sicnot

Perfil

Mundo

Explosões em Tianjin, na China afetam economia

Explosões em Tianjin, na China afetam economia

As explosões no porto de Tianjin, há precisamente uma semana, já causaram prejuízos de quase mil milhões de euros. Um impacto negativo na economia chinesa que pode durar vários meses. Entretanto está também em curso uma investigação ao ministro chinês da Segurança do Trabalho, suspeito de corrupção e violação das leis.

As explosões em Tianjin, na China, já causaram prejuízos de quase mil milhões de euros, impediram grandes multinacionais de acederem às suas instalações e podem gerar um impacto económico com duração de vários meses.

O desastre matou pelo menos 114 pessoas e gerou receio de contaminação do ar e da água da cidade com poluentes tóxicos, apesar de as autoridades insistirem que são seguros.

As explosões destruíram também a zona do porto de Tianjin, uma plataforma chave da segunda economia mundial e maior comercializadora de bens.

Uma das imagens mais marcantes do desastre é a de inúmeros carros importados completamente carbonizados, com estimativas de que cerca de 10.000 veículos ficaram destruídos.

Mais de 150 empresas listadas na Fortune 500 -- a revista norte-americana que apresenta as maiores empresas do mundo -- operam em Tianjin, e o seu porto é um dos dez mais movimentados do mundo.

A cidade conta com uma população de 15 milhões de pessoas, o dobro de Londres, e uma economia do tamanho da da República Checa.

"A atividade económica em Tianjin ainda não voltou ao normal, vários dias depois das explosões devastadoras", indicou a consultora Capital Economics, numa nota aos clientes.

"Apesar de a maioria do porto continuar a operar, os danos aos armazéns e instalações de fábricas foram severos", acrescentou, alertando que "as perturbações devem estender-se às cadeias de abastecimento".

Com Lusa

  • Revelada ligação entre empresa de armazéns em Tianjin e governo local
    1:58

    Mundo

    A revista económica chinesa Caijing escreve hoje que quem realmente controla a empresa proprietária do terminal de contentores do porto de Tianjin, onde se registaram fortes explosões, é o filho de um antigo alto dirigente do governo local. Entretanto a Toyota anunciou a suspensão temporária da produção em três fábricas da China devido aos efeitos das explosões. Duas das três linhas de produção da marca japonesa estão localizadas perto do local do acidente e por isso tiveram de ser evacuadas. A explosão de quarta-feira que fez 114 vítimas mortais levou, esta manhã, centenas de moradores às ruas que ficaram com as casas destruídas e reclamam respostas e o apoio do governo.

  • Obama diz que Guterres "tem uma reputação extraordinária"
    1:38

    Mundo

    António Guterres diz que vai trabalhar com Barack Obama e também com Donald Trump, na reforma das Nações Unidas. O futuro secretário-geral da ONU foi recebido por Obama, na Casa Branca, onde recebeu vários elogios do presidente norte-americano.

  • Mãe do guarda-redes da Chapecoense comove o Brasil
    1:37
  • Dezenas de mortos em bombardeamentos do Daesh em Mossul

    Daesh

    Dezenas de civis, entre os quais várias crianças, morreram e outros ficaram feridos em ataques de morteiro efetuados pelo grupo extremista Daesh em Mossul, disse à agência Efe o vice-comandante das forças antiterroristas iraquianas.

  • Morreu o palhaço que fazia rir as crianças de Alepo

    Mundo

    Anas al-Basha, mais conhecido como o Palhaço de Alepo, morreu esta terça-feira durante um bombardeamento aéreo na zona dominada pelos rebeldes. O funcionário público mascarava-se de palhaço para ajudar a trazer algum conforto e alegria às crianças sírias, que vivem no meio de uma guerra civil.

  • Tribunal chinês iliba jovem executado há 21 anos

    Mundo

    Nie Shubin foi fuzilado em 1995, na altura com 20 anos, depois de ter sido condenado por violação e assassinato de uma mulher, na cidade de Shijiazhuang. Agora, a justiça chinesa vem dizer que, afinal, o jovem era inocente, uma vez que não foram encontradas provas suficientes para o condenar.