sicnot

Perfil

Mundo

Presidente da Câmara de Tianjin assume responsabilidade por explosões

O presidente da câmara da cidade chinesa de Tianjin, Huang Xingguo, assumiu na quarta-feira a responsabilidade pelas explosões ocorridas no terminal de contentores há uma semana, informou a agência oficial Xinhua.

As explosões, cuja causa ainda não foi revelada, aconteceram num armazém da companhia Ruihai International Logistics, pouco antes da meia-noite do passado dia 12 de agosto, e causaram pelo menos 114 mortos, mais de 700 feridos e 65 desaparecidos, números que oscilam diariamente.

As explosões, cuja causa ainda não foi revelada, aconteceram num armazém da companhia Ruihai International Logistics, pouco antes da meia-noite do passado dia 12 de agosto, e causaram pelo menos 114 mortos, mais de 700 feridos e 65 desaparecidos, números que oscilam diariamente.

© Kim Kyung Hoon / Reuters

"Como chefe do governo municipal e do Partido [Comunista] em Tianjin, tenho uma responsabilidade inquestionável", disse Huang.

As explosões, cuja causa ainda não foi revelada, aconteceram num armazém da companhia Ruihai International Logistics, pouco antes da meia-noite do passado dia 12 de agosto, e causaram pelo menos 114 mortos, mais de 700 feridos e 65 desaparecidos, números que oscilam diariamente.

Entre os desaparecidos estão vários bombeiros, bem como entre os mortos, a quem Huang chamou "heróis".

O presidente da Câmara instou a que se aplique "tolerância zero" à empresa e às pessoas responsáveis pelo ocorrido "sem se ter em conta quem são e que contactos têm".

Vários dirigentes de nível médio do porto estão a ser investigados e o organismo anticorrupção do Partido Comunista abriu inquéritos sobre Yang Dongliang, responsável pela Segurança Laboral do país, e Xiong Yuehui, um alto cargo do Ministério de Proteção do Meio Ambiente.

Xiong Yuehui foi vice-presidente da Câmara de Tianjin, sob as ordens do atual vice-primeiro-ministro chinês, Zhang Gaoli, um dos sete membros do Comité Permanente do Partido Comunista.

As investigações a Yang e Xiong não foram oficialmente ligados às explosões.

Huang sublinhou que são necessários "mais cálculos" para avaliar os danos causados pelas explosões, mas garantiu que não vão afetar os pilares da economia de Tianjin cujo porto é o mais importante do norte da China.

"Nas áreas afetadas só há 176 empresas e a maioria delas não realizava negócios de importação e exportação", acrescentou.

A agência de 'rating' Fitch Ratings estimou há dos dias um possível custo entre "1.000 e 1.500 milhões de dólares" (898 e 1.346 milhões de euros) para as seguradoras, e considerou que a tragédia pode tornar-se "uma das indemnizações por catástrofe mais dispendiosas" para o setor na China, nos últimos anos.

Lusa

  • Revelada ligação entre empresa de armazéns em Tianjin e governo local
    1:58

    Mundo

    A revista económica chinesa Caijing escreve hoje que quem realmente controla a empresa proprietária do terminal de contentores do porto de Tianjin, onde se registaram fortes explosões, é o filho de um antigo alto dirigente do governo local. Entretanto a Toyota anunciou a suspensão temporária da produção em três fábricas da China devido aos efeitos das explosões. Duas das três linhas de produção da marca japonesa estão localizadas perto do local do acidente e por isso tiveram de ser evacuadas. A explosão de quarta-feira que fez 114 vítimas mortais levou, esta manhã, centenas de moradores às ruas que ficaram com as casas destruídas e reclamam respostas e o apoio do governo.

  • Explosões em Tianjin, na China afetam economia
    1:37

    Mundo

    As explosões no porto de Tianjin, há precisamente uma semana, já causaram prejuízos de quase mil milhões de euros. Um impacto negativo na economia chinesa que pode durar vários meses. Entretanto está também em curso uma investigação ao ministro chinês da Segurança do Trabalho, suspeito de corrupção e violação das leis.

  • Pedrógão e o Governo das culpas dos outros

    Opinião

    Depois das revelações do ‘Expresso’ e do ‘i’, o primeiro-ministro e os ministros saíram à rua com uma estratégia muito bem definida: desmentir a existência de listas secretas e centrar as atenções no Ministério Público. Ao mesmo tempo, nas redes sociais, está em curso (mais) uma campanha contra os jornalistas. Os anónimos, com cartão de militante, que escrevem nessas páginas acusam os jornais das “mais rebuscadas teorias da conspiração”. Nada de novo portanto.

    Bernardo Ferrão

  • "A verdadeira questão são as imagens com que abrimos o Jornal, é um país que está a arder"
    2:52

    Opinião

    A polémica em torno do número de vítimas da tragédia de Pedrógão Grande esteve em análise no Jornal da Noite. Miguel Sousa Tavares diz não compreender "que se faça disto uma questão política" e reitera que o foco deve centrar-se nas imagens de "um país que está a arder". O comentador SIC afirma ainda que "64 mortos num incêndio é um escândalo, um número absurdo".

    Miguel Sousa Tavares

  • "Hoje vi chover lume"
    3:57
  • Quase mil bombeiros combatem chamas na Sertã
    1:37

    País

    O incêndio que deflagrou no domingo, na Sertã, concelho de Castelo Branco, ainda não foi extinto. Perto de mil homens combatem as chamas no terreno, apoiados por 10 meios aéreos. O fogo tem frentes em Mação e Proença-a-Nova.

  • Proteção Civil acusada de gestão errática no incêndio de Mação
    1:26

    País

    O comandante dos Bombeiros de Constância e o vice-Presidente da Liga dos Bombeiros acusam a Proteção Civil de desviar meios do fogo de Mação, em Santarém, que eram essenciais para travar o incêndio. As chamas desceram da Sertã e acabaram por queimar uma casa de habitação.

  • Milhares de clientes da CGD vão pagar quase 5€/ mês por comissões de conta
    1:24
  • O apelo da adolescente arrependida de ir lutar pelo Daesh

    Daesh

    Uma adolescente alemã que desapareceu da casa dos pais, no estado da Saxónia, esteve entre os vários militantes do Daesh detidos este fim de semana na cidade iraquiana de Mossul. Arrependida do rumo que deu à sua vida, deixou um apelo emocionado em que expressa, repetidamente, a vontade de "fugir" e voltar para casa.

    SIC

  • Bebé Charlie Grad já não vai receber tratamento nos EUA

    Mundo

    A mãe de Charlie Grad disse esta segunda-feira que o bebé poderia ter vivido uma vida normal, caso tivesse começado a receber tratamento cedo. Já o pai admitiu que o filho não iria viver até ao primeiro aniversário. O bebé foi diagnosticado com uma doença rara e um hospital em Inglaterra pediu permissão para desligar a ventilação artificial e fornecer-lhe cuidados paliativos. O Tribunal Europeu dos Direitos Humanos aceitou e, até hoje, os pais travaram uma batalha na Justiça para suspender a decisão na esperança de irem tratar o filho nos Estados Unidos da América.