sicnot

Perfil

Mundo

Baciro Dja nomeado primeiro-ministro da Guiné-Bissau

Em atualização

O Presidente da República da Guiné-Bissau nomeou hoje Baciro Dja para o cargo de primeiro-ministro, numa tentativa de ressolver a atual crise política no país. O PAIGC já reagiu e considera a nomeação ilegal e anticonstitucional.

SCHALK VAN ZUYDAM

A nomeação foi publicada em decreto presidencial. O documento sublinha a urgência de neutralizar a atual crise politica e constituir um novo executivo.

O antigo primeiro-ministro, Domingos Simões Pereira, foi demitido pelo Chefe de Estado na semana passada, devido a acusaçoes corrupção e obstrução à justiça.

Baciro Djá tinha sido ministro da Presidência do Conselho de Ministros do anterior Governo até apresentar a demissão a 23 de junho, alegando uma "notória falta de confiança recíproca", entre ele próprio e Domingos Simões Pereira.

PAIGC acusa Presidente de nomeação ilegal e anticonstitucional

O Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC) considerou hoje ilegal e anticonstitucional a decisão do presidente guineense de nomear Baciro Djá. Segundo o porta-voz do PAIGC, João Bernardo Vieira, o partido vai ter uma posição "mais consistente" nas próximas horas, depois de uma reunião dos órgãos convocada pelo seu líder ex-primeiro-ministro, Domingos Simões Pereira.

"O presidente da República acaba de cometer mais uma ilegalidade ao nomear um amigo dele [Baciro Djá] para um cargo de alta responsabilidade, sem ser por indicação do PAIGC", o partido mais votado nas últimas eleições e com maioria no Parlamento, observou João Bernardo Vieira.

Com Lusa

  • Elemento dos Super Dragões com medida de coação mais gravosa
    1:37

    Desporto

    Os seis arguidos da Operação Jogo Duplo, que investiga crimes de corrupção e viciação de resultados na II Liga de futebol, saíram em liberdade. A medida de coação mais gravosa é para um membro da claque Super Dragões, que terá de pagar uma caução de 5 mil euros.

  • Mais de 120 pessoas com hepatite A
    2:23

    País

    O surto de hepatite A já infetou 128 pessoas, 60 das quais estão internadas em hospitais de Lisboa e Coimbra. A Direção-Geral da saúde recomenda a vacinação apenas aos familiares dos doentes. Apesar de não haver ruptura de stocks, há farmácias que não têm vacinas.

  • Sobreviventes de Mossul relatam mutilações e execuções do Daesh
    1:32