sicnot

Perfil

Mundo

Duas mil pessoas manifestaram-se em frente à sede da Petrobras no Rio de Janeiro

Mais de 2.000 pessoas manifestaram-se hoje junto à sede da Petrobras, no Rio de Janeiro, contra a diminuição de trabalhadores na petrolífera brasileira, originado pelo escândalo de corrupção que envolveu a empresa e pela crise económica que o país enfrenta.

© Sergio Moraes / Reuters

"Petrobras dá-me o meu dinheiro. Eu trabalhei", era uma das mensagens que se lia nas bandeiras dos manifestantes, segundo relatou a agência de notícias francesa (AFP).

Os manifestantes exigem que seja retomada a construção do complexo da refinaria de petróleo Comperj, que se estende por 45 quilómetros quadrados em Itaboraí, a cerca de 40 quilómetros do Rio de Janeiro.

A interrupção dos trabalhos, devido à falta de dinheiro após o escândalo de corrupção que afetou a companhia, levou a uma queda de 50% no lucro de quinze municípios da região, de acordo com os números avançados pelos perfeitos dessas cidades.

A Petrobras, que perdeu mais de dois mil milhões de dólares (cerca de 1,72 mil milhões de euros) devido ao esquema de corrupção que a atingiu, apelidado de Petrolão, que está sob a investigação das autoridades brasileiras, anunciou que vai concluir os trabalhos de construção da refinaria, completados em 85%, caso encontre novas parcerias para o efeito.

"Estou aqui para defender a minha cidade, Itaboraí, que deixou de oferecer oportunidades de trabalho após o fim dos trabalhos para o Comperj. Muitos dos meus amigos e vizinhos estão desempregados", afirmou à AFP Maria José da Silva, aposentada de 60 anos.

Várias empresas contratadas para a construção da refinaria são suspeitas de fazer parte do cartel que pagou subornos a diretores da Petrobras para ganhar contratos que eram sobrefaturados.

Uma parte das comissões pagas aos parlamentares envolvidos no esquema de corrupção atingiu a coligação de esquerda no poder no Brasil.

Este escândalo obrigou a Petrobras a reduzir os seus investimentos e a bloquear os contratos de algumas empresas acusadas de pertencerem à rede de corrupção. E vários empresários do setor da construção foram detidos.

A Petrobras revelou que no complexo de Comperj trabalham agora 11.500 pessoas, longe das 35.000 que trabalhavam em 2013.

A taxa de crescimento do Brasil, a sétima maior economia do mundo, é baixa há quatro anos consecutivos e o seu Produto Interno Bruto (PIB) deverá cair este ano, escreveu a AFP.

Lusa

  • As zonas de guerra que o fogo deixou
    3:13

    País

    A chuva finalmente ajudou na luta contra as chamas e o que fica agora é um cenário de devastação no norte e centro do país. Morreram 37 pessoas, arderam centenas de casas e empresas e há críticas severas à falta de meios.

  • Visto do céu, Portugal é um país que se vestiu de negro
    3:28
  • Portugueses usam Facebook para marcar protestos contra incêndios

    País

    Os incêndios que têm acontecido este ano estão a causar revolta entre a população. Por essa razão, estão marcadas, através da rede social Facebook, várias manifestações para os próximos dias um pouco por todo o país. Os portugueses exigem a melhoria do sistema, para que as tragédias deste ano não se voltem a repetir.

  • "Estou a ficar sem água, vai ser um trabalho inglório"
    1:06
  • "Quem está no Governo tem sérias responsabilidades"
    1:07

    Opinião

    Pacheco Pereira aponta falhas do Estado, dos bombeiros e da Proteção Civil como causa dos incêndios que assolaram o país no passado domingo. O comentador da SIC considera que o Governo tem responsabilidade perante o que aconteceu.

  • Presidente das Indústrias de Madeira diz que fogos estão a afetar o setor
    0:39

    País

    A Associação das Indústrias de Madeira e Mobiliário desvaloriza que os industriais do setor possam comprar madeira mais barata, em resultado dos incêndios florestais. Em entrevista na SIC Notícias, o presidente da associação, Vítor Poças, considera que os fogos estão a prejudicar gravemente a indústria.