sicnot

Perfil

Mundo

Duas mil pessoas manifestaram-se em frente à sede da Petrobras no Rio de Janeiro

Mais de 2.000 pessoas manifestaram-se hoje junto à sede da Petrobras, no Rio de Janeiro, contra a diminuição de trabalhadores na petrolífera brasileira, originado pelo escândalo de corrupção que envolveu a empresa e pela crise económica que o país enfrenta.

© Sergio Moraes / Reuters

"Petrobras dá-me o meu dinheiro. Eu trabalhei", era uma das mensagens que se lia nas bandeiras dos manifestantes, segundo relatou a agência de notícias francesa (AFP).

Os manifestantes exigem que seja retomada a construção do complexo da refinaria de petróleo Comperj, que se estende por 45 quilómetros quadrados em Itaboraí, a cerca de 40 quilómetros do Rio de Janeiro.

A interrupção dos trabalhos, devido à falta de dinheiro após o escândalo de corrupção que afetou a companhia, levou a uma queda de 50% no lucro de quinze municípios da região, de acordo com os números avançados pelos perfeitos dessas cidades.

A Petrobras, que perdeu mais de dois mil milhões de dólares (cerca de 1,72 mil milhões de euros) devido ao esquema de corrupção que a atingiu, apelidado de Petrolão, que está sob a investigação das autoridades brasileiras, anunciou que vai concluir os trabalhos de construção da refinaria, completados em 85%, caso encontre novas parcerias para o efeito.

"Estou aqui para defender a minha cidade, Itaboraí, que deixou de oferecer oportunidades de trabalho após o fim dos trabalhos para o Comperj. Muitos dos meus amigos e vizinhos estão desempregados", afirmou à AFP Maria José da Silva, aposentada de 60 anos.

Várias empresas contratadas para a construção da refinaria são suspeitas de fazer parte do cartel que pagou subornos a diretores da Petrobras para ganhar contratos que eram sobrefaturados.

Uma parte das comissões pagas aos parlamentares envolvidos no esquema de corrupção atingiu a coligação de esquerda no poder no Brasil.

Este escândalo obrigou a Petrobras a reduzir os seus investimentos e a bloquear os contratos de algumas empresas acusadas de pertencerem à rede de corrupção. E vários empresários do setor da construção foram detidos.

A Petrobras revelou que no complexo de Comperj trabalham agora 11.500 pessoas, longe das 35.000 que trabalhavam em 2013.

A taxa de crescimento do Brasil, a sétima maior economia do mundo, é baixa há quatro anos consecutivos e o seu Produto Interno Bruto (PIB) deverá cair este ano, escreveu a AFP.

Lusa

  • Luís Pina indiciado por quatro crimes de tentativa de homicídio
    2:24
  • Ministro "mais descansado" com relatório sobre Almaraz, ambientalistas contestam
    2:01

    País

    O ministro do Ambiente diz estar mais descansado depois de conhecer o relatório técnico que considera o armazém de resíduos nucleares em Almaraz uma solução adequada. Já as associações ambientalistas e os partidos criticam o parecer positivo à construção e querem ouvir os ministros do Ambiente e dos Negócios Estrangeiros no Parlamento.

  • Marcelo recebido por multidão na Ovibeja
    2:52
  • Líderes europeus unidos para iniciar saída do Reino Unido
    2:08
  • 100 dias de Trump em 04'30''
    4:33

    Pequenas grandes histórias

    Donald Trump tomou posse como 45º Presidente dos EUA dia 20 de janeiro de 2017, faz este sábado, 100 dias. Prometeu grandes mudanças, mas os planos acabaram por chocar de frente com a realidade e a burocracia de Washington, como foi o caso do Obamacare. Foi a primeira ordem executiva que assinou, no dia em que tomou posse, mas a revogação está longe de acontecer.