sicnot

Perfil

Mundo

Presidente da Guatemala nega envolvimento em rede de corrupção

O Presidente da Guatemala, Otto Pérez Molina, negou, este domingo, a sua participação numa rede de corrupção e garantiu que vai dar "a cara" diante da Justiça e assumir a sua a responsabilidade, mas que não pretende demitir-se.

© Handout . / Reuters

"Darei a cara e demonstrarei (...) que não fiz parte, e muito menos, recetor desses fundos obtidos ilicitamente em prejuízo do povo da Guatemala", afirmou Pérez Molina, numa mensagem difundida através dos canais estatais.

O chefe de Estado guatemalteco foi acusado, na sexta-feira, pela Procuradoria-Geral da República de envolvimento num escândalo financeiro, no seguimento de investigações e nas vésperas de eleições presidenciais, marcadas para o próximo dia 06 de setembro.

A antiga vice-presidente Roxana Baldetti foi detida no mesmo dia, depois de se ter demitido do cargo em maio.

Milhares de pessoas têm participado em comícios nas últimas semanas para protestar contra os escândalos que têm envolvido o Governo liderado por Perez Molina, que sempre negou qualquer erro na sua conduta. E, nos últimos dois dias, três ministros apresentaram a sua demissão.

Na breve alocução de cinco minutos, o Presidente da Guatemala defendeu a sua inocência, denunciando uma "estratégia intervencionista" de determinados setores nomeadamente do estrangeiro.

Defendeu, neste sentido, que se trata de uma situação "inaceitável" porque o objetivo da referida estratégia é "ditar o que é ou não fazer e romper a democracia" incipiente da nação centro-americana.

Esta foi a primeira vez que Perez Molina se pronunciou desde que foi formalizada a acusação, segundo a qual figura como um dos líderes da rede de corrupção denominada de "A Linha".

Estas acusações, argumentou, são "graves" e têm como fim estabelecer a sua eventual ligação à rede de corrupção. Pérez Molina rejeitou "categoricamente" qualquer envolvimento e ter recebido dinheiro de alguém no âmbito dessa "operação de fraude fiscal".

"A minha consciência, nesse sentido, está tranquila", sustentou.

Mesmo assim, Perez Molina afirmou sentir necessidade de "pedir perdão", uma vez que os eventos ocorreram no seio do Governo, implicando funcionários "próximos" ou que ele próprio designou.

"Independentemente da conjuntura política no nosso país, o importante é que não se rompa a tradição democrática do nosso povo", enfatizou.

Neste sentido, aproveitou para instar os guatemaltecos a irem às urnas no próximo dia 06 de setembro, já que a via do voto "consciente e responsável de todos" é a única forma de eleger os dirigentes.

"Compatriotas, faço um apelo para que se manifeste, com toda a força, essa Guatemala profunda, as organizações sociais, essa Guatemala plural que tem estado no centro da minha atenção. (...) Insto-vos hoje como nunca a defender a nossa incipiente democracia, a ver com otimismo o futuro e a fazer profundas transformações", disse.

Essas mudanças, frisou, abrirão caminho para uma Guatemala "mais segura, mais justa, mais transparente, mais participativa e mais próspera".

"Nessa perspetiva, e com esse fim superior, afirmo diante de vós que não renunciarei e que, com toda a firmeza, enfrentarei e sujeitar-me-ei aos processos previstos na lei", concluiu.

Lusa

  • IPSS no Seixal alvo de processo e auditoria financeira
    1:47

    País

    A Segurança Social está fazer mais uma inspeção total a uma IPSS, agora na Associação Unitária de Reformados, Pensionistas e Idosos do Seixal. A fiscalização já recolheu documentação e está agora a passar a pente fino as contas, os serviços e todos os procedimentos da Instituição.

    Investigação SIC - Hoje no Jornal da Noite

    SIC

  • "Vai custar muito a voltarmos à realidade"
    2:22
  • PJ apreende 745 quilos de cocaína escondida em ananases

    País

    A Polícia Judiciária apreendeu 745 quilos de cocaína com origem na América Latina.A droga estava escondida no interior de ananases transportados em contentores. Nove pessoas foram detidas numa investigação da Polícia Judiciária e do Cuerpo Nacional de Polícia de Espanha.

  • Trump mentalmente apto para ser Presidente dos EUA

    Mundo

    O Presidente dos Estados Unidos foi na semana passada sujeito aos exames médicos anuais obrigatórios. O médico oficial da Casa Branca informou esta terça-feira que Donald Trump está de "excelente" saúde, não apenas física, mas também mental. As dúvidas sobre as capacidades cognitivas de Trump ganharam força após as revelações feitas no livro "Fire and Fury: Inside the Trump White House".

    SIC

  • Quando o frio até as pestanas congela

    Mundo

    Os termómetros desceram até aos - 67º Celsius em Yakutia, 5.300 quilómetros a Este de Moscovo, na Rússia. Nesta região, os estudantes estão habituados a manter as rotinas, mesmo quando as valores chegam aos - 40º Celsius, mas esta terça-feira as autoridades encerraram escolas e aconselharam a população a ficar em casa, longe do frio que até as pestanas congela.

    SIC

  • Quase 600 pedidos de nulidade de casamentos católicos em três anos
    1:38

    País

    Entre 2015 e 2017, 575 casais portugueses pediram a anulação do casamento católico. O ano passado o número de pedidos duplicou em relação a 2015. Desde esse ano, e por decisão do Papa Francisco, que os pedidos de nulidade do casamento pela Igreja são mais simples, mais baratos e mais rápidos.

  • "É preciso namorar bem para que o namoro dê certo"
    2:31

    País

    Rui Rio diz que a decisão sobre o futuro da liderança da bancada parlamentar do PSD só será tomada depois de falar com Pedro Passos Coelho e com Hugo Soares. Em entrevista à RTP, a primeira depois de vencer as diretas, o Rui Rio lembrou esta terça-feira que Passos Coelho ainda é líder do partido.

  • Polícia australiana "detém" marsupial em fuga
    1:01
  • Deputado dorme no Parlamento britânico
    0:58

    Mundo

    O deputado britânico Desmond Swayne adormeceu no Parlamento, enquanto o colega de bancada, Kenneth Clarke falava sobre os direitos dos cidadãos da União Europeia, esta terça-feira. Clarke foi o único deputado conservador a votar contra a ativação do artigo 50 para a saída do Reino Unido da União Europeia. De acordo com a imprensa do Reino Unido, o colega Desmond Swayne, ex-ministro, parece não gostar muito das visões de Clarke e já foi visto muitas vezes com expressões de aborrecimento ou a revirar os olhos.