sicnot

Perfil

Mundo

Violência e sexo não vendem, revela estudo norte-americano

Um estudo da Universidade de Ohio, Estados Unidos, concluiu que o sexo e a violência na televisão, cinema e imprensa não servem para vender mais, tendo até um impacto negativo, desmentindo uma ideia que marcou a indústria da publicidade.

© Jason Reed / Reuters

Em geral, os conteúdos violentos ou com carga sexual têm um impacto negativo no produto ou não têm qualquer impacto, segundo as conclusões divulgadas na quinta-feira.

"A violência e o sexo nunca ajudam ou, por vezes, prejudicam a eficácia da publicidade", assegura o estudo.

Os investigadores analisaram as reações de 8.500 participantes em meia centena de experiências para determinar os efeitos do sexo e da violência na atitude em relação às marcas, nas intenções de compra e no impacto na memória dos telespetadores.

O conteúdo sexual afetou negativamente a memorização do produto, enquanto a atitude para com uma marca tornou-se mais negativa no caso de anúncios violentos, em comparação com aqueles de conteúdo considerado neutro.

Assim, a intenção de compra diminui se a marcar estiver envolta em conteúdo sexual ou violento, conclui.

Lusa

  • Protestos e violência no Rio de Janeiro
    1:08
  • Marcelo diz que a Europa precisa de paixão
    2:36
  • Cogumelos alucinogénios entre as drogas mais seguras

    Mundo

    Os cogumelos alucinogénios são considerados uma das drogas mais seguras, quando consumidos para fins recreativos. A conclusão é avançada no Global Drug Survey, um estudo anual divulgado esta quarta-feira sobre os hábitos de consumo de drogas de quase 120 mil pessoas em 50 países.

  • Porque é que Melania e Ivanka vestiram preto para conhecer o Papa

    Mundo

    Melania e Ivanka chegaram ao Vaticano de preto, uma escolha muito questionada. De vestidos longos e véus, as mulheres Trump seguiram assim o dress code aconselhado nas audiências com o Papa. Também Michelle Obama usou uma vestimenta do género, em 2009, quando visitou Bento XVI.