sicnot

Perfil

Mundo

Quase duas dezenas de polícias brasileiros investigados pela morte de 18 pessoas

A comissão de controlo interno da Polícia Militar (PM) do Brasil está a investigar 18 agentes pela possível participação numa série de homicídios que, na semana passada, mataram 18 pessoas em três horas, na zona metropolitana de São Paulo.

© STRINGER Brazil / Reuters

De acordo com fontes da PM, citadas pela imprensa local, ficou provado que o assassínio das 18 pessoas foi cometido por um grupo organizado com intenção de se vingar.

O ataque, em que também ficaram feridas seis pessoas, aconteceu uma semana depois da morte de um polícia militar em Osasco e de um guarda metropolitano em Barueri, o que, segundo as autoridades, reforça a tese da vingança, já que os homicídios das 18 pessoas ocorreram nestas duas localidades.

Dois dos sobreviventes asseguraram à comissão de controlo interno da PM que viram um carro da polícia junto a um dos veículos de onde saíram os homens que dispararam sobre as vítimas em Osasco

As testemunhas também afirmaram que viram outro carro de uma empresa a passar pelo local do ataque 20 minutos antes dos homicídios.

Na sexta-feira, a Comissão Interamericana dos Direitos Humanos (CIDH) instou o Brasil a esclarecer o que aconteceu e a identificar, processar e punir os responsáveis.

No entanto, a Secretaria de Segurança de São Paulo defendeu que tem estado a investigar os acontecimentos e sublinhou que a CIDH mostrou "total desconhecimento" nas suas declarações.

Lusa

  • Bombeiros ficaram de prevenção após intoxicação em Corroios
    1:16

    País

    17 alunos da escola EB 2+3 em Corroios, no Seixal, foram hospitalizados esta segunda-feira com sintomas de intoxicação alimentar. Os alunos, entre os 7 e os 14 anos, foram transportados 12 para o hospital Garcia de Orta, em Almada e cinco para o hospital do Barreiro. O transporte foi feito pelos bombeiros voluntários da Amora e do Seixal mantiveram uma equipa de socorro no local apenas por prevenção.

  • "Nada mais há a dizer" sobre a Caixa
    0:13

    Caso CGD

    O primeiro-ministro voltou esta segunda-feira a dizer que já não há nada para discutir, na polémica sobre a entrega de declarações de património dos gestores da CGD. Foram as declarações de António Costa, na Cidade da Praia, à margem da quarta cimeira bilateral entre Portugal e Cabo Verde.

  • Venda do Novo Banco terá que ser negociada em Bruxelas
    0:43

    Economia

    A venda do Novo Banco vai ter que ser negociada com Bruxelas, uma vez que o Lone Star planeia agora ficar com 65% da instituição, obrigando o Estado a manter uma posição no banco. O ministro das Finanças lembra que esta também era uma possibilidade mas salienta que o assunto está nas mãos do Banco de Portugal.

  • Trump e os jornalistas: uma relação (su)rreal
    2:08
  • Modelo obrigada a prometer que não volta a arriscar a vida numa sessão fotográfica
    1:46