sicnot

Perfil

Mundo

Incêndio destrói edifício que deveria alojar refugiados na Alemanha

Um incêndio destruiu hoje um edifício devoluto que deveria transformar-se numa habitação para refugiados na localidade de Weissach im Tal, no sudoeste da Alemanha.

A polícia afirmou não serem conhecidas ainda as causas do fogo, embora não descarte a possibilidade de um ataque o de cariz xenófobo, pois não seria o primeiro a ter lugar naquela localidade.

Em 2004, um complexo para refugiados foi alvo de um atentado protagonizado por um neonazi de 17 anos que lançou dois cocktails molotov contra o prédio.

O aumento do número de refugiados representa atualmente um desafio para as autoridades alemãs, tanto do ponto de vista logístico como político.

O estado federal de Baden-Württenberg conta que, durante este ano, devem chegar 100.000 refugiados ao país.

Nos últimos meses têm-se multiplicado os ataques contra lares de refugiados em todo o país.

Atualmente, um dos focos de atenção encontra-se em Heidenau (leste), onde se registaram confrontos entre grupos neonazis e manifestantes de esquerda que se solidarizaram com os refugiados.

O vice-chanceler e ministro da Economia alemão, Sigmar Gabriel, viaja hoje para Heidenau.

Lusa

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.