sicnot

Perfil

Mundo

Duas mil pessoas manifestaram-se em frente à sede da Petrobras no Rio de Janeiro

Mais de 2.000 pessoas manifestaram-se hoje junto à sede da Petrobras, no Rio de Janeiro, contra a diminuição de trabalhadores na petrolífera brasileira, originado pelo escândalo de corrupção que envolveu a empresa e pela crise económica que o país enfrenta.

© Sergio Moraes / Reuters

"Petrobras dá-me o meu dinheiro. Eu trabalhei", era uma das mensagens que se lia nas bandeiras dos manifestantes, segundo relatou a agência de notícias francesa (AFP).

Os manifestantes exigem que seja retomada a construção do complexo da refinaria de petróleo Comperj, que se estende por 45 quilómetros quadrados em Itaboraí, a cerca de 40 quilómetros do Rio de Janeiro.

A interrupção dos trabalhos, devido à falta de dinheiro após o escândalo de corrupção que afetou a companhia, levou a uma queda de 50% no lucro de quinze municípios da região, de acordo com os números avançados pelos perfeitos dessas cidades.

A Petrobras, que perdeu mais de dois mil milhões de dólares (cerca de 1,72 mil milhões de euros) devido ao esquema de corrupção que a atingiu, apelidado de Petrolão, que está sob a investigação das autoridades brasileiras, anunciou que vai concluir os trabalhos de construção da refinaria, completados em 85%, caso encontre novas parcerias para o efeito.

"Estou aqui para defender a minha cidade, Itaboraí, que deixou de oferecer oportunidades de trabalho após o fim dos trabalhos para o Comperj. Muitos dos meus amigos e vizinhos estão desempregados", afirmou à AFP Maria José da Silva, aposentada de 60 anos.

Várias empresas contratadas para a construção da refinaria são suspeitas de fazer parte do cartel que pagou subornos a diretores da Petrobras para ganhar contratos que eram sobrefaturados.

Uma parte das comissões pagas aos parlamentares envolvidos no esquema de corrupção atingiu a coligação de esquerda no poder no Brasil.

Este escândalo obrigou a Petrobras a reduzir os seus investimentos e a bloquear os contratos de algumas empresas acusadas de pertencerem à rede de corrupção. E vários empresários do setor da construção foram detidos.

A Petrobras revelou que no complexo de Comperj trabalham agora 11.500 pessoas, longe das 35.000 que trabalhavam em 2013.

A taxa de crescimento do Brasil, a sétima maior economia do mundo, é baixa há quatro anos consecutivos e o seu Produto Interno Bruto (PIB) deverá cair este ano, escreveu a AFP.

Lusa

  • "O que mais tem havido nesta altura são respostas precipitadas"
    7:21

    Opinião

    Foi um "debate contigo" o de hoje, no Parlamento, sobretudo no frente-a-frente entre António Costa e Passos Coelho, na opinião de Bernardo Ferrão. O subdiretor de informação da SIC sublinha uma declaração "mortal" do primeiro-ministro, quando este disse que "ninguém quer respostas precipitadas". Por outro lado, a comissão técnica independente pedida pelo PSD pode virar-se contra o próprio partido.

    Bernardo Ferrão

  • NotPetya: Lourenço Medeiros explica o novo ciberataque global
    2:44

    Mundo

    A Ucrânia está a ser seriamente afetada por um novo ataque informático. Algumas empresas de grande dimensão estão a ser prejudicadas, agravando a dimensão global do ataque, o qual não parece ser dirigido a ninguém em concreto. Ontem, nas primeiras horas do ataque, não parava de crescer o número de vítimas.

  • Caricaturas de Trump invadem capital do Irão

    Mundo

    O Irão está a organizar um concurso internacional de caricaturas do Presidente norte-americano Donald Trump. Pelas ruas de Teerão já vão surgindo algumas imagens alusivas ao festival que vai realizar-se no próximo mês de julho.

  • Companhia aérea obriga deficiente físico a entrar no avião sem ajuda

    Mundo

    Um homem com uma deficiência física que o obriga a andar numa cadeira de rodas foi obrigado a subir sozinho as escadas de um avião da companhia aérea Vanilla Air. Hideto Kijima deparou-se com a situação quando estava a embarcar da ilha de Amami para Osaka, no Japão, com vários amigos que foram proibidos de o ajudar.