sicnot

Perfil

Mundo

Presidente da Bolívia avisa de "golpe através do Congresso" no Brasil

O Presidente da Bolívia, Evo Morales, afirmou hoje que o governo da Presidente brasileira Dilma Roussef está a ser alvo de "agressão política" e de "um golpe através do Congresso".

© David Mercado / Reuters

"Sinto que a agressão a Dilma [Roussef] é política, um golpe através do Congresso", declarou em entrevista publicada hoje pelo diário argentino Página/12, citado pela agência espanhola EFE.

"Sinto que o império quer acabar com o património político do PT [Partido dos Trabalhadores]", afirmou, acrescentando que a agressão "já não é só contra Dilma, mas também contra [o ex-presidente] Lula [da Silva]".

Segundo Evo Morales, "há uma ofensiva contra os países com governos anti-imperialistas", com várias formas de "agressão política, como as chantagens e condicionamentos contra a Venezuela".

"Estamos preocupados com o caso da Venezuela, sobretudo pelos problemas económicos", afirmou.

Contudo, para o Presidente, "a posição bolivariana e revolucionária está firme, apesar das agressões políticas e económicas, ou das agressões parlamentares como no Brasil".

Evo Morales defende que "especialmente na América do Sul, os países são anti-imperialistas", e advertiu que "o império divide para derrotar os governos progressistas".

Lusa

  • Passos acusa Governo de "sacudir água do capote"

    País

    O líder do PSD, Pedro Passos Coelho, acusou este sábado o Governo de "sacudir a água do capote" para não assumir a responsabilidade pelo que está a ser decidido, usando uma política de comunicação que considerou ser um "embuste".

  • Quase 200 polícias solidários com agentes acusados
    2:29

    País

    Perto de 200 polícias manifestaram-se este sábado na sede da PSP em Alfragide, em solidariedade com os 18 agentes acusados no processo Cova da Moura. O Sindicato Nacional de Polícia associou-se ao protesto e diz existir um aproveitamento político do caso.

  • Polícias ameaçam com protestos no arranque do campeonato
    1:24

    País

    Os agentes da PSP ameaçam boicotar a presença nos jogos do campeonato da Primeira e Segunda ligas que começam em 15 dias. Os agentes colocam em causa o atual modelo de policiamento no futebol, que faz com que muitos dos profissionais da PSP trabalhem sem remuneração em dia de folga.