sicnot

Perfil

Mundo

Baciro Dja nomeado primeiro-ministro da Guiné-Bissau

Em atualização

O Presidente da República da Guiné-Bissau nomeou hoje Baciro Dja para o cargo de primeiro-ministro, numa tentativa de ressolver a atual crise política no país. O PAIGC já reagiu e considera a nomeação ilegal e anticonstitucional.

SCHALK VAN ZUYDAM

A nomeação foi publicada em decreto presidencial. O documento sublinha a urgência de neutralizar a atual crise politica e constituir um novo executivo.

O antigo primeiro-ministro, Domingos Simões Pereira, foi demitido pelo Chefe de Estado na semana passada, devido a acusaçoes corrupção e obstrução à justiça.

Baciro Djá tinha sido ministro da Presidência do Conselho de Ministros do anterior Governo até apresentar a demissão a 23 de junho, alegando uma "notória falta de confiança recíproca", entre ele próprio e Domingos Simões Pereira.

PAIGC acusa Presidente de nomeação ilegal e anticonstitucional

O Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC) considerou hoje ilegal e anticonstitucional a decisão do presidente guineense de nomear Baciro Djá. Segundo o porta-voz do PAIGC, João Bernardo Vieira, o partido vai ter uma posição "mais consistente" nas próximas horas, depois de uma reunião dos órgãos convocada pelo seu líder ex-primeiro-ministro, Domingos Simões Pereira.

"O presidente da República acaba de cometer mais uma ilegalidade ao nomear um amigo dele [Baciro Djá] para um cargo de alta responsabilidade, sem ser por indicação do PAIGC", o partido mais votado nas últimas eleições e com maioria no Parlamento, observou João Bernardo Vieira.

Com Lusa

  • Porque é que Melania e Ivanka vestiram preto para conhecer o Papa

    Mundo

    Melania e Ivanka chegaram ao Vaticano de preto, uma escolha muito questionada. De vestidos longos e véus, as mulheres Trump seguiram assim o dress code aconselhado nas audiências com o Papa. Também Michelle Obama usou uma vestimenta do género, em 2009, quando visitou Bento XVI.

  • Escola de Vagos castiga alunos por protesto contra a homofobia e preconceito

    País

    Os alunos da Escola Secundária de Vagos, no distrito de Aveiro, organizaram um protesto contra o que consideram homofobia e preconceito. Segunda-feira, depois de duas alunas se terem beijado foram chamadas à direção da escola, que as terá informado que não podiam beijar-se em público. O protesto foi gravado e partilhado nas redes sociais. Em declarações à SIC Notícias, um dos alunos disse que todos os envolvidos no protesto vão ser alvos de um processo disciplinar. O Bloco de Esquerda já pediu esclarecimentos ao Ministério da Educação.

    EXCLUSIVO

    Rita Pedras