sicnot

Perfil

Mundo

Manifestações nos EUA após a morte de jovem negro pela polícia

Dezenas de pessoas manifestaram-se na quarta-feira nas ruas de St. Louis (Missouri, Estados Unidos), localidade próxima de Ferguson, depois de um jovem negro armado ter morrido na sequência de um confronto com a polícia.

Várias pessoas foram detidas por bloquearem a circulação das ruas da cidade e por lançarem objetos, incluindo pedras da calçada, contra as forças de segurança, informou a polícia de St. Louis.

Várias pessoas foram detidas por bloquearem a circulação das ruas da cidade e por lançarem objetos, incluindo pedras da calçada, contra as forças de segurança, informou a polícia de St. Louis.

© Lawrence Bryant / Reuters

Várias pessoas foram detidas por bloquearem a circulação das ruas da cidade e por lançarem objetos, incluindo pedras da calçada, contra as forças de segurança, informou a polícia de St. Louis.

Dois agentes da polícia municipal deslocaram-se na quarta-feira, com um mandado de busca, a um dos bairros mais conflituosos da cidade, mas antes que pudessem entrar na casa, dois jovens negros fugiram pela porta traseira, informou o chefe da polícia de St. Louis, Sam Dotson.

Os agentes ordenaram aos jovens que parassem, altura em que um deles apontou uma arma a um dos polícias, que, por sua vez, dispararam contra ele quatro vezes, matando-o, explicou Dotson.

O diário local St. Louis Post-Dispatch identificou o jovem morto como Mansur Ball-Bey, de 18 anos.

"Os agentes procuravam armas, estavam ali devido a crimes violentos, à procura de pessoas que tinham cometido crimes na vizinhança", disse Dotson, esclarecendo que a arma que o falecido apontou aos polícias era roubada e que os agentes encontraram também cocaína na casa.

Várias dezenas de manifestantes negros deslocaram-se ao local dos acontecimentos e manifestaram-se contra a polícia.

St. Louis fica próxima da Ferguson, onde morreu no ano passado o jovem negro Michael Brown, baleado por um polícia branco.

Lusa

  • Duas pessoas baleadas durante homenagem a Michael Brown nos EUA

    Mundo

    Pelo menos duas pessoas foram baleadas durante as cerimónias de homenagem a Michael Brown, um jovem negro abatido há um ano por um polícia em Ferguson. Os disparos ocorreram quando a polícia tentava dispersar um grupo de manifestantes que partiu montras, assaltou lojas e tentou bloquear o trânsito no percurso definido pela marcha.

  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.