sicnot

Perfil

Mundo

Pelo menos 16 mortos e vários feridos em explosão na Tailândia

A explosão de uma bomba no interior de um templo no centro de Banguecoque causou esta segunda-feira à tarde pelo menos 16 mortos e vários feridos, segundo o chefe da polícia da Tailândia.

© Chaiwat Subprasom / Reuters

"Há pelo menos dezasseis pessoas mortas e muitas feridas", afirmou o chefe da polícia tailandesa, Chakthip Chijinda, a um canal de televisão.

Partes de corpos, vidros partidos e destroços de motas encontravam-se espalhados pela rua após a explosão, ocorrida às 19:00 horas locais (12:00 horas de Lisboa) aparentemente no Templo de Erawan, no bairro de Chidlom da capital tailandesa.

"Posso confirmar que foi uma bomba, mas ainda não posso dizer de que tipo, estamos a confirmar", declarou à agência France Presse (AFP) o porta-voz da polícia tailandesa, o Tenente-General Prawut Thavornsiri.

Veículos de emergência compareceram imediatamente no local, e a polícia estabeleceu um perímetro de segurança, segundo a agência espanhola EFE.

Segundo meios de comunicação locais, as autoridades preparam-se para destruir um objeto suspeito na área com uma explosão controlada.

Num vídeo de uma câmara de segurança, publicado na rede social Twitter, vê-se o movimento nas ruas seguido do clarão intenso de uma explosão, que provoca a fuga dos presentes.

Fotografias mostram corpos no chão e uma cratera, presumivelmente causada pela explosão de uma bomba.

O Templo de Erawan, dedicado à divindade hindu Brahma, é bastante popular, sendo inclusivamente visitado por milhares de devotos budistas diariamente.

O edifício situa-se na principal rua da zona comercial da cidade, e é rodeado por três centros comerciais de grandes dimensões, além de hotéis de cadeias ocidentais.

Com Lusa

  • Seca contribui para a redução de nutrientes no mar e está a afetar a pesca
    2:11
  • Francisco George toma posse como presidente da Cruz Vermelha Portuguesa

    País

    O ex-diretor-geral da Saúde, Francisco George toma hoje posse como presidente da Cruz Vermelha Portuguesa. Em entrevista à Lusa, manifestou a intenção de criar uma unidade para abastecimento de água potável e redução dos problemas de saneamento em catástrofes como os incêndios deste verão. Além disso, em nome da transparência, vai tornar públicas as contas do organização, incluindo os donativos.

  • Comprar um carro em segunda mão sem ser enganado 
    8:44