortos.

Apesar do conteúdo específico dos contentores ainda permanecer desconhecido, especialistas que colaboram na investigação consideram ser "possível" que armazenem cianeto de sódio, altamente tóxico, entre outros produtos químicos, como nitrato de amónio, nitrato de potássio e carboneto de cálcio.

No sábado, um homem com cerca de 50 anos foi resgatado vivo a cerca de 50 metros do epicentro das explosões ocorridas na quarta-feira.

Segundo a agência Xinhua, o homem foi encontrado por especialistas em guerra química que acorreram hoje ao local do desastre e o transportaram de imediato para um hospital na cidade.

A vítima "estava consciente e conseguia falar", de acordo com os elementos que o resgataram.

Na sexta-feira tinha sido já resgatado dos escombros um bombeiro de 19 anos.

No sábado deflagrou um novo incêndio no armazém, sendo que vários fogos e explosões de pequena dimensão têm vindo a registar-se desde quarta-feira, dificultando as operações de busca e salvamento.

Maior porto do norte da China, situado a 150 quilómetros de Pequim, Tianjin é a sede de um município com cerca de 15 milhões de habitantes.

Lusa

  • Porque é que Melania e Ivanka vestiram preto para conhecer o Papa

    Mundo

    Melania e Ivanka chegaram ao Vaticano de preto, uma escolha muito questionada. De vestidos longos e véus, as mulheres Trump seguiram assim o dress code aconselhado nas audiências com o Papa. Também Michelle Obama usou uma vestimenta do género, em 2009, quando visitou Bento XVI.

  • Escola de Vagos castiga alunos por protesto contra a homofobia e preconceito

    País

    Os alunos da Escola Secundária de Vagos, no distrito de Aveiro, organizaram um protesto contra o que consideram homofobia e preconceito. Segunda-feira, depois de duas alunas se terem beijado foram chamadas à direção da escola, que as terá informado que não podiam beijar-se em público. O protesto foi gravado e partilhado nas redes sociais. Em declarações à SIC Notícias, um dos alunos disse que todos os envolvidos no protesto vão ser alvos de um processo disciplinar. O Bloco de Esquerda já pediu esclarecimentos ao Ministério da Educação.

    EXCLUSIVO

    Rita Pedras