sicnot

Perfil

Mundo

Quase duas dezenas de polícias brasileiros investigados pela morte de 18 pessoas

A comissão de controlo interno da Polícia Militar (PM) do Brasil está a investigar 18 agentes pela possível participação numa série de homicídios que, na semana passada, mataram 18 pessoas em três horas, na zona metropolitana de São Paulo.

© STRINGER Brazil / Reuters

De acordo com fontes da PM, citadas pela imprensa local, ficou provado que o assassínio das 18 pessoas foi cometido por um grupo organizado com intenção de se vingar.

O ataque, em que também ficaram feridas seis pessoas, aconteceu uma semana depois da morte de um polícia militar em Osasco e de um guarda metropolitano em Barueri, o que, segundo as autoridades, reforça a tese da vingança, já que os homicídios das 18 pessoas ocorreram nestas duas localidades.

Dois dos sobreviventes asseguraram à comissão de controlo interno da PM que viram um carro da polícia junto a um dos veículos de onde saíram os homens que dispararam sobre as vítimas em Osasco

As testemunhas também afirmaram que viram outro carro de uma empresa a passar pelo local do ataque 20 minutos antes dos homicídios.

Na sexta-feira, a Comissão Interamericana dos Direitos Humanos (CIDH) instou o Brasil a esclarecer o que aconteceu e a identificar, processar e punir os responsáveis.

No entanto, a Secretaria de Segurança de São Paulo defendeu que tem estado a investigar os acontecimentos e sublinhou que a CIDH mostrou "total desconhecimento" nas suas declarações.

Lusa

  • António Costa evita perguntas sobre estágios não remunerados
    1:55
  • "É evidente que não fecho a porta ao Eurogrupo"
    1:38

    Economia

    O ministro das Finanças diz que não fecha a porta ao Eurogrupo. A declaração é feita numa entrevista ao semanário Expresso. No entanto, Mário Centeno deixa a ressalva que qualquer ministro das Finanças do Eurogrupo pode ser presidente.

  • Trump adia decisão sobre permanência nos acordos de Paris
    1:48
  • Raízes de ciência e rebentos de esperança
    14:14