sicnot

Perfil

Mundo

Quadrigémeos alemães, de mãe de 65 anos, saem em breve do hospital

Os quadrigémeos que nasceram de uma alemã com 65 anos há três meses estão bem e saem do hospital dentro de dias, anunciaram hoje a imprensa alemã.

© Stringer Indonesia / Reuters

A estão televisiva alemã RTL apresentou o que alega ser o primeiro conjunto de imagens de Neeta, Dries, Bence e Fijon, os quatro gémeos que nasceram em maio, na 26.ª semana de gravidez da mãe, de 65 anos.

"Podemos ver que as crianças estão bem. Sentem-se bem com a sua mãe", disse o diretor dos serviços neonatais do hospital Charite, em Berlim, onde as crianças têm estado a ser tratadas desde o nascimento.

O nascimento destes quadrigémeos gerou intensa controvérsia na Alemanha, na medida em que a mãe das crianças, Annegret Raunigk, com 65 anos, já tinha 13 filhos e sete netos, tendo dado à luz de cesariana depois de ter recebido um tratamento de fertilidade na Ucrânia, com recurso a um dador anónimo de esperma e de óvulos.

Os três rapazes e uma rapariga, que pesavam entre 655 e 960 gramas na altura do nascimento, foram descritos pelo médico como "casos de absoluto alto risco".

Dois dos recém-nascidos tiveram de receber ajuda para respirarem, e outros dois tiveram de ser submetidos a cirurgia, acrescentou o responsável, que explicou que agora as crianças já têm 75% do peso normal e já são "crianças normais".

"Como é que uma pessoa tem de ser aos 65 anos?", questionou a mãe, quando se soube da intenção de aceder ao pedido da filha mais nova, de 9 anos, e dar-lhe um irmão ou irmã mais novo.

"Aparentemente, temos sempre de corresponder a um outro cliché, o que me parece bastante cansativo. Cada um tem de pensar por si próprio", disse Annegret Raunigk, citada pela RTL.

Lusa

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18