sicnot

Perfil

Mundo

Ataque que fez 16 mortos em Banguecoque visou prejudicar turismo, diz ministro da Defesa tailandês

O atentado à bomba que matou esta segunda-feira pelo menos 16 pessoas em Banguecoque visava "atingir estrangeiros e prejudicar a economia e o turismo", afirmou o ministro da Defesa tailandês, Prawit Wongsuwong.

© Kerek Wongsa / Reuters

"Foi uma bomba de TNT, as pessoas que o fizeram queriam atingir estrangeiros e prejudicar o turismo e a economia", disse o ministro.

Pelo menos 16 pessoas morreram no ataque, segundo um novo balanço da polícia.

Um primeiro balanço dava conta de 10 mortos.

A bomba explodiu no interior de um templo no centro de Banguecoque.

Partes de corpos, vidros partidos e destroços de motas encontravam-se espalhados pela rua após a explosão, ocorrida às 19:00 horas locais (12:00 horas de Lisboa) no Templo de Erawan, no bairro de Chidlom da capital tailandesa.

"Posso confirmar que foi uma bomba, mas ainda não posso dizer de que tipo, estamos a confirmar", declarou à agência France Presse o porta-voz da polícia tailandesa, Prawut Thavornsiri.

O templo de Erawan, dedicado à divindade hindu Brahma, é bastante popular, sendo inclusivamente visitado por milhares de devotos budistas diariamente.

O edifício situa-se na principal rua da zona comercial da cidade, e é rodeado por três centros comerciais de grandes dimensões, além de hotéis de cadeias ocidentais.

  • Frio no fim de semana, regiões do interior podem chegar aos -5 °C
    1:23

    País

    A Proteção Civil emitiu um alerta para o tempo frio e seco e pede cuidados redobrados. As temperaturas já começaram a descer, com regiões a registarem valores negativos. No interior, podem chegar aos 5 graus negativos. Até ao Natal o tempo vai manter-se frio, seco e com ausência de chuva.

  • Bombeiro ferido nos fogos de Pedrógão Grande regressou a casa
    2:33

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Seis meses depois dos incêndios de Pedrógão Grande, regressou a casa o último dos bombeiros de Castanheira de Pera que estava internado desde junho. Rui Rosinha esteve em coma mais de dois meses e tem ainda pela frente uma longa recuperação. O bombeiro não quer que o país esqueça o que aconteceu e espera que as duas tragédias deste ano (fogos de junho e outubro) sirvam de lição para o futuro.

  • PS volta a subir nas intenções de voto e não baixa dos 40%
    2:01
  • Marcelo evita "ideia de que o ano foi todo muito bom"
    3:14

    País

    Marcelo Rebelo de Sousa disse esta sexta-feira que 2017 teve "o melhor e o pior" e que "é preciso evitar a "ideia que o ano foi todo muito bom". O Presidente da República fez estas declarações depois de António Costa ter dito que a nível económico este "foi um ano particularmente saboroso".