sicnot

Perfil

Mundo

Seul não vai parar propaganda enquanto Pyongyang não pedir desculpa

A Presidente da Coreia do Sul, Park Geun-Hye, declarou hoje que Seul não vai "desligar" os altifalantes que difundem propaganda na fronteira com a Coreia do Norte enquanto Pyongyang recusar pedir desculpa.

JIN-HEE PARK

A Coreia do Norte deve apresentar "claras desculpas" e prometer não se envolver em "novas provocações", afirmou a chefe de Estado sul-coreana, numa reunião com os seus conselheiros.

Pyongyang desencadeou a atual crise com as suas "atividades provocadoras", realçou Park Geun-Hye.

As duas Coreias realizam, desde o passado sábado, uma maratona negocial com vista a tentar evitar uma escalada da tensão na península.

As rondas de diálogo, com funcionários de alto nível, têm lugar na aldeia fronteiriça de Panmunjom, onde foi assinado o cessar-fogo da guerra de 1950-1953.

A atual crise teve início depois de dois soldados sul-coreanos terem ficado feridos na sequência de uma explosão de minas antipessoais, um incidente que Seul acusa Pyongyang de ser responsável.

Em jeito de represália, a Coreia do Sul voltou a ligar, na semana passada, os altifalantes que difundem mensagens de propaganda na fronteira, ao fim de 11 anos de silêncio.

A tensão agudizou-se na quinta-feira, quando Seul acusou Pyongyang de disparar contra uma das suas unidades militares, e respondeu com o lançamento de três dezenas de rondas de artilharia na direção do Norte.

A Coreia do Norte negou qualquer implicação no incidente das minas e lançou um ultimato a Seul exigindo que acabe com a sua "guerra psicológica" sob pena de sofrer represálias militares.

Lusa

  • Época 2016/17 fecha com festa no Jamor
    1:58

    Desporto

    Quatro anos depois da primeira final, Benfica e Vitória de Guimarães regressam ao Jamor esta tarde para jogar a Final da Taça de Portugal. O jogo marca também a estreia do videoárbitro em Portugal.

  • "É evidente que não fecho a porta ao Eurogrupo"
    1:38

    Economia

    O ministro das Finanças diz que não fecha a porta ao Eurogrupo. A declaração é feita numa entrevista ao semanário Expresso. No entanto, Mário Centeno deixa a ressalva que qualquer ministro das Finanças do Eurogrupo pode ser presidente.

  • Trump adia decisão sobre permanência nos acordos de Paris
    1:48
  • Raízes de ciência e rebentos de esperança
    14:14