sicnot

Perfil

Mundo

Polícia nepalesa detém manifestantes que tentavam impor greve nacional

A polícia nepalesa deteve hoje dezenas de manifestantes que tentavam impor uma greve nacional, a mais recente paralisação de uma série de protestos contra a nova Constituição, noticiou a Agência France-Presse (AFP).

© Navesh Chitrakar / Reuters

"Prendemos 51 quadros em Katmandu que tentavam bloquear estradas, vandalizar veículos e fechar estabelecimentos comerciais", disse à AFP o porta-voz da polícia Bishwo Raj Pokharel.

De acordo com a Constituição, elaborada após anos de disputas políticas, o Nepal será reestruturado num estado federal com seis províncias.

Mas alguns legisladores e os seus apoiantes apelaram para a realização de uma greve nacional, alegando que a lei fundamental discrimina comunidades historicamente marginalizadas.

"A reconstrução do Estado que consta do projeto está longe de responder às aspirações do povo", disse Pampha Bhusal, porta-voz do movimento CPN-Maoísta, uma fação dissidente do partido maoísta.

"Não assegura a participação política dos grupos marginalizados nos organismos estatais", acrescentou.

Centenas de nepaleses protestaram na semana passada contra a Constituição, lei há muito esperada, em manifestações que acabaram por provocar confrontos violentos, incluindo dois mortos.

O acordo político sobre as fronteiras foi obtido após o devastador sismo de abril passado que ajudou a pôr um fim à briga aparentemente interminável entre partidos rivais.

Os trabalhos para a elaboração de uma nova Constituição começaram em 2008, sucedendo a uma longa década de insurgência maoísta que causou a morte a perto de 16.000 pessoas e derrubou a monarquia hindu de 240 anos.

No passado domingo foi anunciado que os partidos políticos nepaleses tinham assinado um acordo considerado decisivo e que abria caminho à redação de uma nova Constituição, criando uma divisão do território em várias províncias.

Na altura, o primeiro-ministro, Sushil Koirala, escreveu na rede social Twitter que estavam garantidas "uma Constituição federal e a demarcação de fronteiras".

Após o devastador sismo de abril, os partidos políticos nepaleses tinham selado, em junho, um acordo considerado histórico que visava dividir o território em oito províncias, mas a operação para traçar fronteiras, tida como delicada, ficou programada para mais tarde.

O acordo que abre caminho a toda a elaboração da Constituição foi assinado no dia 08 e prevê a criação de seis províncias que partilharão, cada uma, fronteira com a Índia.

Lusa

  • Vitória de Guimarães na Áustria em busca do apuramento na Liga Europa
    1:47
  • Árbitros recuam e vão apitar jogos do próximo fim de semana

    Desporto

    Os árbitros recuaram esta quarta-feira na intenção de não comparecer nos jogos do próximo fim de semana. Depois de na terça-feira a maioria dos juízes terem apresentado um pedido de dispensa dos jogos da 12.ª jornada do campeonato, esta quarta-feira adiaram a decisão após uma reunião com o Conselho de Arbitragem.

  • Comprar um carro em segunda mão sem ser enganado 
    8:44
  • O que aprendemos com secas anteriores?
    32:50

    País

    A água é um recurso essencial para todos os organismos vivos, comunidades e atividades económicas. Num país com situações de secas recorrentes, que tendem a ser agravadas pelas alterações climáticas, o que aprendemos com anteriores episódios de escassez de água? Como usar a água para que não falte no futuro? "Água Sob Pressão" foi o tema desta Grande Reportagem, de Carla Castelo (jornalista), Manuel Ferreira (Imagem), Gonçalo Freitas (Edição de imagem), Paulo Alves (Grafismo) e Isabel Mendonça (Produção), exibida na SIC em julho de 2012 (que também foi um ano de seca, ainda que menos grave do que a atual).

  • Jorge Jesus e Ana Malhoa contra o consumo de sal
    1:21
  • Diminuem as hipóteses de salvar os tripulantes a bordo do submarino argentino
    3:09

    Mundo

    As hipóteses de salvar os tripulantes a bordo do submarino argentino, desaparecido há 8 dias, começaram a diminuir, uma vez que o chamado "tempo de segurança" já foi ultrapassado. A Marinha portuguesa está a acompanhar o caso do submarino que está desaparecido há oito dias. As hipóteses de salvar os tripulantes vão diminuindo.